Implantação de modelos de gestão: estudo de caso sobre o desempenho da gestão socioambiental de uma empresa pública

Autores

  • Christiane de Miranda e Silva Correia Doutora pela Universidade Federal de Minas Gerais Professora efetiva da Universidade Estadual de Minas Gerais
  • Cláudia Márcia Moreira Universidade Federal de Minas Gerais
  • Reynaldo Maia Muniz Universidade Federal de Minas Gerais Unihorizontes

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8077.2020.e60196

Palavras-chave:

Desempenho organizacional, modelo de gestão, stakeholders, gestão socioambiental

Resumo

As organizações buscam melhorar resultados e aumentar a competitividade no mercado com a implantação de modelos de gestão que suportem o atendimento às necessidades dos stakeholders. O objetivo deste artigo é contribuir com a adoção prática de modelo de gestão em organizações por meio da análise do impacto do desempenho organizacional relacionado a gestão socioambiental. Foi adotada como abordagem a pesquisa qualitativa que descreve por meio de estudo de caso o impacto da implantação do modelo de gestão no desempenho organizacional especialmente frente ao stakeholder Sociedade/Comunidade. Foi realizado envio de questionário, entrevistas não estruturadas e levantamento de dados secundários. Com a análise dos dados da pesquisa conclui-se que a implantação do modelo de gestão contribuiu para o alcance de resultados e, consequentemente, o atendimento às necessidades dos stakeholders. A implantação do modelo de gestão ocorreu paralelamente com outras metodologias de gestão que contribuíram para a melhoria do desempenho organizacional.

Biografia do Autor

Christiane de Miranda e Silva Correia, Doutora pela Universidade Federal de Minas Gerais Professora efetiva da Universidade Estadual de Minas Gerais

Possui graduação em Administração pela Universidade FUMEC (2001), mestrado em Administração pela Universidade FUMEC (2006) e doutorado em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (2016). Atualmente é professor de educação superior da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) na Faculdade de Políticas Públicas. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Gestão Estratégica, Gestão de Projetos, Gestão Socioambiental e Gestão Pública.

Referências

Altkinson, A.A., & Waterhouse, J. (1997). A stakeholders approach to strategic performance measurement. Sloan Management Review, Spring, 38(3), 25-36.

Cameron, K. (1980). Critical questions in assessing organizational effectiveness. Organizational Dynamics, Lincoln, 9, 66-80.

Cardoso, R. (2008). Construção de modelos de gestão articulados por modelos de referência: uma investigação sobre o uso dos modelos de referência de qualidade e excelência, 161. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) ─ COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro.

Carrieri, A. P. (1999). Gestão ambiental como estratégia competitiva em um mundo globalizado. In: RODRIGUES, S. B. (Org.) Competitividade, Alianças Estratégicas e Gerência Internacional. São Paulo: Atlas.

Caulliraux, H., & Proença, A. (2004). Gestão: introdução conceitual. In: Caulliraux, H.; Yuki, M. (Eds). Gestão pública e reforma administrativa. conceitos e casos: a experiência de Florianópolis. Rio de Janeiro: Lucerna, 19-23.

Connolly, T., & Conlon, E. J.; Deutsch, S. J. (1980). Organizational effectiveness. Academy of Management Review, Nova Iorque, 5(2), 211-217.

Correia, C. M. S. (2016). O impacto da implantação do Modelo de Excelência da Gestão® (MEG) no Desempenho Organizacional das Empresas Reconhecidas no Prêmio Mineiro da Qualidade, 149. Tese (Doutorado em Administração) - FACE/UFMG, Belo Horizonte.

Donaldson, T., & Preston, L.E. (1995). The stakeholder theory of the corporation: concepts, evidence and implications. Academy of Management Review, 20(8), 65-91.

FNQ. (2014). Critérios Rumo à Excelência: Avaliação e diagnóstico da gestão organizacional. São Paulo: FNQ.

Franco, D. (2013). Tecnologias e ferramentas de gestão. Campinas. Alínea.

Freeman, R. E. (1984). Strategic management: a stakeholder approach. Boston: Pitman.

Gespública. (2018). Benchmarking colaborativo – Guia Metodológico do Ministério do Planejamento. Recuperado em 13 abril, 2018, de http://www.gespublica.gov.br/content/benchmarking-colaborativo

Hansen, G. S., & Wernerfelt, B. (1989). Determinants of firm performance: the relative importance of economic and organizational factors, Strategic Management Journal, 10(5), 399-411.

Hitt, M. A. (1988). The measuring of organizational effectiveness: multiple domains and constituencies. Management International Review, Kiel, 28(2), 28-40.

Kanter, R. M., & BRINKERHOFF, D. (1981). Organizational performance: recent development in measurement. Annual Review of Sociology, Palo Alto, 7, 321-349.

Mcgahan, A. M., & Porter, M. E. (1997). How much does industry matter, really? Strategic Management Journal, 18 (Special Summer Issue), 15-30.

Metcalfe, C. E. (1998). The stakeholder Corporation. Business Ethics, 7(1), 30-36.

Moore, G. (1999). Tinged shareholders theory: or what´s so special about stakeholders? Business Ethics: a European Review, 8(2), 117-127.

Pidd, M. (1999). Just modeling through: a rough guide to modeling. Lancaster: Lancaster University.

Powell, T. C. (1996). How much does industry matter, an alternative empirical test. Strategic Management Journal, 17(4), 323-334.

Rumelt, R. P. (1991). How much does industry matter? Strategic Management Journal, 12(3), 167-185.

Scherer, F. (2014). Temas emergentes: o que é o Lean Innovation? Revista Exame. São Paulo: Abril, 26-fev-14. Recuperado em 25 abril, 2016, de http://exame.abril.com.br/rede-de-blogs/inovacao-na-pratica/2014/02/26/temas-emergentes-o-que-e-o-lean-innovation/

Schmalensee, R. (1985). Do markets differ much? American Economic Review, 75(3), 341-50.

Shankman, N. (1999). A. Reframing the debate between agency and stakeholders theories of the firm. Journal of Business Ethics, 21(4), 319-334.

Shehabuddeen, N., Probert, D., Phaal, & R., Platts, K. (1999). Representing and approaching complex management issues: Part 1 - Role and definition. Centre for Technology Management Working Paper Series, Cambridge: University of Cambridge Institute for Manufacturing.

Wernerfelt B., & Montgomery C. A. (1988). Sources of superior performance: market share versus industry effects in the U.S. brewing industry. Management Science, 37(8), 623-632.

Wilkinson, G., & Dale, B. (1999). Integration of quality, environment and health and safety management systems: an examination of key issues. Proceedings of the Institution of Mechanical Engineers, Part B. Journal of Engineering Manufacture, v. 213, n. 3, p. 275-283.

Yin, R. K. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Zammuto, R. F. (1984). A comparison of multiple constituency models of organizational effectiveness. Academy of Management Review, Nova Iorque, 9(4), 606-616.

Downloads

Publicado

2021-04-30

Edição

Seção

Artigos