Usos/desusos/abusos de termos sobre mobilidade internacional e trabalho: diálogos possíveis entre administração e antropologia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8077.2019v21n55p8

Palavras-chave:

Mobilidade internacional, Migração, Trabalho, Expatriado, Imigrante

Resumo

Este artigo teórico tem como objetivos discutir acerca dos principais termos e conceitos relativos à associação “mobilidade internacional e trabalho”, presentes na Administração e na Antropologia; e argumentar a favor do incremento do diálogo entre as áreas em prol do enriquecimento teórico-empírico relativo ao tema. Dentre os termos estudados estão expatriado, autoexpatriado, flexpatriado e gestores globais, na Administração; e imigrante, diáspora, transnacional e refugiado, na Antropologia. Cada área faz um recorte específico, o que pode promover classificações reducionistas da pluralidade da vida e mostrar-se tarefa inócua ao avanço do conhecimento, haja vista a velocidade das mudanças nas relações entre países, nas motivações de deslocamento mundial e nas configurações de trabalho. Argumenta-se a favor de que o ponto em comum aos indivíduos que atravessam fronteiras remeta ao vocábulo migração – todos são migrantes, emigrantes e imigrantes – pelo qual o diálogo poderá ilustrar a dimensão diversa de vida e trabalho destes indivíduos.

Biografia do Autor

Laura Alves Scherer, Universidade Federal do Pampa/UNIPAMPA - Campus Santana do Livramento e Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS

Professora do Curso de Administração da Universidade Federal do Pampa/UNIPAMPA - Campus Santana do Livramento; Mestre em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria/UFSM; Doutora em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS.

Vanessa Amaral Prestes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS

Mestre e Doutora em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS.

Carmem Ligia Iochins Grisci, Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS

Professora do Programa de Pós-graduação em Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS. Mestre em Psicologia Social e Doutora em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul/PUCRS. Pesquisadora PQ 1D. CNPq/Brasil Processo n. 302978/2014-3.

Referências

ALIAGA-ISLA, R. A percepção de oportunidades de negócios por imigrantes na Espanha: o impacto do capital humano geral e específico. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 16, n. 52, p. 416-433, 2014.

BAUMAN, Z.; RAUD, R. A individualidade numa época de incertezas. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

BARBOSA, L. Cultura Administrativa: uma nova perspectiva das relações entre antropologia e a administração. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 4, p. 6-19, out./dez. 1996.

BOERI, Tito et al. Brain drain and brain gain: The global competition to attract high-skilled migrants. Oxford University Press, 2012.

CALIGIURI, P. M. Assessing expatriate success: Beyond just. Being There”. In: New Approaches to Employee Management, Edited by: Saunders, DM and Aycan, Z, v. 4, p. 117-140, 1997.

CALIGIURI, P. M. Selecting expatriates for personality characteristics: a moderating effect of personality on the relationship between host national contact and cross-cultural adjustment. Management International Review, v.40, n.1, p.61-80, 2000.

CALIGIURI, P. M. Developing global leaders. Human Resource Management Review, v. 16, n. 2, p. 219-228, 2006.

CALIGIURI, P.; DI SANTO, V. Global Competence: what is it, and can it be developed through global assignments? Human Resource Planning, v. 24, n. 3, p. 27-38, 2001.

CASTRO NEIRA, Y. Teoría transnacional: revisitando la comunidad de los antropólogos. Política y cultura, n. 23, p. 181-194, 2005.

CAVEDON, N. R. Antropologia para Administradores. 2 ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.

CHANLAT, J-F. Intercultural analysis and the social sciences. In: CHANLAT, J-F.; DAVEL, E.; DUPUIS, J-P. Cross-Cultural Management, Culture and Management Across the World. London; New York: Routledge, 2013.

CHANLAT, J-F.; DAVEL, E.; DUPUIS, J-P. Cross-Cultural Management, Culture and Management Across the World. London; New York: Routledge, 2013.

CHANLAT, J-F.; PIERRE, P. Le management interculturel. Evolution, tendances et critiques. Caen: Editions Management et Société, 2018.

COLLINGS, D.; WOOD, G.; CALIGIURI, P (Ed.s). The Routledge Companion to International Human Resource Management. Abingdon, UK and New York, NY: Routledge, 2015.

CRUZ, E. P.; FALCÃO, R. P. Q. Revisão bibliométrica no tema empreendedorismo imigrante e étnico. Revista Eletrônica de Negócios Internacionais – Internext, São Paulo, v.11, n. 3, p. 78-94, set./dez. 2016.

DAVEL, E.; ALCADIPANI, R. Estudos críticos em administração: a produção científica brasileira nos anos 1990. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 43, n. 4, p. 72-85, dez. 2003.

DUTRA, J. S. Gestão de Pessoas: modelo, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2002.

FREITAS, M. E. O imperativo intercultural na vida e na gestão contemporânea. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 15, n. 45, p. 79-89, abr./jun. 2008.

FREITAS, M. E. A Mobilidade Como Novo Capital Simbólico nas Organizações ou Sejamos Nômades? Organizações & Sociedade, Salvador, v. 16, n. 49, p. 247-264, Abr./Jun. 2009.

FREITAS, M. E.; DANTAS, M. O estrangeiro e o novo grupo (Pensata). Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 51, n. 6, p. 601-608, nov./dez. 2011.

FREITAS, M. E. Meus encontros com os estudos organizacionais. FAROL - Revista de Estudos Organizacionais & Sociedade, Belo Horizonte, n. 3, p. 272-313, abr. 2015.

FROESE, F. J.; PELTOKORPI, V. Cultural Distance and expatriate job satisfaction. International Journal of Intercultural Relations, v.35, p.49-60, jan. 2011.

GALLON, S.; SCHEFFER, A. B.; BITENCOURT, B. M. “Eu fui, voltei e ninguém viu”: um estudo sobre a expectativa de carreira após a repatriação em uma empresa brasileira. Cad. EBAPE.BR, v. 11, n.1, art. 8, p.128-148, mar. 2013.

GALLON, S.; FRAGA, A. M.; ANTUNES, E. D. Conceitos e configurações de expatriados na internacionalização empresarial. REAd, Porto Alegre, v. 23, n. Especial, p. 29-59, 2017.

GONZÁLEZ, J. M. R.; OLIVEIRA, J. A. O. Os efeitos da expatriação sobre a identidade: estudo de caso. Cad. EBAPE.BR, v. 9, n. 4, p. 1122–1135, dez. 2011.

HALL, E. T. The Silent Language. Garden City, New York: Doubleday & Company, 1959.

HALL, S. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

HALTER, M. Cultura econômica do empreendimento étnico: caminhos da imigração ao empreendedorismo. Revista de Administração de Empresas, v. 47, n. 1, p. 116-123, 2007.

HANDERSON, J. Diáspora: sentidos sociais e mobilidades haitianas. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 21, n. 43, p. 51-78, jan./jun. 2015.

HARVEY, M.; NOVICEVIC, M. The evolution from repatriation of managers in MNEs to “patriation” in global organizations. In: STAHL, G. K.; BJÖRKMAN, I. Handbook of Research in International Human Resource Management. Massachusetts: Edward Elgar, 2006. p. 343-361.

HARVEY, M.; RALSTON, D.; NAPIER, N. International relocation of inpatriate managers: assessing and facilitating acceptance in the headquarters organization. International Journal of Intercultural Relations, v. 24, p. 825-846, 2000.

JARDIM, D. F. Imigrantes ou refugiados? As tecnologias de governamentalidade e o êxodo palestino rumo ao Brasil no século XX. Horizontes Antropológicos, n. 46, p. 243-271, 2016.

MAYERHOFER, H.; HARTMANN, L. C.; HERBERT, A. Career Management Issues for Flexpatriate International Staff. International Business, v. 46, n. 6, p. 647-666, 2004.

MARINUCCI, R. Migrações e trabalho: precarização, discriminação e resistência (Editorial). REMHU, Revista Interdisciplinar de Mobilidade Humana, Brasília, v. 25, n. 49, p. 7-11, abr. 2017.

MOTT, M.; TEIXEIRA, M. L. M.; NAKASHIMA, C.; ARAÙJO, G. S. Sistematização da Literatura Internacional sobre Expatriados: um estudo bibliométrico com destaque para metodologia empregada em anos recentes. Revista Gestão & Tecnologia, Pedro Leopoldo, v. 12, n. 2, p. 243-267, 2012.

NARDI, L. M. R.; BECKER, G. V. Profissionais sem Fronteiras: Ressignificação de sua Relação com o Trabalho? In: XXXVIII ENCONTRO DA ANPAD – EnANPAD, 2014, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Anpad, 2014.

NUNES, L. H.; VASCONCELOS, I. F. G.; JAUSSAUD, J. Expatriação de Executivos. São Paulo: Thomson Learning, 2008.

OIT, Organização Internacional do Trabalho. ILO Global estimates of migrant workers and migrant domestic workers: results and methodology. International Labour Office- Geneva: ILO, 2015.

OLIVEIRA, M. F. S.; IGLESIAS, J. C. G. El inmigrante transnacional y la conducta emprendedora. Revista Capital Científico - Eletrônica, v. 10, n. 2, p. 94-109, 2012.

PRESTES; V. A.; GRISCI, C. L.I. Autoexpatriação: uma compreensão à luz dos movimentos de territorialização, desterritorialização e reterritorialização. In: IV CONGRESSO BRASILEIRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS – CBEO, 2016, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: SBEO, 2016.

REGO, A.; CUNHA, M. P. E. Manual de gestão transcultural de recursos humanos. Lisboa: Editora RH, 2009.

RIBEIRO, G. L. Bichos de obra: Fragmentação e reconstrução de identidades. Disponível em: http://www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_18/rbcs18_03.htm.

RODRÍGUEZ, V. B. C.; FRANCO, G. C. S.; MIRANDA, E. M. O caminho do Pão que o Diabo Amassou ao Pão Nosso de Cada Dia: um olhar sobre as empresas do setor de alimentos de imigrantes galegos em Salvador. Revista Gestão & Planejamento, v. 15, n. 2, p. 356-372, 2014.

RUIZ, M. D. ¿Quién puede ser “inmigrante” en la ciudad? Donosita: Tercera prensa, p. 9-24, 2003.

SAYAD, A. Imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: EDUSP, 1979.

SAYAD, A. Uma pobreza exótica: a imigração argelina na frança. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 6, n. 17, p. 84-107, 1991.

SILVA, N. B.; ORSI, A.; NAKATA, L. E. Análise da Produção Acadêmica sobre Gestão Internacional de Recursos Humanos entre 2001 e 2011. Revista de Carreiras e Pessoas, v.03, n.03, p. 50-60, 2013.

SCHERER, L. A. MINELLO, I. F. Resiliência e Expatriação: das adversidades à dinâmica do comportamento resiliente de expatriados. Revista Alcance Eletrônica, v. 24, p. 329-349, 2017.

SPOHR, N.; FLEURY, M. T. L. O processo de repatriação na visão de profissionais repatriados brasileiros. In: XXXV ENCONTRO NACIONAL DA ANPAD – EnANPAD, 2011, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Anpad, 2011.

TRUZZI, O. M. S. Gestão tradicional e obstáculos ao crescimento empresarial: um estudo de caso entre imigrantes empresários. Revista de Administração de Empresas, v. 27, n. 1, p. 25-31, 1987.

Downloads

Publicado

2020-11-05

Edição

Seção

Artigos