A entrada para reserva no serviço militar, a ruptura de um vínculo forte e intenso

Autores

  • Ana Paula Grillo Rodrigues Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas / Universidade do Estado de Santa Catarina (ESAG/UDESC)
  • Rafael Dagostin Viscardi
  • Diego Fernandes Ungari Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas / Universidade do Estado de Santa Catarina (ESAG/UDESC) https://orcid.org/0000-0001-8765-643X

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8077.2020.e63142

Palavras-chave:

reserva, polícia militar, vínculo organizacional, regulação emocional

Resumo

Este artigo busca compreender as mudanças do vínculo e as estratégias de regulação emocional, a partir da percepção do oficial da Policia Militar, no processo para a reserva. A pesquisa tem uma abordagem qualitativa, feitas a partir de entrevista semiestruturada. O método de análise escolhido foi a análise de conteúdo, na qual foi definida uma categorização das narrativas dos oficiais, dividida em dois construtos: O Vínculo Organizacional e a Regulação Emocional. A teoria base vem dos trabalhos de Bastos e James Gross. Foram encontrados todos os padrões de vínculos e as estratégias de regulação emocional apontados pela teoria referenciada. A mudança do vínculo no processo para a reserva é um evento não delimitado no tempo, quanto mais forte o vínculo de comprometimento maior a intensidade da mudança. O pensar a reserva da início ao processo, e a sintonia em que o oficial se encontra com a organização dita sua intensidade.

Biografia do Autor

Ana Paula Grillo Rodrigues, Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas / Universidade do Estado de Santa Catarina (ESAG/UDESC)

Professora Efetiva do Centro de Ciências da Administração e Sócioeconômicas, Universidade do Estado de Santa Catarina – Florianópolis – SC – Brasil.

Rafael Dagostin Viscardi

Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Administração do Centro de Ciências da Administração e Sócioeconômicas, Universidade do Estado de Santa Catarina – Florianópolis – SC

Diego Fernandes Ungari, Centro de Ciências da Administração e Socioeconômicas / Universidade do Estado de Santa Catarina (ESAG/UDESC)

Mestrando pelo Programa de Pós-graduação em Administração do Centro de Ciências da Administração e Sócioeconômicas, Universidade do Estado de Santa Catarina – Florianópolis – SC – Brasil. Bolsista da FAPESC/SC - Brasil.

Referências

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Edições 70. Lisboa, 2009

BASTOS, A. V. B.; SIQUEIRA, M. M. M.; MEDEIROS, C. A. Fr.; MENEZES, I. G. Comprometimento organizacional. In: SIQUEIRA, M. M. M. Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Bookman. Porto Alegre, 2008.

BASTOS, A. V. B. Comprometimento no Trabalho: A estrutura dos vínculos do trabalhador com a organização, a carreira e o sindicato. 1994. 293 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília-UnB. Brasília, 1994.

CABEZA, M. C. Más Allá Deltrabajo: El ócio de los jubilados. Revista Mal-estar e subjetividade, v. 9, p 13-42. Fortaleza, 2009.

GODOI, C. K.; BALSINI, C. P. V. A pesquisa qualitativa nos estudos organizacionais brasileiros: uma análise bibliométrica. In: SILVA, A. B.; GODOI, C. K.; BANDEIRA-DEMELO,R. (orgs). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2. ed. São Paulo, 2010, p. 89-113.

GROSS, J. J. Handbook of emotion regulation. London: The Guilford Press. 2013.

GROSS, J.J. Emotion regulation. Past, present, future. Cognition and Emotion, 13, 551-573. 1999.

GROSS, J.J. The emergent field of emotion regulation: Na integrative review. Review of General Psychology, 2, 271-299. 1998.

KANAN, L. A. Características do processo de vinculação de coordenadores de curso com o trabalho e com a universidade. Tese. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2008. Disponível em: http://bit.ly/2P86Rqd

KEGLER, P.; MACEDO, M. M. K. Trabalho e aposentadoria militar: singularidades de uma travessia psíquica. Psico-USF, Bragança Paulista, v. 20, n. 1, p. 25-38, jan./abr. 2015. Disponível em: http://bit.ly/2G8VrP9

KRAMER, G. G. Vínculos Organizacionais: um estudo de caso em uma organização pública. Dissertação. Curitiba: UFPR, 2003. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/32556

LOPES, M. Aposentadoria: PPA-Programa de Preparação para Aposentadoria cultive esta semente! V Mostra de produções cientificas. Goiânia: Universidade Católica de Goiás, 2010.

MAGALHÃES, M. O.; MACAMBIRA, M. O. Estilos Interpessoais e Vínculos com a Organização: Diferenças de Gênero. Psico, PUCRS, v. 44, n. 1, jan./mar. Porto Alegre: 2013. Disponível em: http://bit.ly/2DaQe8P

MENDES, A. M. Escuta e ressignificação do sofrimento: ouso de entrevista e análise categorial nas pesquisas em clínica do trabalho. In Sociedade Brasileira de Psicologia Organizacional e do Trabalho (Org.), Anais Eletrônicos do II Congresso de Psicologia Organizacional e do Trabalho. Brasília: 2006.

MEYER (Eds.), Commitment in Organizations: Accumulated Wisdom and New Directions. Florence, KY: Routledge/Taylor and Francis Group, 2009.

MEYER, J. P., & ALLEN, N. J.A three-component conceptualization of organizational commitment. Human Resource Management Review, 61-89. 1991.

MUCHIELLI, A. Les Méthodes Qualitatives. Coleção Que sais-je?. Presses Universitaires de France. Paris, França. 1990

PICHON-RIVIÈRE, E. Teoria do vínculo. Martins Fontes. São Paulo: 2000.

RODRIGUES, M.; AYABE, N.H.; LUNARDELLI, M.C.F.; CANÊO, L.C. A preparação para a aposentadoria: o papel do psicólogo frente a essa questão. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 6 (1), p. 53-62,2005. Disponível em: http://bit.ly/2IA3Jm1

RODRIGUES, A.C.A. Do Comprometimento de Continuação ao Entrincheiramento Organizacional: o percurso de construção e avaliação psicométrica da escala. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal da Bahia. Salvador: Instituto de Psicologia, 2009.

RODRIGUES, A. P. G. Os vínculos com a organização e a regulação emocional de servidores públicos. Tese Doutorado - Universidade Federal da Bahia. Salvador: Escola de Administração, 2012. Disponível em: http://www.adm.ufba.br/pt-br/publicacao/os-vinculos-com-organizacao-regulacao-emocional-servidores-publicos

RODRIGUES, A. C. A.; BASTOS, A. V. B. Entrincheiramento organizacional: proposta de um novo vínculo indivíduo-organização. São Paulo: Casa do Psicólogo. 2011.

ROWE, D. E. O.; BASTOS, A. V. B. Comprometimento ou entrincheiramento na carreira? Um estudo entre docentes do ensino superior. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Rio de Janeiro, 2008.

SANTOS, M. de F. Identidade e Aposentadoria. EPU. São Paulo, 1990.

SILVA, G. M. PPA - Preparação Para a Aposentadoria. 2009. Disponível em: http://webartigos.com/artigos/preparacao-para-aposentadoria/20611/

SILVA, E. C. da; BASTOS, A. V. B. A escala de consentimento organizacional: construção e evidência de validade. Revista Psicologia, Organizações e Trabalho, 10(1), 7-22. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rpot/article/view/17273/15835

TSUTSUI, MÁRIO. Qualidade de vida e preparação do Policial Militar para reserva remunerada. Universidade Estadual de Maringá. 2009

ZANELLI, J. C.; SILVA, N. Programa de preparação para aposentadoria. Insular. Florianópolis, 1996.

Downloads

Publicado

2021-04-13