As similaridades estruturais decorrentes dos efeitos do isomorfismo mimético nos programas de Pós-Graduação em Administração

Autores

  • Danieli Artuzi Pes Backes Universidade Federal de Mato Grosso
  • Fernando Antônio Ribeiro Serra UNINOVE
  • Mauricio Andrade de Lima Universidade do Sul de Santa Catarina -UNISUL
  • Isabel Cristina Scafuto UNINOVE

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8077.2020.e65268

Palavras-chave:

Isomorfismo, Teoria Institucional, Isomorfismo Mimético, Pós-Graduação em Administração, Similaridades Estruturais

Resumo

Este estudo teve como objetivo identificar a presença de isomorfismo mimético a partir das semelhanças estruturais dos currículos dos Programas de Pós-Graduação em Administração-PPGA, e se o mimetismo contribui para um desempenho semelhante no ranking da CAPES. Metodologicamente, utilizou-se estatística descritiva e análise de agrupamento com a técnica de Co-plot como procedimento de apresentação e análise de dados. Como resultado, identificamos quatro grupos de PPGAs e a similaridade estrutural entre eles. Percebemos também que a formação de clusters, a identificação de um alto nível de similaridade entre os programas e a aceitação parcial de pertencer a determinado grupo podem se refletir no desempenho do PPGP. Conclui-se que a postura diferenciada de cada grupo observado de cada grupo isomórfico não significa desempenho semelhante a todos os componentes. Portanto, argumentamos que não é evidente obter os mesmos resultados do espelhamento de estruturas e procedimentos das organizações de referência.

Biografia do Autor

Danieli Artuzi Pes Backes, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutora em Administração pela Universidade Nove de Julho. Mestre em Agronegócios e Desenvolvimento Regional pela Faculdade de Economia - Universidade Federal de Mato Grosso (2012). Especialista em Gestão Pública pelo PNAP/UFMT (2013) e Graduada em Administração pela UFMT (2008). Atualmente é professora Adjunto II do curso de graduação em Administração da Universidade Federal de Mato Grosso. Ministra as disciplinas Gestão e Elaboração de Projetos, Teoria Geral da Administração, Comportamento Humano e Administração e Políticas Públicas na graduação em Administração e as disciplinas Elaboração e Gestão de projetos, Relações Internacionais e Gestão da Regulação no curso de graduação em Administração Pública. É orientadora na Pós-graduação em Gestão Pública e participa do grupo de pesquisa TECGESI, nas linhas Gestão de Desenvolvimento Local; Empreendedorismo e Ecoinovação. Já atuou como coordenadora do curso de Administração e coordenadora de tutoria no curso de Administração Pública (EAD), atuou em várias comissões institucionais e colegiados de curso e departamento e congregação das Faculdades de Administração e Ciências Contábeis. Atualmente é membro do colegiado de curso de graduação em Administração/UFMT. Organizou eventos científicos locais e regionais, participa de congressos e seminários regularmente e é avaliadora de periódicos diversos na área da Administração. Possui interesse em assuntos relacionados ao estudo da educação superior, avaliações institucionais, atuação estratégica de instituições de ensino superior, isomorfismo institucional, Resource Based View, Gestão ambiental e sustentabilidade, Gestão de resíduos sólidos, temas relacionados à Gestão pública, em espacial os ligados à educação superior.

Fernando Antônio Ribeiro Serra, UNINOVE

Possui Doutorado em Engenharia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2003). Desenvolveu seu trabalho de pós-doutorado em Declínio Organizacional na FEAUSP. É professor do Programa de Pós-graduação em Administração e do Programa de Pós-graduação em Gestão de Projetos da Universidade Nove de Julho - UNINOVE. É editor da Revista Íbero-Americana de Estratégia RIAE (Qualis B2) e coordenador da linha de pesquisa em Estratégia no PPGA da UNINOVE. Dirigiu a área acadêmica na HSM. Foi professor da Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL, onde dirigiu a Unisul Business School e foi professor do Mestrado em Administração. Sua experiência como docente inclui a coordenação do Mestrado em Administração. É pesquisador do grupo de pesquisa em Planejamento Estratégico e Empreendedorismo da FEA/USP, do Grupo de Pesquisa em Estratégia e Competitividade e Estratégia e Projetos da UNINOVE, e do GlobAdvantage - Centro de Investigação em Estratégia e Negócios Internacionais. É coautor de diversos livros, com destaque para os livros O Tempo na sua Vida (SP: EditoraSaraiva, 2009), Administração Estratégica (São Paulo: Editora Campus/Elsevier, 2014), Gestão Estratégica (Lisboa: Editora Lidel, 2010 e Editora Atlas, 2014) e Ser Empreendedor (Lisboa: Editora Sílabo, 2009; São Paulo: Editora Saraiva, 2010). Participou como palestrante em eventos da HSM e, em trabalhos para MoC (Michael Porter HBS) e Marketing for a better World com Philip Kotler. Em 2012 recebeu o prêmio de Best Professor in Strategy pelo World Congress of Education em Mumbai na Índia. Foi bolsista de de Produtividade em Pesquisa do CNPq Nível 1D no edital PQ2018.

Mauricio Andrade de Lima, Universidade do Sul de Santa Catarina -UNISUL

Graduado em ciências econômicas pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (1992), mestre e doutor em engenharia de produção pela UFSC (1999 e 2003) e especialista em gestão e liderança universitária pela universidade de Sherbrook, Canadá (2004). Desde de 2000 desempenhou as seguintes funções: Assessor Econômico Financeiro (2009 a 2010); Controller (2008 a 2009); Analista Econômico Financeiro do Campus Grande Florianópolis (2004 a 2007); Gerente Adminstrativo da Unidade Norte da Ilha (2003 a 2004) e Técnico da Assessoria de Planejamento (2000 a 2003). Atualmente atua como vice coordenador e docente do Programa de Pós Graduação em Administração (PPGA). Tem interesse nos seguintes temas: gestão universitária, BSC, avaliação e performance organizacional e gestão estratégica.

Isabel Cristina Scafuto, UNINOVE

Doutora em Administração na Universidade Nove de Julho (2017). Mestre em Ciências da Linguagem na Universidade do Sul de Santa Catarina (2011). Especialista em Gestão e Planejamento de Eventos pela Universidade do Vale do Itajaí (2007). Possui Graduação em Turismo - Gestão do Turismo pela Universidade do Sul de Santa Catarina (2005). Atualmente é Professora e Pesquisadora no Mestrado e Doutorado Profissional em Administração - Gestão de Projetos - MPA-GP da Universidade Nove de Julho - UNINOVE. Líder do Grupo de Pesquisa de Estratégia e Projetos do PPGP. Também é Consultora em Ensino e Aprendizagem em Educação Executiva e organiza cursos e palestras na Add Conhecimento. É Co-fundadora da Universo Eco (MarketPlace de Moda e Beleza Sustentáveis). Possui formação em Coaching pela ICI e SBPNL. Foi Coordenadora Acadêmica do MBA em Administração Hospitalar e Gestão em Saúde da Faculdade do Hospital Alemão Oswaldo Cruz - HAOC. Foi também Coordenadora Acadêmica da HSM Educação, responsável pelos cursos de Pós-Graduação (MBA e EDP). Coordenadora do MBA em Projetos; MBA em Gestão Empresarial e MBA em Marketing. Fez parte da equipe responsável pelo setor de eventos do Campus Norte da Universidade do Sul de Santa Catarina. Ministra aulas em Pós-Graduação de Gestão de Pessoas e Administração. Também ministrou aulas para os Cursos de Turismo e Administração e Negócios da UNISUL e UNINOVE. Pesquisa nos seguintes temas: Ensino e Aprendizagem; Educação Executiva; MBA; Aprendizagem Organizacional; Gestão Estratégica; Projetos; Inovação; Hospitalidade.

Referências

ALMEIDA, K. K. N. DE; CALLADO, A. L. C. Indicadores de desempenho ambiental e social de empresas do setor de energia elétrica brasileiro: uma análise realizada a partir da ótica da Teoria Institucional. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, v.7, n. 1, p. 222-239, 2017.

APPOLD, S. Location patterns of US industrial research: Mimetic isomorphism and the emergence of geographic charisma. Regional studies, v. 39, n. 1, p.17-39, 2005.

BACKES, D.; SERRA, F.; ZAROUR NETO, F. Identifying structural similarities between stricto sensu post-graduation programs in management regarding the strategy tripod. REGE Revista de Gestão. v. 25, n. 3 (Oct. 2018), p. 303-320, 2018. DOI:https://doi.org/10.1108/REGE-05-2018-0071.

BENDERS, J.; BATENBURG, R.; VAN DER BLONK, H. Sticking to standards; technical and other isomorphic pressures in deploying ERP-systems. Information & Management, v.43, n. 2, p. 194-203, 2006.

BROUTHERS, L. E.; O'DONNELL, E.; HADJIMARCOU, J. Generic product strategies for emerging market exports into triad nation markets: A mimetic isomorphism approach. Journal of Management Studies, v. 42, n.1, p. 225-245, 2005.

BURNS, L. R.; WHOLEY, D. R. Adoption and abandonment of matrix management programs: Effects of organizational characteristics and interorganizational networks. Academy of management journal, v.36, n.1, p.106-138, 1993.

CAPES. História e missão. 17 Junho 2008. Recuperado em 21 fevereiro, 2018, de http://www.capes.gov.br/historia-e-missao

CAPES. Sobre avaliação de cursos. Recuperado em 09 Julho, 2017, de http://www.capes.gov.br/acessoainformacao/perguntas-frequentes/avaliacao-da-pos-graduacao/7421,-sobre-avaliacao-de-cursos. 2015.

CAPES. Orientações para apcn–2016. Recuperado em 20 Julho, 2017, de https://www.capes.gov.br/images/documentos/Criterios_apcn_2016/Criterios_APCN_Administracao.pdf

CAPES. Portaria Nº 59, de 21 de março de 2017. Regulamento da Avaliação Quadrienal. Recuperado em 19 Junho, 2017, de http://capes.gov.br/images/stories/download/avaliacao/27032017-Portaria-59-21-03-2017-Regulamento-da-Avaliacao-Quadrienal.pdf

CAPES. Coleta Capes – Disciplinas. Recuperado em 19 Fevereiro, 2017a, de https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/disciplina/listaDisciplina.jsf;jsessionid=VyKGEDdY9EGrj5vgsYcydDsS.sucupira-203.

CATTANEO, M.; MEOLI, M.; SIGNORI, A. Performance-based funding and university research productivity: The moderating effect of university legitimacy. The Journal of Technology Transfer, v.41, n. 1, p. 85-104, 2014.

CHANLAT, J. F. L’analyse Sociologique des Organisations: un Regard sur la Production Anglo-saxonne Contemporaine (1970-1988), Sociologie du Travail, v.3, 1989.

CROUCHER, G.; WOELERT, P. Institutional isomorphism and the creation of the unified national system of higher education in Australia: An empirical analysis. Higher Education, v.71, n. 4, p. 439-453, 2016.

CRUBELLATE, J. M.; PASCUCCI, L.; GRAVE, P. S. Visão baseada em recursos legítimos: recursos e padrões institucionais na formulação de estratégias em organizações. 3ES, 2º Encontro de Estudos em Estratégia. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 08 a 10 de junho de 2005.

DACIN, M. Isomorphism in context: the power and prescription of institutional norms. Academy of Management Journal, v. 40, p.1, p. 46-81, 1997.

DALE, R. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma" cultura educacional mundial comum. Educação & sociedade, v. 25, n. 87, p. 2004.

DARUS, F.; HAMZAH, E. A. C. K.; YUSOFF, H. CSR web reporting: The influence of ownership structure and mimetic isomorphism. Procedia Economics and Finance, v. 7, p. 236-242, 2013.

DA SILVA JUNIOR, A.; POLIZEL, C. E. G.; DE SOUZA, S.; DA SILVA, A. R. L.; DA SILVA, P. D. O. M.; SOUZA, S. P. Políticas públicas para a educação superior: a avaliação, a regulação e a supervisão de IES privadas em debate. Revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v.22, n. 82, p. 215-240, 2014.

DEEPHOUSE, D. Does Isomorphism Legitimate? The Academy of Management Journal, v.39, n. 4, p.1024-1039, 1996. Retrieved from http://www.jstor.org/stable/256722

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação da educação superior regulação e emancipação. Avaliação, v.8, n. 2, p.31- 47, 2003.

DIMAGGIO, P.; POWELL, W. The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociologic Review, v. 48, p. 2, p.147-160, 1983.

DOS SANTOS, A. L. F.; DE AZEVEDO, J. M. L. A pós-graduação no Brasil, a pesquisa em educação e os estudos sobre a política educacional: os contornos da constituição de um campo acadêmico. Revista Brasileira de Educação, v.14, n. 42, p. 534-550, 2009.

FIGUEIREDO FILHO, D. B.; JUNIOR, J. A. S. Desvendando os Mistérios do Coeficiente de Correlação de Pearson (r). Revista Política Hoje-ISSN: 0104-7094, v.18, n,1, 2010.

FREITAS, Á.; OLIVEIRA, A. R. D.; CUNHA, N. R. D. S.; EMMENDOERFER, M. L. Mecanismos e obstáculos à institucionalização de políticas de desenvolvimento de pessoas em Instituição Federal de Ensino Superior. 2016.

FRUMKIN, P.; GALASKIEWICZ, J. Institutional isomorphism and public sector organizations. Journal of public administration research and theory, v.14, n. 3, p.283-307, 2004.

GILADI R.; SPECTOR Y.; RAVEH A. Multidimensional scaling: an analysis of 1980–1990 computers. Eur J Op Res, n. 952, p. 439–450, 1996.

GIMENEZ, F. A. P.; JÚNIOR, P. H.; GRAVE, P. S. Isomorfismo mimético em estratégia: uma ferramenta para investigação. Revista de Administração Mackenzie (Mackenzie Management Review), v.8, n. 4, 2008.

HAMMARFELT, B.; FREDRIK, A. The multi-layered and multilevel use of bibliometric measures in Swedish universities: Isomorphism, translation and strategic choice. In The 20th International Conference on Science and Technology Indicators, Lugano, 2-4 September, 2015.

HAN, S. K. Mimetic isomorphism and its effect on the audit services market. Social Forces, v.73, n. 2, p. 637-664, 1994.

HAVEMAN, H. A. Follow the leader: Mimetic isomorphism and entry into new markets. Administrative science quarterly, p. 593-627, 1993.

KNOKE, D. The spread of municipal reform: Temporal, spatial, and social dynamics. American Journal of Sociology, v. 87, n. 6, p. 1314-1339, 1982.

JARVIS, D. S. Policy transfer, neo-liberalism or coercive institutional isomorphism? Explaining the emergence of a regulatory regime for quality assurance in the Hong Kong higher education sector. Policy and Society, v.33, n. 3, p. 237-252, 2014.

LANGRAFE, B.; DA SILVA, S. Grupos Estratégicos: um estudo dos cursos de graduação em Administração na cidade de São Paulo. RIAE. Revista Ibero-Americana de Estratégia. v. 8 n.1, p.78-101, 2009.

MACCARI, E. A.; LIMA, M. C.; RICCIO, E. L. Uso do sistema de avaliação da CAPES por programas de pós-graduação em Administração no Brasil. Revista de Ciências da Administração, v.11, n.25, p.68, 2009

MACCARI, E. A.; DE ALMEIDA, M. I. R.; RICCIO, E. L.; ALEJANDRO, T. B. Proposta de um modelo de gestão de programas de pós-graduação na área de Administração a partir dos sistemas de avaliação do Brasil (CAPES) e dos Estados Unidos (AACSB). Revista de Administração, v.49, n. 2, p. 280-290, 2014.

MARTÍNEZ-FERRERO, J., & GARCÍA-SÁNCHEZ, I. M. Coercive, normative and mimetic isomorphism as determinants of the voluntary assurance of sustainability reports. International Business Review, v. 26, n.1, p. 102-118, 2017.

MEYER, J. W.; ROWAN, B. Institutionalized organizations: Formal structure as myth and ceremony. American Journal of Sociology, v.83, n. 2, p. 340-363, 1977.

MINDALI, O.; RAVEH A.; SALOMON, I. Urban density and energy consumption: a new look at old statistics. Transport. Res. v. 38, p.143–162, 2004.

MOROSINI, M. C. Qualidade da educação universitária: isomorfismo, diversidade e eqüidade. Interface comun. saúde educ, v.5, n.9, p. 89-102, 2001.

MURTEIRA, B. J. F. Estatística descritiva-análise exploratória de dados. 1993.

NASCIMENTO, L. F. Modelo Capes de avaliação: quais as consequências para o triênio 2010-2012? Administração: Ensino e Pesquisa, v. 11, n.4, p. 579-600, 2010.

OLIVER, C. Sustainable competitive advantage: combining institutional and resource‐based views. Strategic management journal, v.18, n.9, p. 697-713, 1997.

PECI, A. A nova teoria institucional em estudos organizacionais: uma abordagem crítica. Cadernos Ebape. br, v.4, n.1, p.1-12, 2006.

PEDERSEN, E. R. G.; NEERGAARD, P.; PEDERSEN, J. T.; GWOZDZ, W. Conformance and deviance: Company responses to institutional pressures for corporate social responsibility reporting. Business Strategy and the Environment, v. 22, n. 6, p. 357-373. 2013.

PESTANA, M. H.; GAGEIRO, J. N. Análise de dados para ciências sociais: a complementaridade do SPSS, 2003.

PRAHALAD, C. K.; HAMEL, G. The core competence of the corporation. Harvard Business Review, mai./jun., p. 79-91. 1990.

QUIVY, R.; VAN CAMPENHOUDT, L. Manual de investigação em ciências sociais. 1998.

RAVEH A. Co-Plot: a graphic display method for geometrical representations of MCDM. Eur. J Opl. Res. v.125, n.3, p. 670–678, 2000.

ROSSETTO, C. R.; ROSSETTO, A. M. Teoria institucional e dependência de recursos na adaptação organizacional: uma visão complementar. RAE-eletrônica, v.4, n.1, p.1-22. 2005.

ROSSONI, E. P.; DE SÃO PEDRO FILHO, F. Riscos do isomorfismo mimético, a consciência crítica e o comprometimento ético de docentes e pesquisadores. InterSciencePlace, v.1, n.18, p. 2015.

SAVITRI, R. A.; FANANI, Z. The Institutionalization of Accrual Accounting: The Perspective of New Institutional Sociology Theory. Jurnal Dinamika Akuntansi, v.9, n. 2, p.100-109, 2017.

SCAFUTO, I. C. O efeito das pressões isomórficas sobre as escolas de negócio no Ranking América Economia. Tese (Doutorado em Administração), Universidade Nove de Julho - UNINOVE, São Paulo, São Paulo, Brasil. 165 f. 2017.

SCAFUTO, I. C.; BACKES, D.; MACCARI, E. Grupos estratégicos isomórficos: um estudo no ranking da América Economia. Revista de Ciências da Administração, v.19, n. 48, p. 136-149, 2017.

SEGEV, E.; RAVEH, A.; FARJOUN, M. Conceptual maps of the leading MBA programs in the United States: core courses, concentration areas, and the ranking of the school. Strategic Management. v. 20, n. 6, p. 549–565, 1999.

SGUISSARDI, V. A avaliação defensiva no “modelo CAPES de avaliação": É possível conciliar avaliação educativa com processos de regulação e controle do Estado? Perspectiva, v.24, n.1, p.49-88, 2006.

SPAGNOLO, F.; CALHAU, M. G. Observadores internacionais avaliam a avaliação da CAPES. Infocapes–Boletim Informativo da CAPES, v.10, n.1, p.7-34, 2002.

TALBY, D.; FEITELSON, G.; RAVEH A. A co-plot analysis of logs and models of parallel workloads. ACM Trans. on Modeling & Comput. Simulation (TOMACS). 2007.

TINGLING, P.; PARENT, M. Mimetic Isomorphism and TechnologyEvaluation: Does Imitation TranscendJudgment?. Journal of the Association for Information Systems, v.3, n. 1, p. 5- 24, 2002.

TOLBERT, P. S.; ZUCKER, L. G. Institutional sources of change in the formal structure of organizations: The diffusion of civil service reform, 1880-1935. Administrative science quarterly, p.22-39, 1983.

YANG, M.; HYLAND, M. Similarity in cross-border mergers and acquisitions: Imitation, uncertainty and experience among Chinese firms, 1985–2006. Journal of International Management, v.18, n. 4, p. 352-365, 2012.

WEBER, Y.; SHENKAR, O.; RAVEH, A. National and corporate cultural fit in mergers/acquisitions: an exploratory study. Mngt Sci, v. 42, n. 8, p.1215–1227, 1996.

VOLPATO, G. L.; FREITAS, E. G. D. Challenge in scientific publication. Pesquisa Odontológica Brasileira, v.17, p. 49-56, 2003.

Downloads

Publicado

2021-04-13