Fenonomia, isonomia, economia social e solidária: convergências no processo de empoderamento feminino?

Autores

  • Vanêssa Pereira Simon Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Sérgio Luís Boeira UFSC

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8077.2020.e67041

Palavras-chave:

Fenonomia, Isonomia, Economia social e solidária, Empoderamento feminino

Resumo

O propósito desse artigo é mostrar, a partir da teoria da delimitação de sistemas sociais (TDSS) e do paradigma paraeconômico, uma articulação entre as noções de isonomia e fenonomia com as possibilidades apresentadas pela economia social e solidária (ESS), ressaltando nessa articulação as possibilidades de empoderamento das mulheres. Sustenta-se a ideia de que mulheres, na construção de sua história de empoderamento, têm uma trajetória fenonômica que se consolida nos espaços isonômicos. A trajetória fenonômica pode ser entendida como emancipação do indivíduo no sentido de romper com a síndrome comportamentalista, num movimento que se aproxima do enclave fenonômico. Além disso, os movimentos sociais, especificamente nesse caso a ESS, podem ser percebidos como espaços que privilegiam o coletivo, sem que se perca a individualidade, ou seja, com características isonômicas em confluência com as trajetórias fenonômicas, espaços que catalisam o processo de empoderamento feminino. 

Referências

ACOSTA, Alberto. O bem viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos. São Paulo: Autonomia Literária, Elefante, 2016. 264 p.

ANDION, Carolina; SERVA, Maurício; LÉVESQUE, Benoît. O debate sobre a economia plural e sua contribuição para o estudo das dinâmicas de desenvolvimento territorial sustentável. Eisforia, Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 199-221, jan./jul. 2003.

ARAÚJO, Geyson E. F. Caracterização da economia solidária à luz do ambiente isonômico de Guerreiro Ramos: um estudo no grupo mulheres decididas a vencer. 2010. Dissertação (Mestrado em Administração) – UFRG, Natal, 2010.

AZEVÊDO, Ariston. A sociologia antropocêntrica de Alberto Guerreiro Ramos. Tese (Doutorado em Sociologia Política). UFSC; Florianópolis, 2006. 311p.

AZEVÊDO, Ariston; ALBERNAZ, Renata O. A Paraeconomia como modelo e paradigma para a análise e a formulação de políticas públicas: o resgate de uma possibilidade. EmTese, Vol. 2, n. 1 (2), p. 20-32, jan./jun., 2004.

BESEN, Fernanda. As fenonomias e a economia plural: o olhar da gestão na dimensão territorial. 2010. Dissertação (Mestrado em Administração) – UFSC, Florianópolis, 2010.

BULGACOV, Yara L. M.; CASTIGLIA, Felipe Z. Dialogando com os princípios de uma abordagem substantiva das organizações. Revista Psicologia, Organizações e Trabalho, v. 3, n. 2, p. 1-34, jul./dez 2003.

CATTANI, Antonio; LAVILLE, Jean-Louis; GAIGER, Luiz; HESPANHA, Pedro (Coord.). Dicionário internacional da outra economia. Almedina; CES; Coimbra; São Paulo, 2009. 344p.

COSTA, Pedro D. A.; CARRION, Rosinha. D. S. M. Situando a Economia Solidária no campo dos estudos organizacionais. Otra Economia, v. III, n. 4, p. 66–81, 2009.

DOWBOR, Ladislau. A era do capital improdutivo: a nova arquitetura do poder, sob dominação financeira, sequestro da democracia e destruição do planeta. Outras Palavras/Autonomia Literária: São Paulo, 2017.

FRANÇA FILHO, Genauto. Esclarecendo terminologias: as noções de terceiro setor, economia social, economia solidária e economia popular em perspectiva. Revista de Desenvolvimento Econômico, ano II, n. 5, p. 52-60, dez. 2001.

FRANÇA FILHO, Genauto. Terceiro Setor, economia social, economia solidária e economia popular. Bahia Análise & Dados, v. 12, n. 1, p. 9-19, jun. 2002.

FRANÇA FILHO, Genauto. A temática da economia solidária e suas implicações originais para o campo dos estudos organizacionais. RAP, Rio de Janeiro, v. 37, n. 1, p. 11-31, jan./fev. 2003.

FRANÇA FILHO, Genauto. Decifrando a noção de paraeconomia em Guerreiro Ramos: a atualidade de sua proposição. O&S, v. 17, n. 52, p. 175–197, jan-mar, 2010.

FRIEDMANN, John. Empowerment: the politics of alternative development. Massachusetts, USA: Blackwell, 1992.

GAIGER, Luiz I. Empreendimentos econômicos solidários. In: CATTANI, Antônio David (Org.). A outra economia. Porto Alegre: Veraz, 2003.

GAIGER, Luiz I. Antecedentes e expressões atuais da economia solidária. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 84, p. 81-99, mar. 2009.

GUERREIRO RAMOS, Alberto. The new science of organizations: a reconceptualization of the wealth of nations. University of Toronto Press: Toronto, Buffalo, London, 1981.

GUERREIRO RAMOS, Alberto. A modernização em nova perspectiva: em busca do modelo de possibilidades. In: HEIDEMANN; F. G.; SALM, J. F. (Orgs.) Políticas públicas e desenvolvimento: bases epistemológicas e modelos de análise. Brasília: Ed. UnB, 2009.

HOROCHOVSKI, Rodrigo R.; MEIRELLES, Gisele. Problematizando o conceito de empoderamento. In: SEMINÁRIO NACIONAL MOVIMENTOS SOCIAIS, PARTICIPAÇÃO E DEMOCRACIA, 2007. Anais..., Florianópolis, 2007. p. 485 - 506.

JACOMETTI, Marcio et al. Fenonomia e isonomia no contexto da modernidade: possibilidades de um novo modelo social para as organizações. Revista Economia & Gestão. v. 13, n. 32, p. 87-106, maio/ago/2013.

LAGARDE, Marcela. Identidad de género y derechos humanos. In: STEIN, G.; PACHECO, L.; PACHECO, S. (Comps.). Estudios básicos de derechos humanos. San José: Instituto Interamericano de Derechos Humanos, 1996

LAVILLE, Jean L.; GAIGER, Luiz I. Economia solidária. In: HESPANHA et al. (Coord.). Dicionário internacional da outra economia. Coimbra: Almedina, 2009.

LEÓN, Magdalena de. Empoderamento: relaciones de las mujeres con el poder. Estudos Feministas, v. 8, n. 2, 2009.

LISBOA, Armando de M. Economia solidária e autogestão: imprecisão e limites, RAE, p. 109-115, jul./set. 2009.

LISBOA, Teresa K. Empoderamento de mulheres e participação na gestão de políticas públicas. In: SEMINÁRIO NACIONAL MOVIMENTOS SOCIAIS, PARTICIPAÇÃO E DEMOCRACIA, 2007. Anais... Florianópolis, 2007. p. 640-652.

LISBOA, Teresa K. Empoderamento como estratégia de inclusão das mulheres nas políticas sociais. In: FAZENDO GÊNERO, 2008, Florianópolis. Anais...., 2008. p. 1 -6.

MATURANA, Humberto; VENDEN-ZOLLER, Gerda. Amar e brincar: fundamentos esquecidos do humano do patriarcado à democracia. São Paulo: Palas Athena, 2004.

MAZZEI, Bianca B.; CRUBELLATE, João Marcelo. Autogestão em empreendimentos econômicos solidários: um estudo comparativo de casos em cooperativas de reciclagem de lixo de Maringá/PR. Revista Inteligência Organizacional, v. 1, n. 1, jul./dez. 2011.

MORIN, Edgar. O método 6. Ética. Porto Alegre: Sulina, 2005.

MORIN, Edgar. A via para o futuro da humanidade. Bertrand Brasil: Rio de Janeiro, 2013.

OLIVEIRA, Adriana. L. de. A trajetória de empoderamento de mulheres na economia solidária. Revista Gênero, v. 05, n. 2, p. 1–14, 2013

PAULA, Ana Paula. P. de. Guerreiro Ramos: resgatando o pensamento de um sociólogo crítico das organizações. O&S, v. 14, n. 40, p. 169-188, jan./mar. 2007.

POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens de nossa época. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

QUIJANO, Aníbal. “Bien vivir”: entre el “desarrollo” y la des/colonialidad del poder. Viento Sur, n. 122, mayo, año XXI, p. 46-56, 2012.

SALGADO, Francisco. Sumaq Kawsay: the birth of a notion? Cadernos EBAPE, v. 8, n. 2, paper 1, jun, p. 199-208, Rio de Janeiro, 2010.

SARDENBERG, Cecília. M. B. Conceituando “empoderamento” na perspectiva feminista. NEIM/UFBA, p. 1–12, 2009

SAUVAGE, Patrice. Synthèse. In: OCDE: réconcilier l’économique et le social – vers une économie plurielle. Paris: OCDE, 1996.

SCOTT, Joan. W. O enigma da igualdade. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 1, n. 13, p. 216, jan./abr. 2005

SEN, Amartya. K. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

TONET, Rogério. S. Fenonomias, economia plural e desenvolvimento local: um estudo na feira de artesanato do Largo da Ordem em Curitiba – PR. 2004. Dissertação (Mestrado em Administração) – UFPR, Curitiba, 2004.

Downloads

Publicado

2021-02-24