Grupo de trabalho Recovery: Um olhar para si

Conteúdo do artigo principal

Nilson Souza do Nascimento
Amauri Nogueira
Rodrigo Fernando Presotto
Carina Robles Angelini
Giselli da Silva Tavares Enes
Eduardo Vicente Bilbao
Leidy Janeth Erazo Chavez
Marina Fernandes dos Santos
Carolina Con Andrades Luz
Daniel Luporini de Faria
Ellen Cristina Ricci
Mariana Pereira Barbosa
Rodrigo Carvalho Filizola
Maria Regina do Nascimento
Gláucia Cristina Martins
Luciano Marques Lira

Resumo

O Grupo de Pesquisa Saúde Coletiva e Saúde Mental: Interfaces, criado em 2004, é um espaço interdisciplinar do Departamento de Saúde Coletiva da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e tem se dedicado a desenvolver estudos avaliativos em saúde mental utilizando métodos participativos.  É constituído por estudantes pesquisadores, profissionais da saúde mental, pessoas com experiências de adoecimento mental e familiares. Desde 2009, com a Aliança de Pesquisa Universidade Comunidade Internacional: Saúde Mental e Cidadania (ARUCI: SMC) e a experiência da Gestão Autônoma da Medicação (GAM), o conceito de recovery emergiu no grupo trazendo estranheza e curiosidade para os participantes. Na medida em que o grupo se aproximava da conceitualização do recovery como um novo paradigma de saúde mental, pessoas com experiência de adoecimento que compartilham o trabalho do grupo começaram a entender o recovery para si e sobre si. Esse processo foi favorecido pela oferta de oficinas de orientação a todo o grupo, realizadas por Richard Weingarten e o Grupo Interfaces. A partir do processo de compreensão do conceito de recovery formamos um grupo de trabalho (GT Recovery) em que foi realizado o processo de tradução e interpretação parcial do instrumento Recovery Self-Assessment (RSA) e posteriormente a síntese do trabalho foi apresentada ao Grupo Interfaces. 

Detalhes do artigo

Como Citar
NASCIMENTO, Nilson Souza do et al. Grupo de trabalho Recovery: Um olhar para si. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 9, n. 21, p. 271–281, 2017. DOI: 10.5007/cbsm.v9i21.69550. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/69550. Acesso em: 22 maio. 2024.
Seção
Artigos originais