Desafios para uma Reforma Psiquiátrica antimanicomial: Revisitando o manifesto de Bauru

Conteúdo do artigo principal

Silier Andrade Cardoso Borges
https://orcid.org/0000-0001-5559-8853
Milena Dórea de Almeida
https://orcid.org/0000-0003-3349-8231

Resumo

Este artigo consiste em um ensaio teórico que objetiva propor reflexões que possam contribuir para o processo de redireção da Reforma Psiquiátrica brasileira e da luta antimanicomial, considerando as discussões ensejadas pelas perspectivas decoloniais. Para tanto, iniciamos acompanhando as trajetórias biográficas de Manuel e Querino, homens negros em situação de rua, junto aos serviços assistenciais, apontando os desafios para a produção de cidadanias. Partindo do manifesto de Bauru, discutimos o entrecruzamento das pautas sociais como horizonte possível e desejável à Reforma Psiquiátrica para sua revitalização em tempos de contrarreforma. Compreendemos o manicômio e as práticas manicomiais como dispositivos de opressão genderizado e racializado que se capilariza no tecido social e que revelam, no campo das epistemes e das práticas, como ainda é desafiador o percurso para superar a matriz colonial moderna. Assim, buscamos evidenciar a inviabilidade do projeto de uma Reforma Psiquiátrica Antimanicomial sem que se assuma abertamente o caráter central da discussão sobre colonialidade e sobre os modos de funcionamento do sistema patriarcal-racista como subsídio teórico, clínico e político das práticas de cuidado em saúde mental junto às populações subalternizadas.

Detalhes do artigo

Como Citar
ANDRADE CARDOSO BORGES, . .; DÓREA DE ALMEIDA, . Desafios para uma Reforma Psiquiátrica antimanicomial: : Revisitando o manifesto de Bauru. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 13, n. 37, p. 23–41, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/80469. Acesso em: 5 dez. 2022.
Seção
Política de Saúde Mental no Brasil e Atenção Psicossocial
Biografia do Autor

Silier Andrade Cardoso Borges, Universidade Federal do Sul da Bahia

Psicólogo, Professor Assistente da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB). Mestre em Saúde Comunitária e doutorando em Saúde Pública pelo Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC/ UFBA).

Milena Dórea de Almeida, Universidade Federal do Sul da Bahia

Psicóloga, Professora Adjunta da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB). Mestre e Doutora em Psicologia Clínica pela Universidade de São Paulo (USP).  

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen, 2019.

ALVERGA, Alex Reinecke de; DIMENSTEIN, Magda. A reforma psiquiátrica e os desafios na desinstitucionalização da loucura. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 10, n. 20, p. 299-316, Dez. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832006000200003&lng=en&nrm=iso

BASAGLIA, Franco. A instituição negada: relato de um hospital psiquiátrico. Trad. Heloisa Jahn. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

BERNADINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón. Introdução. In: BERNADINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

BORGES, Silier Andrade Cardoso; DUARTE, Marco José de Oliveira. Surfando no controle: os lugares que os agentes comunitários ocupam na produção de saúde mental. Saúde debate, Rio de Janeiro, v. 41, n. 114, p. 920-931, set. 2017.

BRASIL. Ministério da Economia. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Atlas da violência 2020. Brasília: IPEA, 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Secretaria de Atenção à Saúde. Legislação em saúde mental: 1990-2004. 5. ed. ampl. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Projeto de Lei n. 3.657, de 1989. Dispõe sobre a extinção progressiva dos manicômios e sua substituição por outros recursos assistenciais e regulamenta a internação psiquiátrica compulsória. Diário do Congresso Nacional: seção 1, Brasília, DF, ano 44, n. 127, p. 10696-10697.

CARBONIERI, Divanize. Pós-colonialidade e decolonialidade: rumos e trânsitos. Revista Labirinto (UNIR), v. 24, n. 1, p. 280-300, 2016. Disponível em: https://www.periodicos.unir.br/index.php/LABIRINTO/article/view/1746

CARNEIRO, Rosamaria. O peso do corpo negro feminino no mercado da saúde: mulheres, profissionais e feministas em suas perspectivas. Mediações, Londrina, v. 21 n. 2, p. 394-424, Jul./Dez. 2017. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/23609

CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre o colonialismo. Lisboa: Editora Sá da Costa, 1978.

DELGADO, Pedro Gabriel. Reforma psiquiátrica: estratégias para resistir ao desmonte. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462019000200200&lng=en&nrm=iso

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Belo Horizonte: Zahar, 2020.

HOOKS, bell. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Rev. Bras. Ciênc. Polít., Brasília, n. 16, p. 193-210, Abr. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-33522015000200193&lng=en&nrm=iso

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Trad. Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LEAL, Fabiola Xavier. A Reforma Psiquiátrica brasileira e a questão étnico-racial. Argumentum, [S. l.], v. 10, n. 3, p. 35–45, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/21837

LIMA, Rossano Cabral. O avanço da contrarreforma psiquiátrica no Brasil. Physis, Rio de Janeiro, v. 29, n. 1, p. 1-5, 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312019000100100&lng=en&nrm=iso

MALDONADO-TORRES, Nelson. Analítica da colonialidade e da decolonialidade: algumas dimensões básicas. In: BERNADINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

NUNES, Mônica de Oliveira et al. Reforma e contrarreforma psiquiátrica: análise de uma crise sociopolítica e sanitária a nível nacional e regional. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 12, p. 4489-4498, Dez. 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232019001204489&lng=en&nrm=iso

OLIVEIRA, Nathália; RIBEIRO, Eduardo. O massacre negro brasileiro na guerra às drogas. Sur, v. 15, n. 28, p. 1-4, 2018. Disponível em: https://sur.conectas.org/wp-content/uploads/2019/05/sur-28-portugues-nathalia-oliveira-e-eduardo-ribeiro.pdf

PASSOS, Rachel Gouveia. Holocausto ou navio negreiro?: inquietações para a reforma psiquiátrica brasileira. Argumentum, [S. l.], v. 10, n. 3, p. 10-23, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/21483.

PITTA, Ana Maria Fernandes. Um balanço da reforma psiquiátrica brasileira: instituições, atores e políticas. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 12, p. 4579-4589, Dez. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011001300002&lng=en&nrm=iso

ROTELLI, Franco; LEONARDIS, Ota de; MAURI, Diana. Desinstitucionalização. 2 ed. São Paulo: Hucitec, 2001.

SAÚDE MENTAL, II Congresso Nacional de Trabalhadores em. Manifesto de Bauru (1987). InSURgência: revista de direitos e movimentos sociais, Brasília, v. 3, n. 2, p. 537–541, 2018. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/insurgencia/article/view/19775.

SILVA, Marcus Vinicius de Oliveira. O movimento da luta antimanicomial e o movimento dos usuários e familiares. In: CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA (Org). Loucura, ética e política: escritos militantes. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003. p. 84-111.

SMOLEN, Jenny Rose; ARAUJO, Edna Maria de. Raça/cor da pele e transtornos mentais no Brasil: uma revisão sistemática. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 12, p. 4021-4030, dez. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232017021204021&lng=pt&nrm=iso

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro: as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.