Desafios para uma Reforma Psiquiátrica antimanicomial:

Revisitando o manifesto de Bauru

Autores

Palavras-chave:

Reforma Psiquiátrica, Luta Antimanicomial, Decolonialidade, Reabilitação psicossocial, Desinstitucionalização

Resumo

Este artigo consiste em um ensaio teórico que objetiva propor reflexões que possam contribuir para o processo de redireção da Reforma Psiquiátrica brasileira e da luta antimanicomial, considerando as discussões ensejadas pelas perspectivas decoloniais. Para tanto, iniciamos acompanhando as trajetórias biográficas de Manuel e Querino, homens negros em situação de rua, junto aos serviços assistenciais, apontando os desafios para a produção de cidadanias. Partindo do manifesto de Bauru, discutimos o entrecruzamento das pautas sociais como horizonte possível e desejável à Reforma Psiquiátrica para sua revitalização em tempos de contrarreforma. Compreendemos o manicômio e as práticas manicomiais como dispositivos de opressão genderizado e racializado que se capilariza no tecido social e que revelam, no campo das epistemes e das práticas, como ainda é desafiador o percurso para superar a matriz colonial moderna. Assim, buscamos evidenciar a inviabilidade do projeto de uma Reforma Psiquiátrica Antimanicomial sem que se assuma abertamente o caráter central da discussão sobre colonialidade e sobre os modos de funcionamento do sistema patriarcal-racista como subsídio teórico, clínico e político das práticas de cuidado em saúde mental junto às populações subalternizadas.

Biografia do Autor

Silier Andrade Cardoso Borges, Universidade Federal do Sul da Bahia

Psicólogo, Professor Assistente da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB). Mestre em Saúde Comunitária e doutorando em Saúde Pública pelo Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (ISC/ UFBA).

Milena Dórea de Almeida, Universidade Federal do Sul da Bahia

Psicóloga, Professora Adjunta da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB). Mestre e Doutora em Psicologia Clínica pela Universidade de São Paulo (USP).

 

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen, 2019.

ALVERGA, Alex Reinecke de; DIMENSTEIN, Magda. A reforma psiquiátrica e os desafios na desinstitucionalização da loucura. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 10, n. 20, p. 299-316, Dez. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832006000200003&lng=en&nrm=iso

BASAGLIA, Franco. A instituição negada: relato de um hospital psiquiátrico. Trad. Heloisa Jahn. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1985.

BERNADINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón. Introdução. In: BERNADINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

BORGES, Silier Andrade Cardoso; DUARTE, Marco José de Oliveira. Surfando no controle: os lugares que os agentes comunitários ocupam na produção de saúde mental. Saúde debate, Rio de Janeiro, v. 41, n. 114, p. 920-931, set. 2017.

BRASIL. Ministério da Economia. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Atlas da violência 2020. Brasília: IPEA, 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Secretaria de Atenção à Saúde. Legislação em saúde mental: 1990-2004. 5. ed. ampl. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL. Projeto de Lei n. 3.657, de 1989. Dispõe sobre a extinção progressiva dos manicômios e sua substituição por outros recursos assistenciais e regulamenta a internação psiquiátrica compulsória. Diário do Congresso Nacional: seção 1, Brasília, DF, ano 44, n. 127, p. 10696-10697.

CARBONIERI, Divanize. Pós-colonialidade e decolonialidade: rumos e trânsitos. Revista Labirinto (UNIR), v. 24, n. 1, p. 280-300, 2016. Disponível em: https://www.periodicos.unir.br/index.php/LABIRINTO/article/view/1746

CARNEIRO, Rosamaria. O peso do corpo negro feminino no mercado da saúde: mulheres, profissionais e feministas em suas perspectivas. Mediações, Londrina, v. 21 n. 2, p. 394-424, Jul./Dez. 2017. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/mediacoes/article/view/23609

CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre o colonialismo. Lisboa: Editora Sá da Costa, 1978.

DELGADO, Pedro Gabriel. Reforma psiquiátrica: estratégias para resistir ao desmonte. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462019000200200&lng=en&nrm=iso

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Belo Horizonte: Zahar, 2020.

HOOKS, bell. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Rev. Bras. Ciênc. Polít., Brasília, n. 16, p. 193-210, Abr. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-33522015000200193&lng=en&nrm=iso

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Trad. Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LEAL, Fabiola Xavier. A Reforma Psiquiátrica brasileira e a questão étnico-racial. Argumentum, [S. l.], v. 10, n. 3, p. 35–45, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/21837

LIMA, Rossano Cabral. O avanço da contrarreforma psiquiátrica no Brasil. Physis, Rio de Janeiro, v. 29, n. 1, p. 1-5, 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312019000100100&lng=en&nrm=iso

MALDONADO-TORRES, Nelson. Analítica da colonialidade e da decolonialidade: algumas dimensões básicas. In: BERNADINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

NUNES, Mônica de Oliveira et al. Reforma e contrarreforma psiquiátrica: análise de uma crise sociopolítica e sanitária a nível nacional e regional. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 12, p. 4489-4498, Dez. 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232019001204489&lng=en&nrm=iso

OLIVEIRA, Nathália; RIBEIRO, Eduardo. O massacre negro brasileiro na guerra às drogas. Sur, v. 15, n. 28, p. 1-4, 2018. Disponível em: https://sur.conectas.org/wp-content/uploads/2019/05/sur-28-portugues-nathalia-oliveira-e-eduardo-ribeiro.pdf

PASSOS, Rachel Gouveia. Holocausto ou navio negreiro?: inquietações para a reforma psiquiátrica brasileira. Argumentum, [S. l.], v. 10, n. 3, p. 10-23, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/argumentum/article/view/21483.

PITTA, Ana Maria Fernandes. Um balanço da reforma psiquiátrica brasileira: instituições, atores e políticas. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 12, p. 4579-4589, Dez. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011001300002&lng=en&nrm=iso

ROTELLI, Franco; LEONARDIS, Ota de; MAURI, Diana. Desinstitucionalização. 2 ed. São Paulo: Hucitec, 2001.

SAÚDE MENTAL, II Congresso Nacional de Trabalhadores em. Manifesto de Bauru (1987). InSURgência: revista de direitos e movimentos sociais, Brasília, v. 3, n. 2, p. 537–541, 2018. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/insurgencia/article/view/19775.

SILVA, Marcus Vinicius de Oliveira. O movimento da luta antimanicomial e o movimento dos usuários e familiares. In: CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA (Org). Loucura, ética e política: escritos militantes. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003. p. 84-111.

SMOLEN, Jenny Rose; ARAUJO, Edna Maria de. Raça/cor da pele e transtornos mentais no Brasil: uma revisão sistemática. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 12, p. 4021-4030, dez. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232017021204021&lng=pt&nrm=iso

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro: as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.

Downloads

Publicado

2021-12-13

Como Citar

ANDRADE CARDOSO BORGES, S. .; DÓREA DE ALMEIDA, M. Desafios para uma Reforma Psiquiátrica antimanicomial: : Revisitando o manifesto de Bauru. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental/Brazilian Journal of Mental Health, [S. l.], v. 13, n. 37, p. 23-41, 2021. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/80469. Acesso em: 27 jan. 2022.