Ser mulher importa? Determinantes, evidências e estimativas da participação feminina no mercado de trabalho brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8085.2020.e71518

Palavras-chave:

Mercado de trabalho, Mulheres, Brasil

Resumo

A participação feminina na oferta de trabalho é mais instável que a masculina. As mulheres são mais afetadas em períodos de crise, pela maternidade, discriminação e têm menores chances de encontrar um emprego no setor formal. No presente trabalho foram utilizados os microdados da PNAD entre 2001 a 2015, em um modelo probit, para verificar como características individuais afetam a inserção no mercado de trabalho e como esses efeitos alteram-se ao longo do período analisado. Os resultados mostram que “ser mulher” reduz significativamente a participação da mulher no mercado de trabalho para todo o período analisado, e que essa redução é ainda maior para mulheres com filhos ou chefes de domicílio.

Biografia do Autor

Ana Carolina Freitas Tedesco, Universidade Federal do Paraná

Aluna no programa de pós-graduação em Desenvolvimento Econômico na Universidade Federal do Paraná (2022).

Kênia Barreiro Souza, UFPR.

Professora do departamento de Economia e Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Econômico.

Referências

ARROW, Kenneth Joseph. The theory of discrimination. In: ASHENFELTER, O. REES, A. (eds.) Discrimination in labor markets. Princeton: Princeton University Press, pp. 3-33, 1973.

AVELINO, Ricardo; MENEZES-FILHO, Naércio. Estimação da oferta de trabalho das mulheres no Brasil. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 33, n. 4, p. 639-664, dez. 2003.

BARBOSA, Ana Luiza Neves de Holanda; COSTA, Joana Simões de Melo. Oferta de creche e participação das mulheres no mercado de trabalho no Brasil. Mercado de trabalho: conjuntura e análise. Nota técnica n. 62. IPEA, 2017.

BECKER, Gary. A theory of the allocation of time. Economic Journal, v. 75, p. 493-508, 1965.

BECKER, Gary. The economics of discrimination. The University of Chicago Press: Londres, 1971.

BERNDT, Ernst Rudolf. The practice of econometrics: classic and contemporary. Addison-Wesley Publishers, 1996.

BORJAS, George. Economia do trabalho. 5ª. ed. Porto Alegre: AMGH, 2009.

BRUSCHINI, Cristina; LOMBARDI, Maria Rosa. A bipolaridade do trabalho feminino no Brasil contemporâneo. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 110, p. 67-104, julho de 2000.

FERNANDÉZ, Brena Paula Magno. Teto de vidro, piso pegajoso e desigualdade de gênero no mercado de trabalho brasileiro à luz da economia feminista: por que as iniquidades persistem? Cadernos de Campo, Unesp, v. 26, p. 79-103, 2019.

FERNANDÉZ, Brena Paula Magno. Economia feminista: metodologias, problemas de pesquisa e propostas teóricas em prol da igualdade de gêneros. Revista de Economia Política, Niterói, v. 38, p.559-583, 2018.

FILHO, Fernando de Holanda Barbosa. A crise econômica de 2014/2017. Estudos Avançados, São Paulo, v. 31, n. 89. 2017.

GUJARATI, Damodar; PORTER, Dawn. Econometria básica. 5ª. ed. São Paulo: McGraw Hill Brasil, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Estatísticas. Social. Trabalho. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Microdados. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/9127-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios.html?=&t=microdados. Acesso em: março de 2019.

MADALOZZO, Regina; MARTINS, Sergio Ricardo; SHIRATORI, Ludmila. Participação no mercado de trabalho e no trabalho doméstico: homens e mulheres têm condições iguais? Estudos Feministas, Florianópolis, v. 18, n. 2, pp. 547-566, ago. 2010.

MANSFIELD, Edwin. Microeconomia: teoria e aplicações. Hardcover, 1979.

NICHOLSON, Walter. Microeconomic theory: basic principles and extensions. 6th ed. Orlando: Harcourt Brace & Company, 1995.

OLIVEIRA, Pedro Rodrigues de; SCORZAFAVE, Luiz Guilherme. Desemprego e inatividade nas metrópoles brasileiras: as diferenças entre homens e mulheres. Nova Economia. Belo Horizonte, v. 19, n. 2, p. 291-234, ago. 2009.

PHELPS, Edmund Strother. The Statistical Theory of Racism and Sexism. The American Economic Review, v. 62, n. 4, pp. 659-661, 1972.

SANFELICE, Viviane. Universal public childcare and labor force participation of mothers in Brazil. 2019. Thesis (Ph.D in Economics) - University of Rochester, New York, 2019.

SCORZAFAVE, Luiz Guilherme.; MENEZES-FILHO, Naércio. Participação feminina no mercado de trabalho brasileiro: evolução e determinantes. Pesquisa e Planejamento Econômico. Rio de Janeiro, v. 31, n. 3, p. 441-478, dez. 2001.

SOUZA, Laetícia Rodrigues de; RIOS-NETO, Eduardo Luiz Gonçalves.; QUEIROZ, Bernardo Lanza. A relação entre a parturição e trabalho feminino no Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População. Rio de Janeiro, v. 28, n. 1, p. 57-79, jun. 2011.

TAVARES, Patrícia. Efeito do Programa Bolsa Família sobre a oferta de trabalho das mães. Economia e Sociedade. Campinas, v. 19, n. 3 (40), p. 613-635, dez. 2010.

Downloads

Publicado

2020-06-30

Edição

Seção

Artigos