Produção de representações e atuação de “porta-vozes” da “cultura popular maranhense” em Museus Ludovicenses

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1806-5023.2020v17n2p207

Palavras-chave:

Elites, Sociologia Política, Ciências Sociais, Sociologia

Resumo

A presente investigação se propõe a examinar um conjunto de fatores que se conjugam na produção de representações sobre a “cultura popular maranhense”. Para tanto, tomamos a atuação de “porta-vozes” inscritos em distintas instâncias de consagração cultural e seus empreendimentos de seleção de símbolos relativos a identidades específicas (como a étnica) e à “identidade regional”. Principalmente, atentamos ao empenho de agentes atuantes em dois museus localizados na cidade de São Luís (Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho e Cafua das Mercês), que disputam o registro, a seleção, a tradução, a definição e a imposição dos sentidos legítimos dos artefatos a serem recuperados e conservados. 


Referências

ABREU, Regina. Museus etnográficos e práticas de colecionismo: antropofagia dos sentidos. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n. 31, 2005.

BARROS, Antônio E. Culturas popular e erudita nas linhas de maranhensidade. Boletim da Comissão Maranhense de Folclore, v. 35, p. 9-12, 2006.

BARROS, Antônio E. Cultura e Identidade no Maranhão Estado-Novista. In: III Jornada Internacional de Políticas Públicas, São Luís, v. 1. p. 1-9, 2007.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas linguísticas: o que falar quer dizer. São Paulo: EDUSP, 1996a.

BOURDIEU, Pierre. “A força da representação”. In: BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas linguísticas: o que falar quer dizer. São Paulo: EDUSP, 1996b.

BOURDIEU, Pierre. “Violência simbólica e lutas políticas”. In: BOURDIEU, Pierre. Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BOURDIEU, Pierre. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2015.

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. Entendendo o folclore e a cultura popular. Rio de Janeiro, 2002.

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro; VILHENA, Luís Rodolfo da Paixão. Traçando fronteiras: Florestan Fernandes e a marginalização do folclore. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 3, n. 5, p. 75-92, 1990.

CHAGAS, Mário. Há uma gota de sangue em cada museu: a ótica museológica de Mário de Andrade. Chapecó: Argos, 2006.

CORADINI, Odaci Luís. As missões da “cultura” e da “política”: confrontos e reconversões de elites culturais e políticas no Rio Grande do Sul (1920-1960). Revista de Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n. 32, p. 125-144, 2003.

DAMATTA, Roberto. Carnavais, Malandros e Heróis: para uma Sociologia do dilema Brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

FERRETTI, Sergio Figueiredo. Negras Memórias. Comunicação apresentada em mesa redonda no aniversário do MHAM, 2007. Disponível em: www.repositorio.ufma.br. Acesso em: 01 set. 2018.

GOMES, Clícia A. A.; FERRETTI, Sergio. A construção do folclore no Maranhão. Numero speciale di Visioni Latino Americane, Gennaio, n. 18, 2018.

GRILL, Igor. G.; REIS, Eliana T. dos. Intérpretes e notáveis da literatura e da cultura popular do Maranhão. Revista Ciências Sociais, Unisinos, v. 53, p. 363-377, 2017.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Editora Vértice, 1990.

HEYMANN, Luciana Quillet. Memórias da Elite: arquivos, instituições e projetos memoriais. Revista Pós Ciências Sociais - REPOCS, São Luís, v. 8, n. 15, p. 77-96, 2011.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Trad. Irene Ferreira, Bernardo Leitão e Suzana Ferreira Borges. Campinas, SP: Editora da Unicamp, p. 207-233, 419-476, 2003.

MACHADO, Andressa C. Mulheres intérpretes do Maranhão: perfis e concepções de cultura. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Maranhão. São Luís, 2018.

MATOS, Elisene C. Intérpretes da “cultura popular” e a produção de memórias no Maranhão. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Maranhão. São Luís, 2019.

MEIRELES, Marinelma C. As conexões do Maranhão com África no tráfico atlântico de escravos na segunda metade do século XVIII. Revista Eletrônica Outros Tempos, v. 6, nº 8, 2009.

NEDEL, Letícia Borges. Um Passado Novo para uma História em Crise: Regionalismo e Folcloristas no Rio Grande do Sul (1948-1965). Tese (Doutorado em História) – Universidade de Brasília. Brasília, 2005.

NEDEL, Letícia Borges. Onde o gigante perdeu as botas: memórias em confronto no interior de um museu histórico. História Oral, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 63-95, 2011.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História. São Paulo, PUC-SP, v. 10, p. 7-28, 1993.

REIS, Eliana Tavares dos. Referencial e Mediação na produção de políticas públicas para a ‘cultura’ no Maranhão. 33.º Encontro Anual da ANPOCS, Caxambu, p. 1-32, 2009.

REIS, Eliana Tavares dos. Em nome da “cultura”: porta-vozes, mediação e referenciais de políticas públicas no Maranhão. Sociedade e Estado, Brasília, v. 25, n.3, p.499-523, 2010.

REIS, Eliana Tavares dos. O trabalho de construção de um “perfil artístico e cultural do Maranhão”. In: REIS; GRILL. Estudos sobre elites políticas e culturais. São Luís: EDUFMA, 2014.

Downloads

Publicado

2020-09-23