A história universal entre a escrita da história e a travessia atlântica: produção e circulação de compêndios escolares franceses e brasileiros (1820-1855)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7976.2019.e60304

Palavras-chave:

História Antiga escolar, História Universal, usos do passado, manual escolar

Resumo

O Précis de l'Histoire Ancienne, de Charles Cayx e Auguste Poirson, juntamente com outros quatro précis, integrava uma inovadora proposta de um curso de História para os collèges royaux franceses. Essa coleção, concluída em 1830, seria adotada pelo governo brasileiro em 1838, na forma de tradução, para o recém-inaugurado Imperial Colégio de Pedro II. O objetivo deste artigo é fazer uma análise que entrecruze, por um lado, a acomodação entre as perspectivas de História Universal de Bossuet e iluminista de Heeren – resultado do exercício de uma escrita da História sob a especificidade tanto do suporte (o précis) quanto do público para qual se destinava – e, por outro, o fato de esta escrita da História integrar projetos de nação e civilização do Império brasileiro ao atravessar o Atlântico. Desta análise se constatam tensões e disputas pela construção de inteligibilidade da história num campo de batalha que não era exclusivo dos historiadores: o compêndio escolar.

Biografia do Autor

Luis Ernesto Barnabé, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Professor Assistente do curso de História - UENP - Campus Jacarezinho/PR

 

http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4776316T6

Referências

ARAUJO, Valdei Lopes de. A experiência do tempo: conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1813-1845). São Paulo: Hucitec, 2008.

ARAUJO, Valdei Lopes de. Sobre a permanência da expressão historia magistra vitae no século XIX brasileiro. In: NICOLAZZI, Fernando; MOLLO, Helena Miranda; ARAUJO, Valdei Lopes de (org.). Aprender com a história? O passado e o futuro de uma questão. Rio de Janeiro: FGV, 2011. p.132-147.

BERNAL, Martin. Atenea negra: las raíces afroasiáticas de la civilización clásica. V. I: La invención de la Antigua Grecia, 1785-1985. Barcelona: Crítica – Grupo Grijalbo-Mondadori, 1993.

BOSSUET, Jacques-Bénigne. Discours sur l’histoire universelle. Paris: Librarie Hachette, 1863.

BRUTER, Annie. Les créations successives de l’enseignement de l’histoire au cours du premier XIX ͤ siècle. In: CASPARD, Pierre;LUC, Jean-Nöel; SAVOIE, Philippe (dir.). Lycées, lycéens, lycéennes, deux siècles d’histoire. Paris: Institut National de Recherche Pedagogique, 2005. p. 177-197. (Bibliothèque de l’Histoire de l’Education, 28). Disponível em: http://www.persee.fr/doc/inrp_0000-0000_2005_

act_28_1_9250. Acesso em: 12 set. 2017.

CAYX, Charles; POIRSON, Auguste.Precis de l’histoire ancienne. 2. ed. Paris: Ed. Louis Colas, 1828.

CAYX, Charles; POIRSON, Auguste.Precis de l’histoire ancienne. 3. ed. Paris: Ed. Louis Colas, 1831.

CAYX, Charles; POIRSON, Auguste. Compendio de Historia Antiga. Rio de Janeiro: Typ. Imp. e Const de J. Vileneuve e Comp., 1840.

CAYX, Charles; POIRSON, Auguste. Précis de l’histoire ancienne. 8. ed. Paris: Ed. Louis Colas, 1843.

CHERVEL, André. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 2, p. 177-229, 1990.

CHOPPIN, Alain. O manual escolar: uma falsa evidência histórica. História da Educação, Pelotas, v. 13, n. 27, p. 9-75, jan./abr. 2009. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/asphe/article/view/29026. Acesso em: 13 dez. 2015.

FILLAFER, Franz Leander. A world connecting? From the unity of History to Global History. History and Theory, Middletown, v. 56, n. 1, p. 3-37, mar. 2017. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/hith.12000. Acesso em 18 mar. 2017.

FREITAS, Itamar. A história universal de José Estácio Correia de Sá e Benevides (1890/1903). In: FREITAS, Itamar. Histórias do ensino de história no Brasil. São Cristóvão: Editora UFS; Aracaju: Fundação Oviêdo Teixeira, 2006. p. 127-182.

GASPARELLO, Arlette Medeiros. A pedagogia da nação nos livros didáticos de história do Brasil do Colégio Pedro II (1838-1920). São Paulo: Iglu Editora, 2004.

HAIDAR, Maria de Lourdes. Mariotto. O ensino secundário no Império brasileiro. São Paulo: Grijalbo, 1972.

HEEREN, Arnold Hermann Ludwig. Manuel de l’histoire ancienne. 2. ed. Paris: Chez Firmin Didot - Pére et Fils, 1827.

KOSELLECK, Reinhart. A configuração do moderno conceito de história. In: KOSELLECK, Reinhart et al. O conceito de história. Belo Horizonte: Autêntica, 2016. p. 119-184.

LE LYCÉE, Journal Général De L’instruction. Examen Critique d’Ouvrages Classiques. Paris: Hachette, 6 vol, 1828-1830, t. VI. Disponível em: http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k9790674c/f88.item.r=cayx. Acesso em: 17 set. 2017.

LYNCH, Christian Edward Cyril. Quando o regresso é progresso: a formação do pensamento conservador saquarema e de seu modelo político (1834-1851). In: BOTELHO, André; FERREIRA, Gabriela Nunes (org.). Revisão do pensamento conservador: ideias e política no Brasil. São Paulo: Hucitec, 2010. p. 25-53.

MARCHAND, Philippe. L’histoire et la géographie dans l’enseignement secondaire. Textes officiels. Tome 1: 1795-1914. Paris: Institut national de recherche pédagogique, 2000. (Bibliothèque de l’Histoire de l’Education, 8). Disponível em: http://www.persee.fr/doc/inrp_0000-0000_2000_ant_8_1_2321. Acesso em: 11 nov. 2017.

MATTOS, Ilmar Rohloff. O Gigante e o espelho. In: GRINBERG, Keila; SALLES, Ricardo. O Brasil Imperial. v. 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

PENNA, Fernando. Sob o nome e a capa do imperador: a criação do Colégio de Pedro Segundo e a construção do seu currículo. 2008. 185 f. Dissertação (Mestrado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

ROCHA, Justiniano José da. Requerimento encaminhado ao Ministério do Império, solicitando providencias no sentido de ser indenizado, pelo trabalho de tradução e dispensa de impressão de livros de história, para o Colégio Pedro II. [S.l.: s.n.], 1838-1841. Série de Manuscritos de Justiniano José da Rocha do Acervo da Biblioteca Nacional. 10 doc., Orig. Localização: Manuscritos - C-0344,002 nº001.

ROCHA, Justiniano José da. Exposição sobre o estado das aulas públicas de instrução secundária, e dos colégios e escolas particulares da Capital do Império, 5 de abril de 1851. (Anexo). In: CARVALHO, José da Costa. (Visconde de Monte Alegre). Relatório apresentado à Assembleia Geral pelo Ministro e Secretário de Estado dos Negócios do Império. Rio de Janeiro: Typographia Nacional, 1851.

TURIN, Rodrigo. A prudência dos antigos: figurações e apropriações da tradição clássica no Brasil oitocentista. O caso do Colégio Imperial Pedro II. Anos 90, Porto Alegre, v. 22, n. 41, p. 299-320, jul. 2015.

VECHIA, Ariclê. Imperial Colégio de Pedro II no século XIX: portal dos estudos históricos franceses no Brasil. In: VECHIA, Ariclê; CAVAZOTTI, Maria Auxiliadora. A escola secundária. São Paulo: Annablume, 2003.

VIDAL-NAQUET, Pierre. Os gregos, os historiadores e a democracia: o grande desvio. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

Downloads

Publicado

2019-10-11

Edição

Seção

Artigo