Recusa desejante: uma interpretação do conceito adorniano de ressentimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1677-2954.2021.e82498

Palavras-chave:

Teoria crítica da sociedade, Ressentimento, Personalidade autoritária, Subjetividade danificada

Resumo

A proposta do presente trabalho é apresentar uma interpretação do conceito de ressentimento na obra de Theodor W. Adorno que resulta de uma pesquisa mais ampla sobre esse mesmo objeto. Considerando que Adorno não define o conceito, mas o pulveriza em sua obra, propõe-se aqui uma constelação conceitual que lance luz sobre a dinâmica do ressentimento. Tal constelação inclui: o preconceito, a personalidade autoritária, o narcisismo ferido e a subjetividade danificada. A partir dessa interpretação, é possível indicar que o conceito de ressentimento, em Adorno, é uma constelação afetiva que tende a emergir não simplesmente no contexto da subjetividade danificada, mas fundamentalmente, quando o sujeito se faz cúmplice do sacrifício dos vestígios de individualidade. Entende-se, assim, que a ambiguidade presente no conceito fornece elementos importantes para a crítica.

Biografia do Autor

Jéssica Raquel Rodeguero Stefanuto, Fundação Educacional de Penápolis - FUNEPE

Psicóloga, técnica em Música, Mestre em Educação Escolar, Doutora em Educação; atualmente é docente no curso de Psicologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Fundação Educacional de Penápolis (FAFIPE/FUNEPE), atuando nas áreas de Psicologia da Educação, Psicologia do Desenvolvimento e afins.

Referências

ADORNO, Theodor Wiesengrund. Studies in Authoritarian Personality. In. ADORNO, Theodor Wiesengrund. Soziologische Schriften II - Gesammelte Schriften, 9 (II). ed. R. Tiedemann, G. Adorno, S. Buck-Mors e K. Schulz. Frankfurt: Suhrkamp Verlag, 1975.

ADORNO, Theodor Wiesengrund. Minima Moralia – Reflexões a partir da vida danificada. Tradução Luiz Eduardo Bicca. Revisão Guido de Almeida. São Paulo: Ática, 1993.

ADORNO, Theodor Wiesengrund. Educação – para quê? In. ADORNO, Theodor Wiesengrund. Educação e emancipação. Tradução Wolfgang Leo Maar. p. 139–154. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995a.

ADORNO, Theodor Wiesengrund. Educação após Auschwitz. In. ADORNO, Theodor Wiesengrund. Educação e emancipação. Tradução Wolfgang Leo Maar. p. 119–138. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995b.

ADORNO, Theodor Wiesengrund. Dialética negativa. Tradução Marco Antonio Casanova; Revisão técnica Eduardo Soares Neves Silva. Rio de Janeiro: Zahar, 2009a

ADORNO, Theodor Wiesengrund. Escritos sobre la personalidad autoritaria. In. ADORNO, T. W.: Escritos Sociológicos II, vol. 1. Obra completa 9/1. Tradução Agustín González Ruiz. Madrid, España: Ediciones Akal, p. 147–527, 2009b.

ADORNO, Theodor Wiesengrund. Teoria da Semiformação. In. PUCCI, Bruno, ZUIN, Antônio A. S., LASTÓRIA, Luis A. C. Nabuco (orgs). Teoria crítica e inconformismo: novas perspectivas de pesquisa. Tradução Newton Ramos-de-Oliveira, Campinas, SP: Autores Associados, p. 7–40, 2010.

ADORNO, Theodor Wiesengrund. Introdução à Sociologia da Música – doze preleções teóricas. Trad. Fernando R. de Moraes Barros. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

ADORNO, Theodor Wiesengrund. A psicanálise revisada. In. ADORNO, Theodor Wiesengrund: Ensaios sobre Psicologia Social e Psicanálise. Tradução Verlaine Freitas. São Paulo: Editora Unesp, p. 43-69, 2015a.

ADORNO, Theodor Wiesengrund. Sobre a relação entre sociologia e psicologia. In. ADORNO, Theodor Wiesengrund: Ensaios sobre Psicologia Social e Psicanálise. Tradução Verlaine Freitas. São Paulo: Editora Unesp, p. 71-135, 2015b.

ADORNO, Theodor Wiesengrund. Teoria freudiana e o padrão da propaganda fascista. In. ADORNO, Theodor Wiesengrund: Ensaios sobre Psicologia Social e Psicanálise. Tradução Verlaine Freitas. São Paulo: Editora Unesp, p. 137-152, 2015c.

ADORNO, Theodor Wiesengrund. Estudos sobre a personalidade autoritária. Tradução Virginia Helena Ferreira da Costa, Francisco López Toledo Correa, Carlos Henrique Pissardo. São Paulo: Editora Unesp, 2019.

ADORNO, Theodor Wiesengrund; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Tradução Guido Antonio de Almeida. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

ADORNO, Theodor Wiesengrund; HORKHEIMER, Max (orgs.). Temas básicos da sociologia. Tradução Álvaro Cabral. São Paulo: Cultrix; Editora da Universidade de São Paulo, 1973.

ANSART, Pierre. História e memória dos ressentimentos. Tradução Jacy Alves de Seixas. In. BRESCIANI, S. e NAXARA, M. (orgs): Memória e (res)sentimento – indagações sobre uma questão sensível. 2ª ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, p. 15-36, 2004.

BAARS, Jan; SCHEEPERS, Peer. Theoretical and methodological foundations of the Authoritarian Personality. Journal of the History of the Behavioral Science. Vol. 29. p. 345- 353, oct. 1993.

CROCHÍK, José Leon. Preconceito, indivíduo e sociedade. Revista Temas em Psicologia, vol. 4, nº 3. Ribeirão Preto. P. 47-70, 1996. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v4n3/v4n3a04.pdf (Acesso em 29 jun. 2021)

FERRO, Marc. O ressentimento na História – Ensaio. Trad. André Telles. Rio de Janeiro: Agir, 2009.

FREUD, Sigmund. Psicologia das massas e análise do eu. In. FREUD, Sigmund. Obras Completas vol. 15 [1920 – 1923]. Tradução Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras. p. 13 – 113, 2011.

FROMM, Erich. O medo à liberdade. Tradução Octavio Alves Velho. 6ª ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1968.

JAY, Martin. A imaginação dialética – História da Escola de Frankfurt e do Instituto de Pesquisas Sociais 1923 – 1950. Trad. Vera Ribeiro. Ver. César Benjamin. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

KEHL, Maria Rita. Ressentimento. Coleção clínica psicanalítica/ dirigida por Flávio Carvalho Ferraz. 2ª reimpressão da 4ª edição de 2011. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2015.

KONSTAN, David. Ressentimento – história de uma emoção. Trad. Carlos Galvão e Cristina Meneguello. In.: BRESCIANI, S. e NAXARA, M. (orgs): Memória e (res)sentimento – indagações sobre uma questão sensível. 2ª ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, p. 59-80, 2004.

MAISO, Jordi. Sobre la actualidad de la Teoría Crítica de Theodor W. Adorno. Seminario Internacional “La actualidad de la Teoría Crítica”, CCHS – CSIC, Madrid/Espanha, 2010. Disponível em http://www.setcrit.net/wp-content/uploads/2012/11/JMaiso-La-actualidad-de-Adorno-Madrid-nov-2010.pdf (Acesso em 29 jun. 2021).

MAISO, Jordi. La subjetividad dañada: Teoría Crítica y psicoanálisis. Constelaciones: Revista de Teoría Crítica. Nº 5. p. 132-150, 2013. Disponível em http://constelaciones-rtc.net/article/view/819 (Acesso em 29 jun. 2021).

ZAMORA, Jose Antonio. Th. W. Adorno y la aniquilación del individuo. Revista Isegoría. Nº 28, p. 231-243, 2001. Disponível em http://isegoria.revistas.csic.es/index.php/isegoria/article/view/515 (Acesso em 29 jun. 2021).

ZAMORA, Jose Antonio. Th. W. Adorno - pensar contra la barbarie. Madrid: Editorial Trotta, 2004.

ZAMORA, Jose Antonio. El enigma de la docilidad – Teoria de la sociedad y psicoanálisis en TH. W. Adorno. In. CABOT, M. (ed.): El pensamiento de Th. Adorno: balance y perspectivas. Palma, Espanha: Universitat de les Illes Balears, p. 27-42, 2007.

ZAMORA, Jose Antonio. Subjetivación del trabajo: dominación capitalista y sufrimiento. Constelaciones: Revista de Teoría Crítica. Nº 5. p. 151-169, 2013. Disponível em http://constelaciones-rtc.net/article/view/820 (Acesso em 29 jun. 2021).

ZAMORA, José Antonio; MAISO, Jordi. Teoría Crítica del antissemitismo. Constelaciones: Revista de Teoría Crítica. Nº 4. p. 133 -177, 2012. Disponível em http://constelaciones-rtc.net/article/view/785 (Acesso em 29 jun. 2021).

Downloads

Publicado

2021-10-29

Edição

Seção

Dossiê A teoria crítica de Theodor W. Adorno