Implicações de um projeto de extensão para professores e crianças da educação infantil

Autores

  • Luciana Toaldo Gentilini Avila Universidade Federal do Rio Grande
  • Charles Costa Bandeira Universidade Federal do Rio Grande
  • Ketlyn de Oliveira Marques Universidade Federal do Rio Grande
  • Leonardo de Souza Rodrigues Universidade Federal do Rio Grande
  • Richard Valle Corrêa Universidade Federal do Rio Grande
  • Viviane Pereira Domingues Universidade Federal do Rio Grande

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2020v17n37p34

Palavras-chave:

Educação Física, Educação Infantil, Projeto de Extensão

Resumo

O objetivo deste trabalho foi analisar as implicações de um projeto de extensão para a formação de professores e no aprendizado e desenvolvimento motor de crianças. Participaram a coordenadora, quatro estudantes de Educação Física, três de Pedagogia, 54 crianças e quatro professoras generalistas. O projeto consistiu numa intervenção pedagógica com os conteúdos da Educação Física para turmas de Educação Infantil. Após dois semestres de atividades, o projeto foi avaliado por três instrumentos: reflexão escrita dos estudantes, entrevista semiestruturada com as professoras e discussões nas rodas de conversa no seminário de encerramento do projeto. Os dados coletados foram analisados por meio da análise de conteúdo, momento em que foram criadas três categorias: dificuldade dos estudantes, aprendizagem dos estudantes e avaliação das professoras. A partir desses resultados, observam-se as implicações das ações de extensão para a formação de professores ao oportunizar a aproximação dos conhecimentos da universidade com os da comunidade.

Biografia do Autor

Luciana Toaldo Gentilini Avila, Universidade Federal do Rio Grande

 

Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Educação pela Universidade Federal de Pelotas (2017).
Professora do curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande.

Charles Costa Bandeira, Universidade Federal do Rio Grande

Licenciado em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande.

Ketlyn de Oliveira Marques, Universidade Federal do Rio Grande

Estudante do curso de Pedagogia da Universidade Federal do Rio Grande.

Leonardo de Souza Rodrigues, Universidade Federal do Rio Grande

Estudante do curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande.

Richard Valle Corrêa, Universidade Federal do Rio Grande

Estudante do curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande.

Viviane Pereira Domingues, Universidade Federal do Rio Grande

Estudante do curso de Pedagogia da Universidade Federal do Rio Grande.

Referências

AYOUB, E. Narrando experiências com a educação física na educação infantil. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Brasília, v. 26, n. 3, p. 143-158, 2005.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. ed. São Paulo: Edições 70, 2011.

BORRE, L. M.; REVERDITO, R. S. Educação física na educação infantil: tempos, espaços e os direitos da criança. Corpoconsciência, Cuiabá, v. 23, n. 2, p. 96-108, 2019.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Ministério da Educação e do Desporto. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil/Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC/SEB, 2010.

BRASIL, Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação. Resolução n° 2 de 1° de julho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para Formação de Professores da Educação Básica. Brasília: MEC, 2015.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2017.

BUSS-SIMÃO, M.; FIAMONCINI, L. Educação física na educação infantil: refletindo sobre a “hora da educação física”. Motrivivência, Florianópolis, v. 17, n. 25, p. 163-172, 2005.

CALDEIRA, A. A formação de professores de Educação Física: quais saberes e quais habilidades? Revista Brasileira de Ciência do Esporte, Campinas, v. 22, n. 3, p. 87-103, 2001.

CAPARROZ, F.; BRACHT, V. O tempo e o lugar de uma didática da educação física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 28, n. 2, p. 21-37, 2007.

DORNELES, C.; NASCIMENTO, J.; SHIGUNOV, V. Relação teoria e prática da Educação Física no ensino fundamental. In. FOLLE, A.; FARIAS, G. Educação Física: prática pedagógica e trabalho docente. Florianópolis: Ed da UDESC, 2012. p. 171-193.

GALLAHUE, D. L.; OZMUN, J. C.; GOODWAY, J. D. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. 7 ed. Porto Alegre: AMGH Editora, 2013.

GUIRRA, F.; PRODÓCIMO, E. Trabalho corporal na Educação Infantil: afinal, quem deve realizá-lo? Motriz, Rio Claro, v. 16, n. 3, p. 708-713, 2010.

IZA, D. F. V. MELLO, M. A. Quietas e caladas: as atividades de movimento com as crianças na Educação Infantil. Educação em revista, Belo Horizonte, v. 25, n. 2, p. 283-302, 2009.

LIMA, R. M.; SEGALA, M.; TREVISAN, C. M. Promoção do desenvolvimento infantil na escola através de atividades motoras recreativas. Extensio: Revista Eletrônica de Extensão, Florianópolis, v. 13, n. 24, p. 105-115, 2016.

OLIVEIRA, A. L.; MOURÃO, L. N.; TERRA, D. V.; MAROUN, K. Professores de educação física e a produção dos saberes: em busca do fio da meada. Pensar a Prática, Goiânia, v. 19, n. 2, p. 361-371, 2016.

POLÍTICA NACIONAL DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Fórum de Pró-Reitores das Instituições Públicas de Educação Superior Brasileiras. Manaus: 2012. Disponível em: http://proex.ufsc.br/files/2016/04/Política-Nacional-de-Extensão-Universitária-e-book.pdf. Acesso em: 15 jan. 2020.

RIBEIRO, Raimunda Maria da Cunha. As bases institucionais da política de extensão universitária: entendendo as propostas de universidades federais nos planos de desenvolvimento institucional. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, v. 5, p. e019021-e019021, 2019.

Downloads

Publicado

2020-12-17