Ações de educação alimentar e nutricional para adolescentes de Realeza-PR: relato de um projeto integrado de ensino de graduação

Autores

  • Camila Elizandra Rossi Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Luana Alberti Noronha Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Pamela Luiza Tonello Universidade Federal da Fronteira Sul

DOI:

https://doi.org/10.5007/1807-0221.2021.e76890

Palavras-chave:

Alimentos Ultraprocessados, Doenças Crônicas Não Transmissíveis, Adolescentes, Educação Alimentar e Nutricional

Resumo

Relato de experiência de um projeto de ensino de graduação, ocorrido em 2018, integrando três componentes curriculares (CCR) de um Curso de Nutrição. Construídos e aplicados questionários de frequência alimentar, hábitos de sono e consumo de água para escolares de 10 a 14 anos, de uma escola estadual de Realeza-PR, no CCR “Epidemiologia Nutricional”. Procedeu-se à análise estatística (CCR “Estatística Básica”), de posse dos indicadores alimentares, planejamento e aplicação de atividades educativas (CCR “Educação em Saúde, Alimentação e Nutrição”). Verificou-se: ingestão de água insuficiente; excesso de consumo de alimentos ultraprocessados e insuficiência dos ricos em fibras e minimamente processados; consumo adequado de ferro, porém, uma turma mostrou baixo consumo deste. As atividades educativas, avaliadas por meio de escalas hedônicas, identificando-se, em maior número, “adorei” e “muito bom”. Verificou-se a importância da transversalidade em conteúdos para potencializar o aprendizado, notando-se que a escola é um local propício para realizar ações integradoras.

Biografia do Autor

Camila Elizandra Rossi, Universidade Federal da Fronteira Sul

Professora do Curso de Nutrição. Doutora em Nutrição. Universidade Federal da Fronteira Sul, campus Realeza- PR.

Luana Alberti Noronha, Universidade Federal da Fronteira Sul

Acadêmica do Curso de Nutrição. Voluntária do projeto de Ensino. Universidade Federal da Fronteira Sul, campus Realeza - PR.

Pamela Luiza Tonello, Universidade Federal da Fronteira Sul

Acadêmica do Curso de Nutrição. Voluntária do projeto de Ensino. Universidade Federal da Fronteira Sul, campus Realeza- PR.

Referências

ALCÂNTARA NETO, Osvaldo Dário de et al. Fatores associados à dislipidemia em crianças e adolescentes de escolas públicas de Salvador, Bahia. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 15, p. 335-345, 2012. Disponível em: https://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2012000200011. Acesso em: 25 de abril de 2019.

BORSOI, Aline Tecchio; TEO, Carla Rosane Paz Arruda; MUSSIO, Bruna Roniza. Educação alimentar e nutricional no ambiente escolar: uma revisão integrativa. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 2016, 11.3: 1441-1460. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/7413/5919. Acesso em: 24 de abril de 2019.

BRASIL. IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares – POF – 2008-2009. In: IBGE, editor. Rio de Janeiro, 2010. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/saude/9050-pesquisa-de-orcamentos-familiares.html?edicao=9058&t=downloads. Acesso [28 de junho de 2021].

BRASIL. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. Marco de referência de educação alimentar e nutricional para as políticas públicas. Brasília, DF: MDS; Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional; 2012. Disponível em: https://www.nestle.com.br/nestlenutrisaude/Conteudo/diretriz/Marco_Referencia_de_Educacao_Nutricional_Alimentar.pdf. Acesso em: 27 de abril de 2019.

CLARO, Rafael Moreira, et al. Consumo de alimentos não saudáveis relacionados a doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 2015, 24: 257-265.

CORRÊA, Rafael da Silveira et al. Padrões alimentares de escolares: existem diferenças entre crianças e adolescentes?. Revista Ciência e Saúde Coletiva. 2017, vol.22, n.2, pp.553-562. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232017000200553&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 27 out. 2018.

COSTA, Caroline dos Santos et al. Comportamento sedentário e consumo de alimentos ultraprocessados entre adolescentes brasileiros: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PENSE[11]), 2015. Cadernos de saúde pública, v. 34, p. e00021017, 2018. Disponível em: https://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2018000305009. Acesso em: 24 de abril de 2019.

DAVIE,S V.F; MOUBARAC, J-C; MEDEIROS, K.J; JAIME, P.C. Applying a food processing-based classification system to a food guide: a qualitative analysis of the Brazilian experience. Public Health Nutrition, 2015: 21(1), 218–229. doi:10.1017/S1368980017001999.

DIEZ-GARCIA, Rosa Wanda. Mudanças Alimentares e a Educação Alimentar e Nutricional. In: DIEZ-GARCIA, Rosa Wanda; CERVATO-MANCUSO, Ana Maria. Mudanças Alimentares e Educação Alimentar e Nutricional. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koongan Ltda, 2017. Cap. 1. p. 3-16.

FISBERG, Regina Mara, et al. Inquéritos alimentares: métodos e bases científicas. In: Inquéritos alimentares: métodos e bases científicas. 2005.

FORTES, L.S. et al. Autoestima, insatisfação corporal e internalização do ideal de magreza influenciam os comportamentos de risco para transtornos alimentares. Rev. Nutr., Campinas, v. 28, n.3, p.253-264, maio/jun., 2015. Disponível em: http://hermes.cpd.ufjf.br:8080/jspui/bitstream/ufjf/7641/1/Autoestima%2c%20insatisfa%C3%A7%C3%A3o%20corporal%20e%20internaliza%C3%A7%C3%A3o%20do%20ideal%20de%20magreza%20.pdf. Acesso em: 26 de abril de 2019.

IOM. 2001. Dietary Reference Intakes for Vitamin A, Vitamin K, Arsenic, Boron, Chromium, Copper, Iodine, Iron, Manganese, Molybdenum, Nickel, Silicon, Vanadium, and Zinc. Washington, DC: National Academy Press.

KUK J. L, ROTONDI M., SUI X., BLAIR S. N., ARDERN C. I. Individuals with obesity but no other metabolic risk factors are not at significantly elevated all-cause mortality risk in men and women. Clinical Obesity 8, 305–312, October 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. A vigilância, o controle e a prevenção das doenças crônicas não transmissíveis: DCNT no contexto do Sistema Único de Saúde brasileiro. Organização Pan-Americana de Saúde. Brasília, 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/DCNT.pdf Acessado em: 25 de abril de 2019.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Ministério da Saúde. Guia Alimentar para a População Brasileira. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. 2. ed. Brasília: MS, 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed.pdf. Acesso em: 24 de abril de 2019.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_acoes_enfrent_dcnt_2011.pdf. Acesso em: 27 de abril de 2019.

PEREIRA, Tamara de Souza; PEREIRA, Rafaela Corrêa; ANGELIS-PEREIRA, Michel Cardoso de. Influência de intervenções educativas no conhecimento sobre alimentação e nutrição de adolescentes de uma escola pública. Ciência & Saúde Coletiva, 2017, 22: 427-435. Disponível em: https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S1413-81232017000200427&script=sci_abstract. Acesso em: 24 de abril de 2019.

PONTES, Tatiana Elias, et al. Orientação nutricional de crianças e adolescentes e os novos padrões de consumo: propagandas, embalagens e rótulos. Revista Paulista de Pediatria, 2009, 27.1: 99-105. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4060/406038928015.pdf. Acesso em: 24 de abril de 2019.

VASCONCELOS, Francisco de Assis Guedes de; FILHO, Malaquias Batista. História do campo da Alimentação e Nutrição em Saúde Coletiva no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, v. 16, p. 81-90, 2010. Disponível em: https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S1413-81232011000100012&script=sci_arttext&tlng=es. Acesso em: 26 de abril de 2019.

Downloads

Publicado

2021-12-16