Ingleses dentro e fora da escola pública: práticas locais em língua adicional

Igor Gadioli

Resumo


Práticas de ensino/aprendizagem de Inglês no Ensino Médio da escola pública são frequentemente orientadas para demandas do vestibular, do mercado de trabalho e dos modelos linguísticos de “falantes nativos”. Tais perspectivas tornam-se meramente utilitárias ao ignorarem necessidades e expectativas locais dos estudantes. Nesse contexto, usos alternativos do idioma dentro e fora da escola, por meio de casas seguras (CANAGARAJAH, 2004), dão vazão a propósitos ideológicos dos alunos. Esses usos produzem variantes linguísticas inovadoras, que no caso do inglês podem ser chamadas de ingleses (MOITA LOPES, 2008). As atuações linguísticas inventivas e as implicações que elas têm para a trajetória social dos usuários sugerem uma reconsideração das diretrizes escolares para o ensino de línguas adicionais.

Palavras-chave


ingleses; escola pública; casas seguras.

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8412.2013v10n4p271

Direitos autorais

Creative Commons License

Esta publicação está regida por uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Fórum Linguístico, ISSNe 1984-8412, Florianópolis (Santa Catarina), Brasil