As políticas linguísticas educacionais e a problemática do paradoxo do acesso às práticas letradas e da inclusão social: Interpretações à luz dos estudos da linguística aplicada

Autores

  • Rosângela Hammes Rodrigues Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2016v13n3p1444

Palavras-chave:

Ensino e aprendizagem das práticas de linguagem, Gêneros do discurso, Letramento, Círculo de Bakhtin, Paulo Freire, Hilary Janks

Resumo

Neste ensaio, discuto a problemática das políticas públicas educacionais de inclusão social e das políticas linguísticas educacionais, bem como a questão do paradoxo da acessibilidade e da inclusão social, porque a acessibilidade e a inclusão por si sós podem não promover a igualdade entre os sujeitos e a diversidade cultural, além de manterem e reproduzirem as relações de dominação já existentes. E isso porque o acesso às interações sociais, mediadas pelos gêneros secundários, letramentos dominantes e variedade linguística de prestígio, é, antes de tudo, o convívio com práticas e discursos da ideologia dominante, podendo representar mais um meio para sua manutenção. A partir dos estudos do Círculo de Bakhtin, de Paulo Freire e de Hilary Janks, discuto como podemos abordar esse paradoxo na escola por meio da plurivalência e da dialética do signo e por meio de uma educação problematizadora e crítica da realidade.

Biografia do Autor

Rosângela Hammes Rodrigues, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Linguística Aplicada pela PUC/SP. Professora da UFSC e pesquisadora do CNPq. 

Downloads

Publicado

2016-10-05

Edição

Seção

Ensaio