Efeitos de sentido em charges: um estudo sobre o politicamente correto

Reinaldo César Zanardi, Rosemeri Passos Baltazar Machado

Resumo


O comportamento politicamente correto surgiu nos Estados Unidos, como fruto do movimento de defesa dos direitos civis, potencializado pelo preconceito racial na sociedade norte-americana. No Brasil, esse comportamento conquistou adeptos, principalmente, a partir dos anos 1990. O movimento chegou à linguagem, propondo a mudança de unidades lexicais, substituindo palavras com carga semântica pejorativa por outras consideradas neutras ou positivas. Neste sentido, o objetivo deste trabalho é discutir o politicamente correto a partir do discurso, tendo como suporte teórico a análise de discurso de origem francesa. O corpus consiste em quatro charges de diferentes artistas. Como resultado, pode-se afirmar que o discurso politicamente correto, seja no comportamento seja na linguagem, está ligado intrinsecamente à formação ideológica, gerando efeitos de sentido diversos. O traço constitutivo predominante no corpus analisado é o político, a partir de uma atitude individual e/ou coletiva, com efeitos de sentidos variados.


Palavras-chave


Linguagem politicamente correta; Análise do discurso; Charge; Ideologia; Efeitos de sentido

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado. Lisboa: Editorial Presença, Martins Fontes, 1980.

AMARILDO. Conceitos e preconceitos. 2013. Disponível em: < https://amarildocharge.wordpress.com/2013/10/23/conceitos-e-preconceitos/>. Acesso em: 25 jan. 2016.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BRITTO, L. P. L. Língua e ideologia: a reprodução do preconceito. In: BAGNO, Marcos (Org.). Lingüística da norma. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2004. p. 135-154.

CARRANZA. O natal politicamente correto. 2012. Disponível em: < https://abobrinhaecia.wordpress.com/2012/12/26/o-natal-politicamente-correto/>. Acesso em 25 jan. 2016.

CIPRIANO, P. Politicamente correto & direitos humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2004. Disponível em: . Acesso em 15 fev. 2016.

FERREIRA, A. B. de H. Novo Dicionário Aurélio. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1975.

FIORIN, J. A linguagem politicamente correta. Linguasagem, São Paulo, v. 1, p. 1-4, 2008. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2016.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 3.ed. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

______. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

MACHADO, I. L. A ironia como estratégica comunicativa e argumentativa. Bakhtiniana, São Paulo, n. 9, p. 10-128, jan./jul. 2014. Disponível em: . Acesso em: 25 nov. 2016.

MAINGUENEAU, D. Gênese dos discursos. Tradução de Sírio Possenti. Curitiba/PR: Criar Edições, 2005.

ORLANDI, E. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 12. ed. Campinas/SP: Pontes Editores, 2015.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni Orlandi et al. 5. ed. Campinas (SP): Editora da Unicamp, 2014.

POSSENTI, S. Os limites do discurso: ensaios sobre discurso e sujeito. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

______; BARONAS, R. L. A linguagem politicamente correta no Brasil: uma língua de madeira? Polifonias, Cuiabá, v. 12, n. 2, p. 47-72, 2006. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2016.

QUINHO. Monteiro Lobato politicamente correto. 2011. Disponível em: . Acesso em 25 jan. 2016.

RIBEIRO, M. Anotação sobre a defesa do politicamente correto. Milton Ribeiro [blog]. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2016.

RICO. Politicamente correto. 2014. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2016.

VALENTE, A. Texto pra que te quero. In: BASTOS, Neusa Barbosa (Org.). Língua portuguesa: uma visão em mosaico. São Paulo: EDUC, 2002. p. 327-336.

ZANARDI, R. C. A palavra na produção de sentidos: uma reflexão discursiva sobre a linguagem politicamente correta. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL SOBRE ANÁLISE DE DISCURSO, 4., 2016, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: NAD/FALE/UFMG, 2016. p.1-16. Disponível em: . Acesso em 10 dez. 2016.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8412.2018v15n3p3180

Direitos autorais 2018 Fórum Linguístico

Creative Commons License

Esta publicação está regida por uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Fórum Linguístico, ISSNe 1984-8412, Florianópolis (Santa Catarina), Brasil