O ensino de língua italiana nas escolas públicas de Santa Catarina: reflexões a partir das demandas da pós-modernidade

Autores

  • Carla Regina Martins Valle Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2018v15n4p3395

Palavras-chave:

Ensino de língua italiana, Políticas linguísticas críticas, Sociolinguística

Resumo

O objetivo do presente artigo é oferecer um breve panorama atualizado sobre o ensino da língua italiana nas escolas públicas de Santa Catarina/Brasil e refletir sobre as contribuições das perspectivas linguísticas conectadas com demandas contemporâneas (teorias pós-modernas críticas, pós-coloniais, sociolinguística de terceira onda e linguística aplicada) para o ensino de línguas em contextos de imigração. Conclui-se que a oferta da língua italiana nas escolas públicas de Santa Catarina sofreu brusca redução e aponta-se a necessidade de entender os processos de identificação dos sujeitos com suas línguas de herança como ponto de partida para o planejamento de políticas para o ensino da língua.

Biografia do Autor

Carla Regina Martins Valle, Universidade Federal de Santa Catarina

Pesquisadora pós-doc PNPD/CAPES junto ao Programa de Pós-graduação em Linguística da Universidade Federal de Santa Catarina e professora substituta da Universidade do Estado de Santa Catarina.

Referências

AZEVEDO, L. K. A. de. Entre Babel e Babilônia: formas de discursivização e políticas linguísticas. Revista Working Papers em Linguística, Florianópolis, v. 16, n. 2, 2015, p. 162-184, 2015.

BARALDI, L. D.; HASS, J.; ORTALE, F. Do projeto “Italianando a San Paolo” ao mapeamento do Curso de Italiano nos Centros de Estudos de Línguas (CEL) do Estado de São Paulo: problemas, desdobramentos e propostas de ação. Revista de Italianística XXXII, São Paulo, p. 17-36, 2016.

BAUMAN, Z. Intimations of postmodernity. Londres: Routledge, 2003.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 14 nov. 2017.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental. Secretaria de Educação Fundamental: língua estrangeira. Brasília: MEC /SEF, 1998.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/ Lei/L13415.htm . Acesso em: 14 nov. 2017.

COUPLAND, N. Style: language variation an identity. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

DIAS, A. M. I. Discutindo caminhos para a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. Revista Brasileira de Docência, Ensino e Pesquisa em Educação Física, Cristalina, v. 1, n. 1, p. 37-52, ago. 2009.

ECKERT, P. Jocks and burnouts: social categories and identity in the high school. New York: Teachers College Press, 1989.

ECKERT, P. Three waves of variation study: The emergence of meaning in the study of variation. Annual Review of Anthropology, n. 41, p. 87-100, jun.2012.

ECKERT, P. The meaning of style. In: CHIANG, W. F.; CHUN, E.; MAHALINGAPPA, L. & MEHUS, S. (Ed.). Proceedings of the Eleventh Annual Symposium about Language and Society - Texas Linguistic Forum, v. 47, p. 41-53, 2004. Disponível em: http://salsa.ling.utexas.edu/proceedings/2003/eckert.pdf. Acesso em: 14 nov. 2017.

FABRO, M. F. Trajetórias de uma língua (mal) dita: supressão, legalidade e emergência do ensino da língua italiana nas escolas públicas de Santa Catarina. 2015. 532 f. Tese (Doutorado em Sociologia Política), Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

FREITAS, P. G. de; BALTHAZAR, L. L.; LUNATI, M. Dialetos e língua padrão: a educação linguística dos italianos em pátria e em contextos de imigração (1861-2015). Fórum Linguístico, Florianópolis, v. 12, n. 3, p. 755-770, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/forum/article/view/1984-8412.2015v12n3p755/30158. Acesso em: 18 out. 2016.

GAIO, M. L. M. Manutenção e perda das línguas e culturas italianas de Imigração no eixo Rio de Janeiro- Juiz de Fora . De volta ao futuro da língua portuguesa. In: SIMPÓSIO MUNDIAL DE ESTUDOS DE LÍNGUA PORTUGUESA , 5., 2017, Santarém. Atas...Simpósio 47 - Português do Brasil: História, contatos e variedades. Santarém, 2017, p. 1027-1040.

GUMPERZ, J. J.; COOK-GUMPERZ, J. Studying language, culture, and society: Sociolinguistics or linguistic anthropology? Journal of Sociolinguistics. v. 12, n. 4, p. 532-545, 2008.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

IRVINE, J. Style as distinctiveness: the culture and ideology of linguistic differentiation. In: ECKERT, P. ; RICKFORD, J. (Ed.). Style and sociolinguistic variation. Cambridge: Cambridge Press, 2001. p. 21-43.

KUMARAVADIVELU, B. Beyond methods: macrostrategies for language teaching. New Haven: Yale University Press, 2003.

KUMARAVADIVELU, B. Cultural pluralismo and its deceptions. Cultural globalization and language education. New Haven: Yale University, p. 95-116, 2008.

LANDULFO, C. Língua, material didático e formação de professores: questões refletidas para um ensino e aprendizagem de línguas mais consciente. In: MACHADO FILHO, A. V. L. (Org.). Língua, cultura e ensino: diálogos interdisciplinares. Salvador: EDUFBA, 2016. p. 63-78.

LEAL, J. Cultura e identidade açoriana: o movimento açorianista em Santa Catarina. Florianópolis: Insular, 2007.

LEFFA, V. J. O ensino de línguas estrangeiras no contexto nacional. Contexturas, APLIESP, n. 4, p. 13-24, 1999.

MAKONI, S. B. Sociolinguistics, colonial and postcolonial: an integrationist perspective. Language Sciences, v. 33, n. 4, p. 680-688, 2011.

MAKONI, S.; MEINHOF, U. Linguística aplicada na África: desconstruindo a noção de língua. In: MOITA LOPES, L. P. da Paulo da (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. p. 191-213.

MENDES, E. Língua, cultura e formação de professores: por uma abordagem de ensino intercultural. In: MENDES, E.; CASTRO, M. L. S. (Org.). Saberes em português: ensino e formação docente. Campinas: Pontes, 2008. p. 55-77.

MORELLO, R. Talian: protagonismo na luta pelo reconhecimento cultural e fortalecimento pela lei de cooficialização. Instituto de Investigação e Desenvolvimento em Política Linguística, 2015. Disponível em: http://e-ipol.org/talian-protagonismo-na-luta-pelo-reconhecimento-cultural-e-fortalecimento- pela-lei-de-cooficializacao/. Acesso em: 07 dez. 2017.

NOVA TRENTO. Histórico. Disponível em: https://www.novatrento.sc.gov.br/cms/pagina/ver/codMapaItem/37323. Acesso em: 23 nov. 2014.

ORTALE, F.; ZORZAN, F. J. de A. Mapeamento dos municípios com ensino de italiano em escolas públicas. Revista de Italianística XXVI, São Paulo, p. 121-144, 2013.

PAYER, M. A interdição da língua dos imigrantes (italianos) no Brasil: condições, modos, consequências. In: ORLANDI, Eni (Org.). História das idéias lingüísticas: construção do saber metalingüístico e constituição da língua nacional. Campinas, SP: Pontes/Unemat, 2001. p. 235-255.

PENNYCOOK, A. D. Uma Linguística Aplicada Transgressiva. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. p. 67-84.

RAJAGOPALAN, K. Política linguística: do que é que se trata, afinal. In: NICOLAIDES, C. et al. (Org.) Política e políticas linguísticas. Campinas: Pontes, 2013. p. 19-42.

RAMPTON, B. Continuidade e mudança nas visões de sociedade em linguística aplicada. In: MOITA LOPES, L. P. da (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. p. 110-128.

RICKFORD, J. Concord and contrast in the characterization of the speech community. Sheffield Working Papers in Language and Linguistics. n. 3, 87–119, 1986.

SANTA CATARINA. Proposta Curricular de Santa Catarina: Formação Integral na Educação Básica. Florianópolis: SED, 2014.

SCHNEIDER, R. P. A instrução pública no Rio Grande do Sul (1770 - 1889). Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS/EST edições, 1993.

SEVERO, C. G. A questão da identidade e o lócus da variação/mudança em diferentes abordagens sociolinguísticas. Revista Letra Magna, ano 4, n. 7, p. 1-15 2007.

SEVERO, C. G; MAKONI, S. B. Políticas linguísticas Brasil-África: por uma perspectiva crítica. Florianópolis: Insular, 2015.

SILVA, G. F. S. da. Disponibilização de material teórico e didático para professores de língua estrangeira da rede pública de ensino de Santa Catarina: proposta de um espaço virtual na internet. 2003. 123 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

SOUKUP, B. Speaker design in the context of southern american english: process models and empirical evidence. Brno Studeies in English, v. 37, n. 1, p. 125-138, 2011.

TRENTO, A. Do outro lado do Atlântico: um século de imigração italiana no Brasil. São Paulo: Nobel, 1989.

VALLE, C. R. M. Multifuncionalidade, mudança e variação de marcadores discursivos derivados de verbos cognitivos: forças semântico-pragmáticas, estilísticas e identitárias em competição. 2014. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

ZANINI, M. C. C. Italianidade no Brasil meridional: a construção da identidade étnica na região de Santa Maria–RS. Santa Maria, RS: Editora da UFSM, 2006.

Downloads

Publicado

2018-12-28

Edição

Seção

Artigo