Endividado, devo: Governo da vida pelas finanças

Inês Hennigen

Resumo


Neste artigo, problematizo a financeirização da vida, compreendendo que a política da dívida é uma forma da biopolítica no seio do capitalismo neoliberal. Inicialmente, discuto conceitos foucaultianos para, junto com pensadores como Deleuze, Lazzarato, Fontenelle, Hardt e Negri, abordar a constituição da cultura do consumo e do capitalismo financeiro, configuração sócio-política-econômica na qual advém a figura subjetiva do homem endividado em face da centralidade da relação credor-devedor. Análises acerca da crise de 2008, materiais de pesquisas que realizei, e matérias sobre dívida pública e reformas ditas imprescindíveis são alguns subsídios utilizados para tecer discussões que apontam para uma torção no princípio biopolítico na sociedade da dívida: se você puder pagar, você vive; se não, pode morrer. Buscando compor uma recusa às atuais formas de governo e abrir espaço para experiências outras, traço linhas para o desenvolvimento do que nomeio aqui uma educação quanto ao consumo e crédito-dívida.


Palavras-chave


Dívida; Capitalismo neoliberal; Governo biopolítico; Processos de subjetivação; Educação

Texto completo:

PDF/A

Referências


BANCO CENTRAL DO BRASIL. Taxas de juros - Pessoa Física - Cartão de crédito rotativo regular. Disponível em: https://www.bcb.gov.br/estatisticas/reporttxjuros/?path=conteudo%2Ftxcred%2FReports%2FTaxasCredito-Consolidadas-porTaxasAnuais.rdl&nome=Pessoa%20F%C3%ADsica%20-%20Cart%C3%A3o%20de%20cr%C3%A9dito%20rotativo%20regular&parametros=tipopessoa:1;modalidade:202;encargo:101&exibeparametros=false&exibe_paginacao=false. Acesso em: 19 dez. 2018.

BAUDRILLARD, Jean. O sistema dos objetos. São Paulo: Perspectiva, 2006.

BAUMAN, Zygmunt. Vida a crédito. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010.

BORGES, Ângela; CUNHA, Joacir. Entrevista com Maria Lucia Fattorelli. Cadernos do CEAS: Revista crítica de humanidades, Salvador/Recife, n. 242, 769-777, 2017.

BRASIL. Decreto nº 7.397, de 22 de dezembro de 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7397.htm. Acessado em: 21 nov 2018.

BRASIL. ENEF. Disponível em: http://www.vidaedinheiro.gov.br/.Acessado em: 21 nov. 2018.

CARDOSO, Letycia. Brasil tem taxa de juros do cartão de crédito mais alta do mundo. Disponível em: https://extra.globo.com/noticias/economia/brasil-tem-taxa-de-juros-do-cartao-de-credito-mais-alta-do-mundo-23005528.html. Acesso em: 19 dez. 2018.

CHESNAIS, François. Mundialização: o capital financeiro no comando. Revista Outubro, v. 5, 7-28, 2001.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO. Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor - novembro 2018. Disponível em: http://cnc.org.br/central-do-conhecimento/pesquisas/economia/pesquisa-de-endividamento-e-inadimplencia-do-consumido-10. Acesso em: 19 dez. 2018.

DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo: Ed. 34, 2008.

DOWBOR, Ladislau. A crise financeira sem mistérios. Carta Maior, 11 fev. 2009. Disponível em: https://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Economia-Politica/A-crise-financeira-sem-misterios-convergencia-dos-dramas-economicos-sociais-e-ambientais/7/14690. Acesso em: 13 dez. 2018.

FONTENELLE, Isleide Arruda. Cultura do consumo: fundamentos e formas contemporâneas. São Paulo: FGV Editora, 2017.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 1 – a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1999.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. A ética do cuidado de si como prática de liberdade. In: MOTTA, Manoel Barros da (Org.). Ditos e escritos V: Ética, Sexualidade, Política. Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária, 2010a, 264-287.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. Martins Fontes, 2010b.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010c.

FRAGA, Armínio; TAFNER, Paulo. Previdência: Por que reformar? Por que agora? Folha de São Paulo, 11 nov. 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/11/previdencia-por-que-reformar-por-que-agora.shtml. Acesso em: 19 dez. 2018.

GUTTMANN, Robert; PLIHON, Dominque. O endividamento do consumidor no cerne do capitalismo conduzido pelas finanças. Economia e Sociedade, Campinas, vol. 17, n. especial, 575-610, dez. 2008.

HARDT, Michel; NEGRI, Antonio. Declaração – Isto não é um manifesto. São Paulo: n-1 Edições, 2014.

JUNGES, Márcia; CHAVES, Leslie. O “homem endividado” e o “deus” capital: uma dependência do nascimento à morte. Entrevista especial com Maurizio Lazzarato. Revista IHU-On-line, 28 jun. 2015. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/543983-o-homem-endividado-e-o-deus-capital-uma-dependencia-do-nascimento-a-morte-entrevista-especial-com-maurizio-lazzarato. Acesso em: 07 mar. 2018.

LARROSA BONDÍA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, n. 19, 20-28, 2002.

LARROSA BONDÍA, Jorge. Elogio da escola. Belo Horizonte: Autêntica.

LAZZARATO, Maurizio. Sobre a crise: finanças e direitos sociais (ou de propriedade). Lugar Comum, 27, 83-90, 2009.

LAZZARATO, Maurizio. O governo do homem endividado. São Paulo: n-1 Edições, 2017.

MACHADO, Dyonelio. Os ratos. São Paulo: Editora Planeta, 2004.

MACHADO, Ricardo. Brasileiro já nasce devendo em torno de R$ 27 mil da dívida pública. IHU On­Line, 14 out. 2016. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/159-noticias/entrevistas/559924-brasileiro-ja-nasce-devendo-em-torno-de-r-27-mil-da-divida-publica-entrevista-especial-com-carmen-cecilia-bressane#. Acesso em: 19 dez. 2018.

MACHADO, Ricardo. A política da dívida é a “verdadeira” biopolítica. Entrevista especial com Maurizio Lazzarato. Revista IHU-On-line, 12 out. 2017. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/159-noticias/entrevistas/572574-a-politica-de-guerra-da-divida-entrevista-especial-com-maurizio-lazzarato. Acesso em: 07 mar. 2018.

MARQUES, Cláudia Lima. Sugestões para uma lei sobre o tratamento do superendividamento de pessoas físicas em contratos de crédito ao consumo. In: MARQUES, Cláudia Lima; CAVALLAZZI, Rosângela. (Org.). Direitos do consumidor endividado. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006, p. 255-309.

MOREIRA, Filipa Ramos. O consumo e o crédito na sociedade contemporânea. Gestão e Desenvolvimento, Viseu, Portugal, v. 19, 91-114, 2011.

MUTZ, Andresa Silva da Costa. A constituição do sujeito contemporâneo do consumo: aprender a comprar bem, para comprar sempre. Tese (Doutorado). Faculdade de Educação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2013.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da moral: uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

PROCON PORTO ALEGRE. Manual do consumidor consciente. Porto Alegre: Prefeitura de Porto Alegre.

RESENDE, Thiago; FERNANDES, Talita. Capitalização da Previdência pode ter gestão como a do Tesouro Direto. Folha de São Paulo, 11 jan. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2019/01/capitalizacao-da-previdencia-pode-ter-gestao-como-a-do-tesouro-direto.shtml. Acesso em: 11 jan. 2019.

SRNICEK, Nick. Platform capitalism. Cambridge: John Wiley & Sons, 2017.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8412.2019v16n3p3953

Direitos autorais 2019 Fórum Linguístico

Creative Commons License

Esta publicação está regida por uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Fórum Linguístico, ISSNe 1984-8412, Florianópolis (Santa Catarina), Brasil