Pela complementaridade de abordagens linguístico-enunciativas, referenciais e polifônicas para o estudo de textos narrativos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2020v17n2p4787

Palavras-chave:

Análise textual, Narrativa, Abordagens linguístico-enunciativas, referenciais e polifônicas

Resumo

Neste artigo, evidenciamos que as abordagens linguístico-enunciativas, referenciais e polifônicas propostas no interior dos Estudos da Linguagem para a compreensão da narrativa devem ser entendidas como complementares e igualmente necessárias à formação do professor de línguas e do linguista do texto e do discurso. Afinal, a complexidade de um texto narrativo apenas se deixa apreender mediante a consideração conjunta dos aspectos linguístico-enunciativos, referenciais e polifônicos que entram em sua composição. Para revelarmos a pertinência dessa articulação de abordagens, partimos de uma breve apresentação de algumas abordagens linguístico-enunciativas, referenciais e polifônicas propostas para a compreensão da narrativa. Em seguida, à luz dos conceitos propostos nessas abordagens, defenderemos o interesse dessa articulação por meio da análise do capítulo de abertura do romance “Dom Casmurro”, de Machado de Assis.

Análise textual; Narrativa; Abordagens linguístico-enunciativas, referenciais e polifônicas

Biografia do Autor

Gustavo Ximenes Cunha, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor em Linguística pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e professor da Faculdade de Letras da UFMG e do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da UFMG.

Referências

ADAM, J. M. Les textes: types et prototypes. Paris: Nathan, 1992.

ADAM, J. M. Le texte narratif. Paris : Nathan, 1994.

ADAM, J. M. A lingüística textual: introdução à análise textual dos discursos. São Paulo: Cortez, 2008.

ADAM, J. M. Genres de récits: narrativité et généricité des textes. Louvain-la-Neuve: L’Harmattan, 2011.

ADAM, J. M. Les textes: types et prototypes. 4. ed. Paris: Armand Colin, 2017.

ARISTÓTELES. Poética. In: ARISTÓTELES, HORÁCIO, LONGINO. A poética clássica. São Paulo: Cultrix, 1981, p. 17-52.

BARTHES, R. L’aventure sémiologique. Paris: Seuil, 1985[1966].

BENVENISTE, E. As relações de tempo no verbo francês. In: BENVENISTE, E. Problemas de linguística geral. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1976, p. 260-276.

BONINI, A. A noção de sequência textual na análise pragmático-textual de Jean-Michel Adam. In: MEURER, J. L.; BONINI, A.; MOTTA-ROTH, D. (orgs.) Gêneros: teorias, métodos, debates. São Paulo: Parábola Editorial, 2005, p. 208-236.

BOSI, A. Machado de Assis: o enigma do olhar. São Paulo: Ática, 1999.

BREMOND, C. A lógica dos possíveis narrativos. In: BARTHES, R. et al. Análise estrutural da narrativa. Petrópolis: Vozes, 2008[1981], p. 114-141.

BRES, J. Approches de l’oral. Université Paul-Valéry - Montpellier 3, 2009.

BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. São Paulo: EDUC, 2007.

CALDWELL, H. O Otelo brasileiro de Machado de Assis. Cotia: Ateliê, 2002.

CHAFE, W. L. Some things that narratives tell us about the mind. In: BRINTTON, B. K.; PELLEGRINI, A. D. (ed.). Narrative thought and narrative language. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 1990. p. 79-98.

CUNHA, G. X. A construção da dinâmica temporal no jornalismo: análise do emprego das formas verbais em sequências narrativas de reportagens. Linguagem em (Dis)curso, v. 14, 2014, p. 139-158.

CUNHA, G. X. Um panorama de abordagens da narrativa nos estudos da linguagem. Guavira Letras, v. 21, 2015, p. 36-51.

CUNHA, G. X.; T. E. CORRÊA, T. E. A construção de imagens de si como um fenômeno enunciativo. Linha D’Água, n. 31, 3, 2018, p. 142-165.

DUCROT, O. O dizer e o dito. Campinas: Pontes, 1987.

FILLIETTAZ, L. Formes narratives et enjeux praxéologiques. Quelques remarques sur les fonctions du raconter em contexte transactionnal. In: VINCENT, D.; BRES, J. (ed.). Le discours oral conversationnel, Revue québecoise de linguistique, 2001.

FIORIN, J. L. As astúcias da enunciação: as categorias de pessoa, espaço e tempo. São Paulo: Ática, 2010.

GENETTE, G. Figures III. Paris: Seuil, 1972.

GENETTE, G. Nouveau discours du récit. Paris: Seuil, 1983.

GLEDSON, J. Machado de Assis: impostura e realismo. São Paulo: Cia. das Letras, 1991.

GREIMAS, A. J. Du sens II. Paris: Seuil, 1983.

KOCH, I. G. V. Argumentação e linguagem. São Paulo: Cortez, 2008.

LABOV, W. The transformation of experience in narrative sintax. In: LABOV, W. Language in the inner city: studies in the black english vernacular. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1972, p. 354-405.

LABOV, W. Some further steps in narrative analysis, Journal of narrative and life history, v. 7, p. 395- 415, 1997.

MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, 2008.

MARINHO, J. H. C, DACONTI, G. C.; CUNHA, G. X. O texto e sua tipologia: fundamentos e aplicações. Belo Horizonte: Faculdade de Letras/UFMG, 2012.

MOESCHLER, J. Ordre temporel, narration et analyse du discours. Cahiers de linguistique française, v. 18, 1996, p. 299-328.

PROPP, V. Morfologia do conto maravilhoso. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1984[1928].

RABATEL, A. Homo Narrans: pour une analyse énonciative et interactionnelle du récit. v. II : dialogisme et polyphonie dans le récit. Limoges : Lambert-Lucas, 2009.

RABATEL, A. O papel do enunciador na construção interacional dos pontos de vista. In: EMEDIATO, W. (org.). A construção da opinião na mídia. Belo Horizonte: FALE/UFMG, Núcleo de Análise do Discurso, 2013. p. 19-66.

RABATEL, A. Homo narrans: por uma abordagem enunciativa e interacionista da narrativa. Volume I: Pontos de vista e lógica da narração: teoria e análise. São Paulo: Cortez, 2016.

REVAZ, F; FILLIETTAZ, L. Actualités du récit dans le champ de la linguistique des discours oraux: le cas des narrations en situation d’entretien. Protée: actualités du récit: pratiques, théories, modèles, v. 32, p. 53-66, 2006.

RICOEUR, P. Tempo e narrativa. v. I, II, III. São Paulo: Martins Fontes, 2010[1983].

ROULET, E. La description de l’organisation du discours : du dialogue au texte. Paris: Didier, 1999.

ROULET, E.; FILLIETTAZ, L.; GROBET, A. Un modèle et un instrument d'analyse de l'organisation du discours. Berne: Lang, 2001.

SANTIAGO, S. Retórica da verossimilhança. In: SANTIAGO, S. Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. São Paulo: Perspectiva, 1978, p. 29-48.

SARAIVA, J. A. O circuito das memórias em Machado de Assis. São Paulo: EDUSP, 1993.

SCHWARZ, R. Um mestre na periferia do capitalismo. São Paulo: Duas Cidades, 1990.

TODOROV, T. As estruturas narrativas. São Paulo: Perspectiva, 2008.

TRAVAGLIA, L. C. Aspectos da pesquisa sobre tipologia textual. Revista de Estudos Linguísticos, v. 20, n. 2, p. 361-387, 2012

Van DIJK, T. Cognição, discurso e interação. São Paulo: Contexto, 1992.

Van DIJK, T. Discurso e poder. São Paulo: Contexto, 2008.

WEINRICH, H. Le temps. Paris: Éditions du Seuil, 1973.

Downloads

Publicado

2020-09-02

Edição

Seção

Artigo