O padrão frasal [trem + adjetivo] sob a perspectiva da gramática de construções

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2020v17n2p4809

Palavras-chave:

Gramática de construções, Teoria do modelo de língua baseado no uso, Termo trem, Nomes gerais, Português do Brasil

Resumo

Este artigo examina o padrão frasal [trem + adjetivo], em 1000 ocorrências de amostras do Twitter, objetivando averiguar, sob a ótica da Gramática de Construções e do Modelo de Língua Baseado no Uso e da Gramaticalização, se este padrão se trata de uma construção do português brasileiro, aplicável não só a objetos, mas também a pessoas. Foram encontradas evidências de que, no uso informal, o padrão frasal [trem + adjetivo] faz referência a pessoas em contextos em que não há depreciação do referente, como costuma ocorrer com o nome trem isoladamente, o que atesta a hipótese de que se trata de uma construção do português brasileiro. 



Biografia do Autor

Aléxia Teles Duchowny, Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora em Estudos linguísticos pela UFMG.

Paola Santos Lima Soares, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduada em Letras. Mestranda do Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos da Faculdade de Letras da UFMG.

Referências

AMARAL, E. T. R.; RAMOS, J. M. Nomes gerais no português brasileiro. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2014.

AMARAL, E. T. R. Análise de um nome geral na fala dos mineiros: para que serve esse trem? Revista Trama, v. 10, n. 20, p. 27-43, 2014. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/view/9486. Acesso em: 11 out. 2018.

BYBEE, J. Usage-based theory and exemplar representations of constructions. In: HOFFMANN, T.; TROUSDALE, G. (ed.). The Oxford Handbook of construction grammar. Oxford: Oxford University Press, 2013. p. 52-66.

GOLDBERG, A. E. Constructions: a construction grammar approach to argument structure. Chicago: The University of Chicago Press, 1995.

HALLIDAY, M. A. K.; HASAN, R. Cohesion in English. London/New York: Longman, 1995 [1976].

HEINE, B.; RECH, M. Grammatical categories in African languages. Hamburgo: Helmut Buske, 1984.

HEINE, B. Grammaticalization. In: JOSEPH, B.; JANDA, R. D. (ed.). The Handbook of Historical Linguistics. Oxford: Blackwell, 2003. p. 575-601.

OLIVEIRA, C. M. G. M. de. O substantivo-suporte: critérios operacionais de caracterização. 2006. 121 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) - Faculdade de Letras. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=61768. Acesso em: 10 out. 2018.

MAHLBERG, M. English general nouns. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 2005.

MIHATSCH, W. Kognitive Grundlagen lexikalischer Hierarchien untersucht am Beispiel des Französischen und Spanischen. Tübingen: Niemeyer, 2006.

RAMOS, J. M. O surgimento de um nome geral: a lexia trem no dialeto mineiro. In: RAMOS, J. M.; COELHO, S. M. Português brasileiro dialetal: temas gramaticais. Campinas: Mercado de Letras, 2013. p.137-147.

SCHMID, H. J. English abstract nouns as conceptual shells. Berlin; New York: Mouton de Gruyter, 2000.

TRAUGOTT, E. C.; TROUSDALE, G. G. Constructionalization and Constructional Change. Oxford University Press: Oxford, 2013.

TREM. In: AULETE Dicionário Digital. Rio de Janeiro: Lexicon Editora Digital. Disponível em: http://www.aulete.com.br/trem. Acesso em: 12 jun. 2018.

Downloads

Publicado

2020-09-02

Edição

Seção

Artigo