O excesso e a falta em "Eu sou Sartori e o meu partido é o Rio Grande"

Ercília Ana Cazarin, Maria Inês Gonçalves Medeiros Cordeiro

Resumo


Este trabalho, ancorado na teoria da Análise de Discurso com filiação em Michel Pêcheux, tem como objetivo central analisar o enunciado EU SOU SARTORI E O MEU PARTIDO É O RIO GRANDE, proferido pelo então candidato ao governo do Estado do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, durante a campanha eleitoral de 2014.  Pretendemos, a partir desta investigação, proporcionar reflexões em torno de questões que possam, na verticalidade do discurso, auxiliar na compreensão do funcionamento discursivo do excesso e da falta, presentes em nosso objeto de discurso, concebidos como possíveis limites e interdições impostos ao sujeito. O excesso permite a instauração do efeito de verdade, enquanto a falta configura-se como uma das políticas do esquecimento. Ambos os funcionamentos instauram efeitos de sentido que podem deslocar, transformar, manter e/ou apagar sentidos.


Palavras-chave


Discurso Político; Excesso; Falta; Efeito de verdade; Políticas do Esquecimento

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8412.2017v14nespp2448

Direitos autorais 2017 Fórum Linguístico

Creative Commons License

Esta publicação está regida por uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Fórum Linguístico, ISSNe 1984-8412, Florianópolis (Santa Catarina), Brasil