Ultrapassagem de barreira linguística e cooptação de mão de obra no Sul da Bahia: primeiros anos de Colonização Portuguesa (1500-1549)

Autores

  • Wagner Carvalho de Argolo Nobre Professor Assistente de Língua Portuguesa da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC).

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2020.e67691

Palavras-chave:

História linguística, História social, Brasil colonial, Sul da Bahia

Resumo

Neste artigo, temos como principais objetivos a explicitação de como se deu a ultrapassagem de barreira linguística e a cooptação inicial de mão de obra para os engenhos de produção de açúcar, durante o início da colonização portuguesa no Brasil, com ênfase para a região sul da Bahia e para o período compreendido entre 1500 e 1549. Como objetivo secundário, procuramos ressaltar a importância do desenvolvimento, no âmbito da ciência linguística, da disciplina de história social da linguagem (Burke, 1995), já que investiga um dos principais aspectos de uma língua: seu papel social, exercido por seus falantes em suas relações interpessoais cotidianas – dimensão digna de nota –, na medida em que o caráter bem sucedido das relações linguísticas iniciais, entre povos distintos, pode ser determinante para interações sociais menos deletérias, assim como produzir consequências importantes sobre a formação de uma identidade nacional.

Biografia do Autor

Wagner Carvalho de Argolo Nobre, Professor Assistente de Língua Portuguesa da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC).

Mestre e Doutor em Letras, pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), e professor assistente de língua portuguesa da Univesidade Estadual de Santa Cruz (UESC), em Ilhéus, Bahia.

Referências

AALTMAN, C. As línguas gerais sul-americanas e a empresa missionária: linguagem e representação nos séculos XVI e XVII. In: BESSA FREIRE, J. R.; ROSA, M. C. (org.). Línguas gerais: política linguística e catequese na América do Sul no período colonial. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2003. p. 57-83.

ANCHIETA, J. de. Arte de gramática da língua mais usada na costa do Brasil. Coimbra: Oficina de Antônio de Mariz, 1595.

LUCCHESI, D., BAXTER, A. A transmissão linguística irregular. In: LUCCHESI, D., BAXTER, A., RIBEIRO, I. (org.). O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009. p. 101-124.

BESSA FREIRE, J. R. Rio Babel: a história das línguas na Amazônia. Rio de Janeiro: Atlântica, 2004.

BURKE, P. A arte da conversação. Trad. Álvaro Luiz Hattnher. São Paulo: UNESP, 1995.

CARDIM, F. Tratados da terra e gente do Brasil. São Paulo: Hedra, 2009 [1583]. p. 200.

CASTRO, I. Introdução à história do português. Lisboa: Colibri, 2006.

COUTO, J. A construção do Brasil. Lisboa: Cosmos, 1998.

FAUSTO, Carlos. Fragmentos de história e cultura tupinambá: da etnologia como instrumento crítico de conhecimento etno-histórico. In: CUNHA, Manuela Carneiro da (org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das letras, 1992. p. 381-396.

HEMMING, J. Amazon frontier: the defeat of the Brasilian indians. Cambridge University Press, 1987.

HOLM, J. An Introduction to Pidgins and Creoles. Cambridge: Cambridge University Press, 2000.

LUCCHESI, D. A diferenciação da língua portuguesa no Brasil e o contato entre línguas. Estudos de Linguística Galega, Santiago de Compostela, v. 4, p. 45-65, 2012.

MARCÍLIO, M. L. A população do Brasil colonial. In: BETHELL, L. (org.). História da América Latina: América Latina Colonial, v. II. Trad. Mary Amazonas Leite de Barros e Magda Lopes. São Paulo: EDUSP / Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2004. p. 311-338.

MATOS, P. T. de. Population censuses in the Portuguese Empire (1750-1820): research notes. Romanian Journal of Population Studies, v. 7, n. 1, p. 1-22, 2013.

MATTOS E SILVA, R. V. Ensaios para uma sócio-história do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2004.

MÉTRAUX, A. The Tupinamba. In: STWEARD, Julian (org.). Handbook of south american indians. Washington: Government printing office, 1948. p. 95-139.

PARAÍSO, M. H. B. De como se obter mão de obra indígena na Bahia entre os séculos XVI e XVIII. Revista História, p. 179-208, 1993.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2004 [1995].

RODRIGUES, A. Línguas brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Loyola, 1986.

SILVA NETO, S. da. História da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Presença, 1957.

VILHENA, L. dos S. A Bahia no século XVIII. Salvador: Editora Itapuã, 1969 [1798-1799].

Downloads

Publicado

2020-12-30