Gamificação em aulas de língua inglesa: um estudo comparativo no contexto do ISF-UFS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2021.e71069

Palavras-chave:

Gamificação, Ensino de Línguas, Idioma sem Fronteiras , Games

Resumo

Considerando a necessidade de engajar e motivar os alunos de língua inglesa no contexto do Idiomas sem Fronteiras (IsF) na Universidade Federal de Sergipe (UFS), a gamificação, ou uso de mecânicas e pensamento orientado a jogo (game thinking), foi aplicada em uma aula de um curso de 48 horas. Neste artigo, essa aula gamificada é analisada e comparada a uma aula não gamificada. Também investigamos como alunos percebem a experiência em comparação a aulas regulares do programa. A metodologia empregada é qualitativa, caracterizada como pesquisa docente, baseada na pesquisa-ação. Por fim, concluímos que, mesmo com 100% dos alunos classificando a aula gamificada como melhor, eles se sentem tão motivados nela quanto em aulas não gamificadas.

Biografia do Autor

Nayara Stefanie Mandarino Silva, Federal University of Sergipe (UFS)

Undergraduate student of Letras in the Federal University of Sergipe (UFS). She is also an English teacher of the Language without Borders program at the same university, as well as a researcher, since 2018. In addition, she is part of the research group "Núcleo de Estudos de Cultura da UFS - Pólo autónomo internacional do CLEPUL: HISTÓRIA, CULTURA E EDUCAÇÃO".

Elaine Maria Santos, Federal University of Sergipe (UFS)

English professor at the Federal University of Sergipe, in Brazil. She completed her undergraduate degree in Portuguese-English and holds a Masters in Languages and a PhD in Education. She was a Fulbright Visiting Scholar in 2018 at New York University. She is the coordinator of the English without Borders Program at UFS. Her research interests are in applied linguistics, teacher education and history of education, focusing on Languages without Borders, English teaching, culture and identity.

Referências

BRASIL. Portaria n. 1.466, de 18 de dezembro de 2012. Institui o Programa Inglês sem Fronteiras. Diário Oficial da União, seção 1, n. 244, de 19 de dezembro de 2012. Disponível em: http://bit.ly/2lyrMzC. Acesso em: 01 jun. 2017.

BRASIL. Portaria n. 973, de 14 de novembro de 2014. Institui o Programa Idiomas sem Fronteiras. Disponível em: http://bit.ly/2T0hDjy. Acesso em: 01 jun. 2017.

BURNS, A. Action Research. In: PALTRIDGE, B.; PHAKITI, A. Research methods in applied linguistics: a practical resource. London: Bloomsbury Academic, an imprint of Bloomsbury Publishing Plc, 2015. p. 187-204.

BUSARELLO, R. I.; ULBRICHT, V. N.; FADEL, L. M. A gamificação e a sistemática de jogo: conceitos sobre a gamificação como recurso motivacional. In: FADEL, L. M. et al. Gamificação na educação. São Paulo: Pimenta Cultural, 2014. p. 11-36.

CANI, J. B. et al. Análise de jogos digitais em dispositivos móveis para aprendizagem de línguas estrangeiras. Rev. bras. linguist. apl. [online]. v.17, n. 3, p. 455-481, 2017.

CAPONETTO, I.; EARP, J.; OTT, M. Gamification and education: A literature review. ECGBL 2014: Eighth European Conference on Games Based Learning. Reading: Academic Conferences Ltd., 2014.

FERRANCE, E. Action research. Brown University: education alliance, 2000.

FREEMAN, D. Doing teacher research: from inquiry to understanding. Boston: Heinle Cencage Learning, 1998.

GEE, J. P. What video games have to teach us about learning and literacy. New York: Palgrave McMillan, 2003.

HERGER, M. Enterprise gamification: Engaging people by letting them have fun. [S. l.: s. n.], 2014.

KAPP, K. The gamification of learning and instruction: game-based methods and strategies for training and education. [S. l.]: Pfeiffer, 2012.

KIM, B. Understanding gamification. [S. l.]: Library Technology Reports, v. 51, n. 2, 2015.

KOSTER, K. A Theory of fun for game design. Scottsdale, AZ: Paraglyph Press, 2005.

KUMARAVADIVELU, B. The postmethod condition: (E)merging strategies for second/foreign language teaching. TESOL Quarterly, v. 28, n. 1, p. 27-48, 1994.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

LEFFA, V. J. Gamificação adaptativa para o ensino de línguas. In: CONGRESSO IBEROAMERICANO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E EDUCAÇÃO. Buenos Aires, 2011. Anais... Buenos Aires: [S. n.], 2014. p. 1-12.

LEFFA, V. J. Redes sociais: ensinando línguas como antigamente. In: ARAÚJO, J.; LEFFA, V. J. Redes sociais e ensino de línguas: o que temos de aprender? São Paulo: Parábola, 2016. p. 137-154.

OGAWA, A. C. S. Produção e implementação de material didático para o ensino de língua inglesa: o papel da ludicidade no ensino-aprendizagem de Língua Inglesa nas séries finais do Ensino Fundamental. Gestão escolar: dia a dia, Paraná, 2007. Disponível em: http://www.gestaoescolar.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/producoes_pde/artigo_ana_cristina_sayuri_ogawa.pdf. Acesso em: 28 jul. 2018.

WERBACH, K.; HUNTER, D. For the win: How game thinking can revolutionize your business. Philadelphia: Wharton Digital Press, 2012.

Publicado

2021-04-06