Ações de internacionalização para o ensino e a pesquisa na área de línguas

Autores

  • Paula Tavares Pinto
  • Daniela Nogueira de Moraes Garcia
  • Douglas Cunha dos Santos UNESP - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2021.e72639

Palavras-chave:

Plano estratégico, Internacionalização, Proficiência linguística

Resumo

Muitos planos estratégicos visam o crescimento na internacionalização (DE WIT et al., 2015) e mobilidade a partir da compreensão de que tais ações demandam proficiência no idioma para comunicação, intercâmbio de pesquisas, parcerias básicas e desenvolvimentos digitais. Embora universidades mantenham acordos internacionais, é fundamental que compreendam como as línguas estrangeiras são vitais para envolver estudantes e acadêmicos de forma orgânica. Objetivamos apresentar as ações com vistas à internacionalização que têm sido implementadas como forma de mapear e melhorar a proficiência linguística na Universidade Estadual Paulista, instituição multicampi. Dentre tais ações, enfocaremos o mapeamento do nível de proficiência linguística dos alunos e comunidade interna, oferta de cursos e testes e ações de mobilidade internacional na própria instituição como as sessões de intercâmbio virtual em língua estrangeira ou língua franca. Os resultados apontam para uma crescente conscientização acerca da importância da proficiência linguística e ações que priorizam a globalização do Ensino Superior.

Referências

ABREU-E-LIMA, D.M.; MORAES FILHO, W. B.; MONTENEGRO, A. R. A. Perfil da Área de Língua Inglesa nas Universidades Federais Brasileiras. In: SARMENTO, S.; ABREU-E-LIMA; D.M. MORAES FILHO, W. B. (org.). Do Inglês sem Fronteiras ao Idiomas sem Fronteiras: a construção de uma política linguística para internacionalização. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2016. p.47-76.

ALMEIDA, M. E. B. Apresentação. BACICH, L.; MORAN, J. (org.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018. p ix-xiii.

BELTA. Quem somos. Disponível em: http://www.belta.org.br/quemsomos. Acesso em: 26 maio 2020.

BEHRENS, M. A. Projetos de Aprendizagem colaborativa num paradigma emergente. In: Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica, 21st ed. Papirus, 2013, pp.73-140.

BRaVE. Brazilian Virtual Exchange. Disponível em: https://www2.unesp.br/portal#!/arex/mais-informacoes/programa-brave/ Acesso em: 30 mar. 2020.

DE WIT, H.; HUNTER, F.; HOWARD, L.; EGRON-POLAK, E. Internationalisation of higher education. European Parliament, Directorate-General for Internal Policies, Policy Department B: Structural and Cohesion Policies, Culture and Education, 2015

GIMENEZ, T.; EL KADRI, M. S.; CALVO, L.C.S.; SIQUEIRA, D.S.P.; PORFIRIO, L. Inglês como língua franca: desenvolvimentos recentes. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 15, n.3, 2015, p. 593-619.

IDIOMAS SEM FRONTEIRAS Disponível em: http://isfgestao.mec.gov.br/ Acesso em: 30 mar. 2020.

SARMENTO, S.; ABREU-E-LIMA, D.M., MORAES FILHO, W. Apresentação. In: SARMENTO, S; ABREU-E-LIMA, D.M.; MORAES, W.M. (org.). Do Inglês sem Fronteiras ao Idiomas sem Fronteiras: a construção de uma política linguística para a internacionalização. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2016. p. 11-15

SCHWIENHORST, K. Matching pedagogy and technology- Tandem learning and learner autonomy in online virtual language environments. Language Teaching On-Line, 1998.

SOCIEDADE BRASILEIRA PARA O PROGRESSO DA CIÊNCIA. O fim do Ciência sem Fronteiras depois de R$ 13 bilhões investidos em bolsas no exterior. 30 jun. 2017. Disponível em: http://portal.sbpcnet.org.br/noticias/o-fim-do-ciencia-sem-fronteiras-depois-de-r-13-bilhoes-investidos-em-bolsas-no-exterior/. Acesso em: 30 mar. 2020.

SOUZA, F. M.; SANTOS, G. F. Velhas práticas em novos suportes? As tecnologias digitais como mediadoras do complexo processo de ensino-aprendizagem de línguas. São Paulo: Mentes Abertas, 2019.

TELETANDEM BRASIL. Disponível em: http://www.teletandembrasil.org/ Acesso em 30 mar. 2020.

TELLES, J. A. Learning foreign languages in teletandem: Resources and strategies. D.E.L.T.A., v.31, n.3, p.603-632, 2015.

TELLES, J. A. Teletandem: um contexto virtual, autônomo e colaborativo para aprendizagem de línguas estrangeiras no século XXI. Campinas: Pontes Editores/ FAPESP, 2009.

TELLES, J. A. Projeto Teletandem Brasil: Línguas Estrangeiras para Todos - Ensinando e Aprendendo línguas estrangeiras in-tandem via MSN Messenger. Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. 2006. Disponível em: http://www.teletandembrasil.org/site/docs/TELETANDEM_BRASIL_completo.pdf. Acesso em: 02 jul. 2014.

UNESP. Our strategy. Disponível em: https://www.international.unesp.br/#!/research/our-strategy/. Acesso em: 27 mar. 2020.

Downloads

Publicado

2021-04-06