Inventário Nacional de Libras

Autores

  • Ronice Müller de Quadros UFSC
  • Jair Barbosa da Silva UFAL
  • Rodrigo Nogueira Machado UFC
  • Carlos Roberto Ludwig UFT

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2020.e77334

Palavras-chave:

Libras, Documentação linguística, Corpus de Libras

Resumo

A documentação da Libras inclui o Inventário Nacional da Libras que integra o Inventário Nacional de Diversidade Linguística (INDL) com o objetivo de documentar a Libras de forma representativa no país. Este artigo apresenta o Inventário Nacional da Libras estabelecido, inicialmente, em Santa Catarina e a sua replicação nos estados de Alagoas, Ceará e Tocantins.  Estes estados passam a ser agentes multiplicadores para a futura replicação do Inventário Nacional da Libras nos demais estados brasileiros garantindo-se, assim, a representação nacional do corpus da Libras estabelecido no escopo do INDL. Este artigo apresenta as diretrizes que norteiam a coleta, o arquivamento e a transcrição de dados, assim como as especificidades da constituição do corpus em cada estado brasileiro nesta primeira etapa de replicação do Inventário Nacional da Libras.

Biografia do Autor

Ronice Müller de Quadros, UFSC

Ronice Müller de Quadros é professora e pesquisadora da Universidade Federal de Santa Catarina, no Departamento de Libras e pesquisadora do CNPQ. E-mail: ronice.quadros@ufsc.br.

Jair Barbosa da Silva, UFAL

Jair Barbosa da Silva é professor de Linguística no Curso de Letras-Libras: licenciatura e no Programa de Pós-graduação em Linguística e Literatura da Universidade Federal de Alagoas, onde atua também como pesquisador. E-mail: jair.silva@fale.ufal.br.

Rodrigo Nogueira Machado, UFC

Rodrigo Nogueira Machado é professor e pesquisador da Linguística no Curso de Letras Libras em licenciatura da Universidade Federal do Ceará e doutorando no Programa de Pós-Graduação em Linguística e Literatura da Universidade Federal de Alagoas. E-mail: roflam@gmail.com.

Carlos Roberto Ludwig, UFT

Carlos Roberto Ludwig é professor e pesquisador da Universidade Federal do Tocantins, nos cursos de Letras: Libras e Mestrado em Letras. E-mail: carlosletras@mail.uft.edu.br.

Referências

BASTOS, P. Região Metropolitana de Palmas reúne 15 municípios e 430 mil moradores. SECOM, TO, 14 jan. 2014. Disponível em: https://secom.to.gov.br/noticias/regiao-metropolitana-de-palmas-reune-15-municipios-e-430-mil-moradores-174518/. Acesso em: 20 nov. 2020.

CEARÁ EM MAPAS. Região metropolitana de Fortaleza. Disponível em: http://www2.ipece.ce.gov.br/atlas/capitulo1/11/125x.htm. Acesso em: 20 nov. 2020.

CHEN PICHLER, D. et al. Conventions for sign and speech transcription of child bimodal bilingual corpora in ELAN. Language, Interaction and Acquisition. v.1, 2010, p. 11-40, 2010.

CRASBORN, O.; VAN DER KOOJI, E.; MESCH, J. European cultural heritage online (ECHO): Publishing sign language data on the internet. In: CONFERENCE ON THEORETICAL ISSUES IN SIGN LANGUAGE RESEARCH, 8., Barcelona, 2004. Proceedings… Barcelona: ECHO, 2004. p. 535-562.

EFTHIMIOU, E.; FOTINEA, S-E. Creation and annotation of a Greek Sign Language corpus for HCI. Universal access in human computer interaction: coping with Diversity. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON UNIVERSAL ACCESS IN HUMAN-COMPUTER INTERACTIONS, 4., Beijing, 2007. Proceedings…. Beijing: ILSP, 2007. p. 1-10.

IPHAN. Ministério da Cultura. Guia de Pesquisa e Documentação para o INDL, 2012. http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Guia%20de%20Pesquisa%20e%20Documenta%C3%A7%C3%A3o%20para%20o%20INDL%20-%20Volume%201.pdf

HANKE, T. (ed.). ViSiCAST Deliverable D5-1: interface definitions. 2000. Disponível em: http://www.visicast.co.uk/members/milestones/ViSiCASTD5-1.pdf. Acesso em: 14 mar. 2006.

LEESON, L.; SAEED, J.; BYRNE-DUNNE, D. Moving heads and moving hands: Developing a digital corpus of Irish Sign Language. The ‘Signs of Ireland’ corpus development project. 2006. Disponível em: http://webird.tcd.ie/bitstream/2262/1597/1/ITT+paper+vfinal.pdf. Acesso em: 13 mar. 2009.

LEITE, T. A segmentação da língua de sinais brasileira (libras): um estudo lingüístico descritivo a partir da conversação espontânea entre surdos. 2008. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

LEITE, T. de A.; QUADROS, R. M. de. Línguas de sinais do Brasil: reflexões sobre o seu estatuto de risco e a importância da documentação. In: Estudos da Língua de Sinais. v. 2. Florianópolis: Editora Insular, 2014. p. 15 - 27.

LIBRAS. Portal de Libras. Disponível em: https://portal.libras.ufsc.br. Acesso em: 25 jan. 2021.

LIBRAS. Portal de Libras. Disponível em: https://libras.ufsc.br/. Acesso em: 25 abr. 2020.

MILLER, C. Some reflections on the need for a common sign notation. Sign Language and Linguistics, v. 4, n.1/2, p.11-28, 2001.

QUADROS, R. M. de et al. Corpus de Libras. 2020. Disponível em: http://corpuslibras.ufsc.br/. Acesso em: 17 fev. 2020.

QUADROS, R. M de. Documentação da Libras. In: SEMINÁRIO IBERO-AMERICANO DE DIVERSIDADE LINGUÍSTICA, 2014, Foz do Iguaçu. Brasília: IPHAN - Ministério da Cultura. vol. 1. 2016. p. 157-174.

QUADROS, R. M. et al. Língua Brasileira de Sinais: patrimônio linguístico brasileiro. Florianópolis: Editora Garapuvu, 2019.

SCHEMBRI, A. C. The British Sign Language corpus project: open access archives and the observer’s paradox. In: CRASBORN, O.; EFTHIMIOU, E.; HANKE, T.; THOUTENHOOFD, E. D.; ZWITSERLOOD, I. Proceedings of the Construction and exploitation of sign language corpora workshop, Marrackech, 2008. p. 165-169.

UFSC. Libras. SignBank da Libras, 2020. Disponível em: http://signbank.libras.ufsc.br/. Acesso em: 20 nov. 2020.

WIKIPEDIA. Imagem de Maceió, 2020. Disponível em: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Regi%C3%A3o_Metropolitana_de_Macei%C3%B3_(AL).svg. Acesso em: 20 nov. 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-30