Cronotopo pandêmico e a produção de imagens corpóreas: reflexões inacabadas

Autores

  • Nívea Rohling Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, Curitiba, Paraná

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2020.e78444

Palavras-chave:

Discurso, Cronotopo pandêmico, Corpo

Resumo

Este artigo, embasado nos estudos bakhtinianos, propõe a emergência de um cronotopo pandêmico em decorrência da crise sanitária global, deflagrada pela proliferação do novo coronavírus, que causa a doença COVID-19. Esse cronotopo caracteriza-se como um espaço-tempo em que se produz um conjunto de discursividades relacionado a esse tema. Buscou-se, ainda, descrever imagens que emergem sobre o corpo e sua relação com o vírus. Para tanto, foram selecionadas algumas imagens fotográficas, publicizadas nas mídias digitais no período do isolamento social. Como síntese, destaca-se que, no interior desse cronotopo pandêmico, emergem microcronotopos que produzem imagens corpóreas, tais como: o hospitalar, o do isolamento social e o da morte. Há ainda uma certa tipologia dos corpos regulada por relações classe-gênero-raça, em uma perspectiva de interseccionalidade, que normatizam os modos de simbolização desse real (o vírus e a doença) pelos corpos.

Biografia do Autor

Nívea Rohling, Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, Curitiba, Paraná

D

Referências

ACOSTA PEREIRA, R. O gênero carta de conselhos em revistas online: na fronteira entre o entretenimento e a autoajuda. 2012. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2012.

AGAMBEN, G. O que é um dispositivo? In: AGAMBEN, G. O que é o contemporâneo? e outro ensaios. Trad. Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó, SC: Argos, 2009.

BALTHAZAR, R. Falta de informação sobre UTIs prejudica combate ao coronavírus. Folha de São Paulo, São Paulo, 8 jun. 2020. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2020/06/falta-de-informacao-sobre-utis-prejudica-combate-ao-coronavirus.shtml. Acesso em: 7 jul. 2020.

BARONAS, R. L.; ARAUJO, L. B. M.; PONSONI, S. Reflexões acerca da análise dialógica dos discursos verbo-visuais: um caso de humor na política brasileira. Bakhtiniana, São Paulo, v.8, n.2, p. 24-42, jul./dez. 2013.

BAKHTIN, M. M.; VOLOCHÍNOV, V. N..Discurso na vida e discurso na arte (sobre a poética sociológica). Trad. Carlos Alberto Faraco & Cristóvão Tezza [para fins didáticos]. Versão da língua inglesa de I. R. Titunik a partir do original russo, 1926.

BAKHTIN, M. M. Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução do russo, notas e prefácio de Paulo Bezerra. 4. ed. Revista e ampliada. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008 [1963].

BAKHTIN, M. M. Questões de literatura e de estética – a teoria do romance. Tradução do russo por Aurora Fornoni Bernardini et al. São Paulo: UNESP; Hucitec, 1998 [1975].

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Tradução do russo por Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003 [1979].

BAKHTIN, M. M. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: HUCITEC; Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1993.

BAKHTIN, M. M. Para uma filosofia do ato responsável. São Carlos: Pedro & João editores, 2010.

BAKHTIN, M. M. Teoria do romance I – A estilística. São Paulo: Editora 34, 2015 [1930].

BAKHTIN, M. M. Teoria do romance II – As formas do tempo e do cronotopo. Tradução por Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2018 [1975].

BEZERRA, P. Prefácio. In: BAKHTIN, M. M. Teoria do romance I – A estilística. São Paulo: Editora 34, 2015 [1930]. p. 7-13.

BRASIL. Ministério da Saúde. Perguntas e respostas. Disponível em: https://coronavirus.saude.gov.br/index.php/perguntas-e-respostas . Acesso em: 20 jun. 2020.

BUTLER. J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 13. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

BUTLER, J. Traços humanos na superfície do mundo. N-1 Edições. Trad. André Arias e Clara Barzaghi. Disponível em: https://n-1edicoes.org/042. Acesso em: 30 maio 2020.

DE PAULA, L.; LUCIANO, J. A. R. A filosofia da linguagem bakhtiniana e sua tridimensionalidade verbivocovisual. Estudos Linguísticos (SP), v. 49, n. 2, p. 706-722, jun. 2020. Disponível em: https://revistas.gel.org.br/estudos-linguisticos/article/view/2691. Acesso em: 7 jul. 2020.

DUBOIS, P. O ato fotográfico e outros ensaios. Campinas (SP): Papirus Editora, 1993.

GRILLO, S. V. de Camargo. Esfera e Campo. In: BRAIT, B. Bakhtin: conceitos-chave. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2006. p. 133-160.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

LINDER, L. Quarentena reduziu pela metade transmissão da covid-19 no Brasil, diz estudo. UOL, Deutschewelle, 25 jul. 2020. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/deutschewelle/2020/07/25/quarentena-reduziu-pela-metade-transmissao-da-covid-19-no-brasil-diz-estudo.htm . Acesso em: 30 jul. 2020.

OLIVA, D. Pandemia em fotos, Folha de São Paulo (on-line), São Paulo, 2020. Disponível em: https://arte.folha.uol.com.br/mundo/2020/pandemia-em-fotos/covid-19/. Acesso em 27 jun. 2020.

ROHLING DA SILVA, N. Fotografia: um enunciado complexo e multifacetado. Revista de Letras, Curitiba, v. 13, p. 1-14, 2010.

RÜDIGER, F. Cibercultura e pós-humanismo. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.

STOKPHOTO. Disponível em: https://stockphoto.com/search.php?q=+v%C3%ADrus. Acesso em: 23 jul. 2020.

UFRGS. Qual a diferença de distanciamento social, isolamento e quarentena?, 18 set. 2020. Disponível em: https://www.ufrgs.br/telessauders/posts_coronavirus/qual-a-diferenca-de-distanciamento-social-isolamento-e-quarentena/. Acesso em: 27 jul. 2020.

VOLÓCHINOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. São Paulo: Editora 34, 2017[1930].

Downloads

Publicado

2020-12-30