Empresas Juniores: o processo de institucionalização em universidades públicas do Ceará

Autores

  • Emanuel Dheison dos Santos Penha UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ
  • Mariana de Melo Alexandre UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ
  • Augusto Cézar de Aquino Cabral UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ
  • Sandra Maria dos Santos UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ
  • Maria Naiula Monteiro Pessoa Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Ceará (1986), mestrado em Economia pela Universidade Federal do Ceará (1992) e doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2000). Atualmente é professor Associado IV da Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Orçamento e Gerência de Custos, atuando principalmente nos seguintes temas: gestão de custos, gestão, custos, controladoria e custos e tomada de decisão.

DOI:

https://doi.org/10.5007/1983-4535.2015v8n1p1

Palavras-chave:

Empresa júnior, Instituicionalização, Universidade públicas

Resumo

Essa pesquisa tem por objetivo investigar o processo de institucionalização das empresas juniores (EJs) das universidades públicas do Ceará, tendo como modelo o processo de institucionalização de Tolbert e Zucker (1999) em suas três fases: habituação, objetificação e sedimentação. A pesquisa, além de ser bibliográfica, classifica-se como um estudo descritivo, de natureza qualitativa e quantitativa. O estudo foi realizado em 10 EJs do Ceará. Na coleta de dados, foram utilizados questionários, aplicados junto aos membros, e entrevistas com os presidentes das EJs. Os resultados apontam que a principal motivação para o surgimento das EJs nas universidades públicas do Ceará foi a necessidade de aliar a teoria à prática. Os principais atores no processo destas entidades foram os alunos. Não há grupos de resistência, porém há uma ameaça em relação à perspectiva de continuidade devido a alta rotatividade na EJ. As EJs estão entre as fases de objetificação e sedimentação e que as características isomórficas, entre EJs, estão relacionadas ao compartilhamento das boas práticas de gestão.

Biografia do Autor

Emanuel Dheison dos Santos Penha, UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

Graduado em Administração de Empresa pela Universidade Federal do Ceará. Atualmente é mestrando do Programa de Pós-Graduação em Administração e Controladoria- PPAC/UFC, Escriturário do Banco do Brasil

Mariana de Melo Alexandre, UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

Mestranda em Administração e Controladoria (Mestrado Acadêmico) pela Universidade Federal do Ceará.Graduada em Administração de Empresas pela Universidade Federal do Ceará. Possui como áreas de interesse: estudos organizacionais, economia da estratégia e inovação.

Augusto Cézar de Aquino Cabral, UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

Possui graduação em Administração pela Universidade de Fortaleza (1988), mestrado em Administração pela Universidade Estadual do Ceará (1996), mestrado em Educational Administration and Supervision - University of New Hampshire (1991) e doutorado em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001). Atualmente, é Associado II da Universidade Federal do Ceará, onde atua no Programa de Pós-Graduaçao em Administraçao e Controladoria (PPAC), principalmente nos campos dos estudos organizacionais e da gestao de pessoas.

Sandra Maria dos Santos, UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Ceará (1978), mestrado em Economia pela Universidade Federal do Ceará (1989) e doutorado em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco (1998). Atualmente é professor associado da Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Organização Industrial e Estudos Industriais, atuando principalmente nos seguintes temas: Ceará, competitividade, indústria, controladoria e gestão.

Downloads

Publicado

2015-02-06

Edição

Seção

Artigos