Processo de internacionalização e desenvolvimento regional: consolidação de um laboratório de ensino de línguas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1983-4535.2019v12n3p45

Palavras-chave:

Internacionalização, Desenvolvimento regional, Laboratório de línguas, Ensino superior

Resumo

O objetivo deste estudo é analisar a consolidação de um laboratório de línguas em um processo de internacionalização de uma Instituição de Ensino Comunitária (ICES), como forma de fomentar o desenvolvimento regional. A ICES em estudo atua na região noroeste do estado do Rio Grande do Sul a sessenta anos, e utiliza um laboratório de línguas (LELU) como parte da sua estratégia de internacionalização. Os dados foram obtidos através de entrevista com o coordenador do LELU, e por meio de relatórios da plataforma de ensino de inglês utilizada pela ICES, sendo utilizado o SPSS, versão 21 (Statistical Package for the Social Sciences) para realizar analises estatísticas descritivas e de frequência dos dados coletadas nos relatórios e documentos do laboratório de línguas e dos relatórios da plataforma de inglês online. Como principais resultados evidencia-se a consolidação do LELU no processo de internacionalização da ICES atuando em diversas frentes: ensino de inglês à distância em ambiente virtual, encontros presenciais de conversação e grupos de estudos em inglês, atuando de forma consistente e continua com alunos, bolsistas e professores de diferentes projetos de pesquisa.

Biografia do Autor

Liane Beatriz Rotili, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUI/ Mestranda

Mestranda em Desenvolvimento Regional - PPGDES/UNIJUI
Bolsista PROSUP/Capes
Pesquisadora dos Grupos: GPCET - PPGA/UFSM e GPCOM - PPGDES/UNIJUI

Nairana Radtke Caneppele Bussler, PPGDES-UNIJUI/Mestranda em Desenvolvimento Regional- Bolsista PROSUP/Capes

Doutoranda em Administração pelo Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Nove de Julho, São Paulo/SP 

Bolsista PROSUP/Capes

 

Anderson Amaral-Oliveira, DHE-UNIJUI/Docente PPGLETRAS-UFSM/Doutorando em Letras

Docente Letras - DHE/UNIJUI e Doutorando em Letras PPGLETRAS/UFSM

Daniel Knebel Baggio, PPGDES-UNIJUÍ/Docente

Professor Doutor do Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (PPGDES/UNIJUI) 
Doutor em Contabilidade - UNIVERSIDAD ZARAGOZA/ESPANHA
Pesquisadora dos Grupos: GPCOM/UNIJUI

Referências

ALMEIDA FILHO, J. C. P. (1993): “Dimensões comunicativas no ensino de línguas”, Pontes.

ALMEIDA, V. P. (2012): “Conhecendo as regras do jogo: a competência comunicativa e os

manuais didáticos de ensino de inglês como língua estrangeira”, Brasília, Universidade de Brasília (Tese de Doutoramento).

BERNHEIM, C. T. (2008): “Desafios da universidade na sociedade do conhecimento: cinco anos depois da conferência mundial sobre educação superior”, Brasília, UNESCO.

BHATIA, V. K. (2014): “Analysing genre: Language use in professional settings”, Routledge.

BRASIL (2016): “Lei nº 12.881, de 12 de novembro de 2013”. Dispõe sobre a definição, qualificação, prerrogativas e finalidades das Instituições Comunitárias de Educação Superior - ICES, disciplina o Termo de Parceria e dá outras providências, disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2013/Lei/L12881.htm>, acesso em: 30 dez. 2016.

BRASIL (2017): “Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996”. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>, acesso em: 12 abr. 2017.

CAMBRIDGE ESOL (2011): “Using the CEFR: Principles of Good Practice”, Cambridge, University of Cambridge ESOL, 2011, p. 8.

CAPES (2017): “Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior”. Desempenha papel fundamental na expansão e consolidação da pós-graduação stricto sensu (mestrado e doutorado) em todos os estados da Federação, disponível em: < http://www.capes.gov.br/>, acesso em: 26 abr. 2017.

CASTELLS, M. (2006): “A galáxia da internet: reflexões sobre a internet”, os negócios e a sociedade, tradução de: BORGES, M. L. X. de A, Rio de Janeiro, Zahar.

DOUGLASS, J. (2010): “A internacionalização das universidades vista por três especialistas estrangeiros”, Publicada originalmente no Jornal da Unicamp, Revista Ensino Superior Unicamp, (12).

FRANCO, M. E. D. P. (2002): “A educação superior no Brasil”, Porto Alegre, CAPES/ IESALC.

GARDNER, R. C. (1999): “Motivation and second language acquisition”.

GOODMAN, K.S. (1967): “Reading: A psycholinguistic guessing game”, Literacy Research and Instruction, (6), (4), p. 126-135.

KATO, M. A. (1999) “O aprendizado da leitura”, 5 a. ed.

KNIGHT, J. (2012): “Cinco verdades a respeito da internacionalização”. Knight é professora adjunta do Ontario Institute for Studies in Education, Universidade de Toronto, Revista de Ensino Superior da UNICAMP.

KRAWCZYK, N. R. (2008): “As políticas de internacionalização das universidades no Brasil: o caso da regionalização no Mercosul”, Jornal de Políticas Educacionais, (4), pp. 41–52, jul./dez.

LÉVY, P.(1999): “Cibercultura”, Rio de Janeiro, Editora 34.

LIMA, M. C.; CONTEL, F. B. (2008): “Características atuais das políticas de internacionalização das instituições de educação superior no Brasil”, Revista E-Curriculum, (3), (2), p. 1 – 25, jun.

LUHMANN, N. (1985): “Soziologische Aufklarung 2”, Opladen: Westdeutscher,p.51-71:Die Weltgesellschaft.

MURPHY, M. (1999): “Experiences in the internationalization of education: Strategies to promote equality of opportunity at Monterrey Tech”, Higher Education, (53), (2), p. 167-208, fev.

NOGUEIRA, M. das D. P. (org.) (2000): “Extensão universitária: diretrizes conceituais e políticas”, Fórum Nacional de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas, Belo Horizonte: UFMG.

NUTTAL, C. (1996): “Teaching reading skills in a foreign language”, Hong Kong, Macmillan Heinemann.

PANIZZI, W. M. (2006): “Cooperação internacional: solidariedade e diálogo entre iguais?” In: GAZZOLA, A. L. A.; ALMEIDA, S. R. G., Universidade: cooperação internacional e diversidade, Belo Horizonte, Editora UFMG.

RICHARD, J. (2006): “Communicative language teaching today”, Cambridge, CUP.

RICHARDS, J.; RODGERS, T. (1999): “Approaches and methods in language teaching”, Cambridge, CUP.

ROBY, W. B. (2004): “Technology in the service of foreign language teaching: The case of the language laboratory”, in: D. Jonassen (Org.) Handbook of Research on Educational

Communications and Technology. 2nd ed. p. 523-541, disponível em: <http://www.aect.org/edtech/19.pdf>, acessado em: 25/02/2017.

RUMELHART, D. E. (1994): “Toward an interactive model of reading”, International Reading Association.

SANTOS, B. de S. (1999): “Pela mão de Alice: o social e o político na pós modernidade”, 5. ed., São Paulo, Cortez.

SAVIGNON, S. J. (1991): “Communicative Language Teaching: State of the Art”, TESOL

Quarterly, (25), (2), (Summer), p.261 -277.

SCHRIEWER, J. (1995): “Sisterna mundial e inter-relacionamento de redes: a internacionalização da educação e o papel da pesquisa comparativa”, Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, (76) (182/183), p. 1-64.

SMITH, Frank. (1989): “Compreendendo a leitura: uma análise psicolingüística da leitura e do aprender a ler”.

UR, P. (2012): “A course in English language teaching”, Cambridge, CUP, 2 ed.

VYGOTSKI, L. S. (1999): “A formação social da mente”, 7. ed., São Paula, Martins Fontes.

WERTHEIN, J. (2000): “A sociedade da informação e seus desafios”, publicado em: 04/2000, disponível, acesso em: 02/03/2017.

Publicado

2019-09-02

Edição

Seção

Artigos