Atração e refração na educação a distância: constatações sobre o isolacionismo e a evasão do aluno

Gisela Biacchi Emanuelli

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/1983-4535.2011v4n2p205

 

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação no Brasil incentiva a educação a distância como meio econômico e abrangente de acesso ao ensino e à aprendizagem. O método apresenta vantagens, mas não são suficientes para evitar que a auto-didática conduza à evasão dos alunos dos cursos. Amostra coletada junto à Instituição de Ensino Superior do Distrito Federal confirma o paradoxo da atração que a EaD exerce por sua economicidade e flexibilidade e a refração dos alunos por força do isolamento e pela necessidade do professor. Para demonstrar o binômio atração – refração do aluno ao ensino a distância partiu-se dessa amostragem para conclusões gerais, endossadas por outras pesquisas. O resultado coincide com a preocupação do Ministério da Educação de ser a Educação a Distância um meio de ensino no qual há índices significativos de evasão.


Palavras-chave


Educação a distância; Auto-didática; Atração; Refração.

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1983-4535.2011v4n2p205

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Revista Gestão Universitária na América Latina - GUAL, ISSN 1983-4535, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Para entrar em contato com a equipe editorial da Revista GUAL, encaminhe um e-mail para revistagual@gmail.com.

 This obra is licensed under a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.