As estratégias com “extrema utilização” dos programas de stricto sensu das instituições do Brasil da área de Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo frente aos cenários prospectados para o período de 2019 a 2030

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1983-4535.2020v13n3p24

Palavras-chave:

Prospecção de cenários, Programas de stricto sensu do Brasil, Área de Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo, Estratégias, Extrema Utilização

Resumo

O objetivo deste estudo foi identificar as estratégias com “extrema utilização” dos Programas de Stricto Sensu das Instituições de Ensino Superior do Brasil da área de Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo frente aos cenários prospectados para o período de 2019 a 2030. Utilizou-se a metodologia de cenários sugerida por Blanning e Reinig. Os resultados mostram que das estratégias nos cenários otimista e realista, enfatiza-se o item “fomentar a qualidade das teses e das dissertações”. Quanto ao cenário pessimista, realça-se a estratégia “reduzir custos (pessoal, despesas administrativas, enxugamento da estrutura organizacional)”, constatando assim sua importância, como estratégia a ser seguida em cenários incertos. A contribuição que este estudo acarreta para a literatura acadêmica da área é trazer em pauta um alargado e robusto número de estratégias que poderão viabilizar contribuições importantes para as instituições e seus respectivos programas de pós-graduação stricto sensu da área de administração, contabilidade e turismo em cenários de incertezas e desafios em decorrência da competitividade, perseguindo e alçando a posteriori melhores níveis de performance organizacional.

Biografia do Autor

Henrique César Melo Ribeiro, Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar)

Pós-Doutor em Administração pela Universidade de Fortaleza (2019). Doutor em Administração de Empresas pela Universidade Nove de Julho (2010), Mestre em Administração de Empresas pela Universidade de Fortaleza (2009), possui graduação em Bacharelado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Piauí (2005), especialização em Docência do Ensino Superior pela Faculdade Piauiense (2007), e especialização em Controladoria Governamental pela Faculdade Piauiense (2010). Atualmente é professor da Faculdade Piauiense Maurício de Nassau dos cursos de Administração e Contabilidade. Linha de pesquisa, Estratégia e Estudos Organizacionais, com ênfase nos temas: Governança Corporativa, Estratégia, Sustentabilidade, Controladoria, Contabilidade e Finanças. Membro do grupo de estudos com proprietários, representantes dos proprietários e altos executivos(GEPRA).

Sérgio Henrique Arruda Cavalcante Forte, Universidade de Fortaleza (Unifor)

Doutor em Administração (FGV). Mestre em Administração (FGV). Professor do Programa de Pós-Graduação em Administração da UNIFOR.

Referências

ALIGICA, P. D. Scenarios and the growth of knowledge: notes on the epistemic element in scenario building. Technological Forecasting & Social Change, v. 72, p. 815-824, 2005.

AMARANTE, J.; CRUBELLATE, J. M.; MEYER JUNIOR, V. Estratégias em universidades: uma análise comparativa sob a perspectiva institucional. GUAL, v. 10, n. 1, 2017.

AMER, M.; DAIM, T. U.; JETTER, A. A review of scenario planning. Futures, v. 46, p. 23-40, 2013.

AZEVEDO, M. C. de; COSTA, H. G. Métodos para avaliação da postura estratégica. Revista de Gestão da USP, v. 8, n. 2, 2010.

BARNEY, J. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, USA, v. 17, n. 1, p. 99-120, 1991.

BENEDETTI, M.; VIDOR, G. Modelo para análise de capacidade de projetos de pesquisa de uma instituição de ensino superior. Revista Gestão Universitária na América Latina, v. 9, n. 1, p. 278-297, 2016.

BERTERO, C. O.; CALDAS, M. P.; WOOD JR, T. Produção científica em administração de empresas: provocações, insinuações e contribuições para um debate local. RAC, v. 3, n. 1,1999.

BLANNING, R. W.; REINIG, B. A. Building scenarios for Hong Kong using EMS. Long Range Planning, v. 31, n. 6, p. 900-910, 1998.

BOWMAN, G. The practice of scenario planning: an analysis of inter‐and intra‐organizational strategizing. British Journal of Management, v. 27, n. 1, p. 77-96, 2016.

BRADFIELD, R.; CAIRNS, G.; WRIGHT, G. Teaching scenario analysis—An action learning pedagogy. Technological Forecasting and Social Change, v. 100, p. 44-52, 2015.

CARDOSO, A. L. J.; KATO, H. T. Análise das publicações sobre capacidades dinâmicas entre 1992 e 2012: discussões sobre a evolução conceitual e as contribuições dos autores de maior notoriedade na área. Revista de Administração Mackenzie, v. 16, n. 3, p. 201-237, 2015.

CARVALHO, F. de M.; KAYO, E. K.; MARTIN, D. M. L. Tangibilidade e intangibilidade na determinação do desempenho persistente de firmas brasileiras. RAC, v. 14, p. 871-889, 2010.

CIRANI, C. B. S.; SILVA, H. H. M. da; CAMPANARIO, M. de A. A evolução do ensino da pós-graduação estrito senso em administração no Brasil. RAC, v. 16, n. 6, p. 765-783, 2012.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR – CAPES. Documento de área: Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo. Disponível em: http://www.capes.gov.br/. Acesso em: 16 fev.2019.

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR – CAPES. Proposta de aprimoramento do modelo de avaliação da PG: documento final da Comissão Nacional de Acompanhamento do PNPG 2011-2020 – 10/10/2018. Disponível em: http://www.capes.gov.br/. Acesso em: 22 jan.2019.

FRANCO, D. S.; PAIVA, K. C. M. de; HELMOND, S. de C. Possibilidades e desafios para uma abordagem andragógica no ensino em administração e Contabilidade. Revista ADM.MADE, v.19, n.3, p.16-33, 2015.

GHEMAWAT, P. A estratégia e o cenário dos negócios. Porto Alegre: Bookman, 2007.

GODET, M. Future memories. Technological Forecasting and Social Change, v. 77, n. 9, p. 1457-1463, 2010.

GOODWIN, P.; WRIGHT, G. Enhancing strategy evaluation in scenario planning: a role for decision analysis. Journal of Management Studies, v. 38, n. 1, p. 1-16, 2001.

GRANT, R. M. Strategic planning in a turbulent environment: evidence from the oil majors. Strategic Management Journal, v. 24, n. 6, p. 491-517, 2003.

HADDAD, C. R.; CATAPAN, A.; SILVA, F. da; MALDONADO, M. U. Dinâmica de sistemas e prospecção de cenários: uma revisão da literatura. FUTURE, v. 9, n. 3, p. 93-125, 2017.

HEINZEN, D. A. de M. Alinhamento entre formulação e implementação da estratégia em Instituição de Ensino Superior, Tese (Doutorado em Administração e Turismo), Univalí, 2015, 202 pg.

HEINZEN, D. A. de M.; MARINHO, S. V. Alinhamento entre formulação e implementação da estratégia em instituições de ensino superior no Brasil. Organizações em Contexto, v. 15, n. 29, p. 279-322, 2019.

HICKS, D.; GIDLEY, J. Futures education: Case studies, theories and transformative speculations. Futures, v. 44, n. 1, p. 1-3, 2012.

HODGKINSON, G. P.; HEALEY, M. P. Toward a (pragmatic) science of strategic intervention: Design propositions for scenario planning. Organization Studies, v. 29, n. 3, p. 435-457, 2008.

ITHNIN, F.; SAHIB, S.; ENG, C. K.; SIDEK, S.; HARUN, R. N. S. R. Mappingthe futures of malaysianhigher education: a meta – analysis of futures studies in the Malaysian higher educations cenario. Journal of Futures Studies, v. 22, n. 3, p. 1-18, 2018.

LINDGREN, M.; BANDHOLD, H. Scenario planning. Palgrave, 2003.

MACCARI, E. A. et al. A gestão dos programas de pós-graduação em administração com base no sistema de avaliação da Capes. Revista de Gestão USP, v. 16, n. 4, p. 01-16, 2009.

MACCARI, E. A.; LIMA, M. C.; RICCIO, E. L. Uso do Sistema de Avaliação da CAPES por Programas de Pós-Graduação em Administração no Brasil. RCA, v. 11, n. 25, p. 68-96, 2009.

MACCARI, E. A.; RICCIO, E. L.; MARTINS, C. B. A influência do sistema de avaliação da AACSB na gestão dos programas de pós-graduação stricto sensu em Administração nos Estados Unidos. Revista Eletrônica de Administração, v. 19, n. 3, p. 738-766, 2013.

MAGGS, P.; CHELIN, J. Scenario planning for an uncertain future? Case study of the restructuring of the academic services team at UWE Library. Library Management, v. 34, n. 8/9, p. 664-676, 2013.

MARCIAL, E. C.; GRUMBACH, R. J. S. Cenários prospectivos: como construir um futuro melhor. 4.ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002.

MARTINS, C. B. et al. Utilização da Resource Based-View no desempenho dos programas de pós-graduação stricto sensu em administração, ciências contábeis e turismo no Brasil: um estudo dos programas no período de 2001 a 2009. Anais..., EnANPAD,37,Rio de Janeiro, 2013.

MIRANDA, G. J.; CASA NOVA, S. P. de C.; CORNACCHIONE JR, E. B. Ao mestre com carinho: relações entre as qualificações docentes e o desempenho discente em contabilidade. Revista Brasileira de gestão de Negócios, v. 15, n. 48, p. 462-481, 2013.

MOORCROFT, S. Scenario based strategy – Navigate the future. Foresight, v. 17, n. 5, p. 542-542, 2015.

MORITZ, G. de O. et al. A Pós-graduação brasileira: evolução e principais desafios no ambiente de cenários prospectivos. Future Studies Research Journal, v. 5, n. 2, p. 3-34, 2013.

MORITZ, G. de O.; NUNER, R.; PEREIRA, M. F. Os métodos de prospecção de cenários e sua aplicação nas organizações: um estudo de caso no período 1998-2008. Revista de Administração da FACES, v. 7, n. 2, p. 68-83, 2008.

MORITZ, G. de O.; PEREIRA, M. F. Planejamento de cenários: a evolução do pensamento prospectivo. Revista Ciências da Administração, v. 7, n. 13, p. 1-20, 2005.

MORITZ, M. O. Perspectivas e tendências das universidades públicas gratuitas de Santa Catarina. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, 2012.

OLIVEIRA, O.; FORTE, S. A indústria bancária brasileira: construindo cenários prospectivos e identificando as estratégias de utilização mais provável. RPBG, p. 64-77, 2009.

OLIVEIRA, O. V. de; FORTE, S. H. A. C. Estratégias e ferramentas competitivas das MPEs na região Nordeste. Revista da Micro e Pequena Empresa, v. 8, n. 2, p. 18-37, 2014.

OLIVEIRA, O. V. de; FORTE, S. H. A. C. Identificação dos recursos competitivos de utilização mais provável pela indústria bancária brasileira de 2008 a 2012. RAUSP, v. 46, n. 3, 2011.

PATRUS, R.; SHIGAKI, H. B.; DANTAS, D. C. Quem não conhece seu passado está condenado a repeti-lo: distorções da avaliação da pós-graduação no Brasil à luz da história da Capes. Cadernos EBAPE. BR, v. 16, n. 4, p. 642-655, 2018.

POLESI, A. Cenários para o Brasil no futuro. Estudos Avançados, v. 20, n. 56, p. 1-7, 2006.

PORTER, M. E. Competitive strategy: techniques for analyzing industries and competitors. New York: Free Press, 1980.

RAM, C.; MONTIBELLER, G.; MORTON, A. Extending the use of scenario planning and MCDA for the evaluation of strategic options. JORS, v. 62, n. 5, p. 817-829, 2011.

RIECKMANN, M. Future-oriented higher education: which key competencies should be fostered through university teaching and learning? Futures, v. 44, n. 2, p. 127-135, 2012.

SANTOS, G. E. de O.; REJOWSKI, M. Comunicação científica em turismo no Brasil: análises descritivas de periódicos nacionais entre 1990 e 2012. RBTUR, v. 7, n. 1, p. 149-167, 2013.

SANTOS, J. E. A. dos; CÂNDIDO, G. A. Estrutura de governança em arranjos produtivos locais: uma aplicação no arranjo calçadista no município de Campina Grande/PB. Anais..., Encontro de Estudos em Estratégia, 4, Bento Gonçalves, 2013.

SAURIN, R.; RATCLIFFE, J. Using an adaptive scenarios approach to establish strategies for tomorrow's workplace. Foresight, v. 13, n. 4, p.46-63, 2011.

SOUSA, J. R. de; FORTE, S. H. A. C.; OLIVEIRA, O. V. de. Recursos estratégicos no cenário 2009/2015 das IESS particulares da região nordeste do Brasil. RIAE, v. 11, p. 91-119, 2012.

VIEIRA, A. R.; VIANA, A. B. N.; ZABALZA, M. Propostas de melhoria para a formação docente dos programas de pós-graduação stricto sensu em administração. Anais..., XL EnANPAD, Costa do Sauipe, 2016.

WEISS, L. A. S. et al. Cenários: uma análise da produção científica brasileira entre1980 e 2016. Future Studies Research Journal, v. 9, n. 2, p. 116-139,2017.

WERNERFELT, B. A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, v. 5, n. 2, p. 171-180, 1984.

WILKINSON, A.; KUPERS, R.; MANGALAGIU, D. How plausibility-based scenario practices are grappling with complexity to appreciate and address 21st century challenges. Technological Forecasting and Social Change, v. 80, n. 4, p. 699-710, 2013.

WRIGHT, G.; GOODWIN, P. Decision making and planning under low levels of predictability: Enhancing the scenario method. International Journal of Forecasting, v. 25, n. 4, p. 813-825, 2009.

Downloads

Publicado

2020-09-01

Edição

Seção

Artigos