Os desdobramentos do PROIES em uma universidade comunitária: uma teoria fundamentada para o campo da gestão universitária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1983-4535.2021.e75026

Palavras-chave:

Gestão Universitária, Avaliação Institucional, Grounded Theory

Resumo

O objetivo deste estudo foi desenvolver uma teoria substantiva sobre os desdobramentos da regulação no contexto de uma Universidade Comunitária Catarinense que aderiu ao PROIES. Para isso, sob a ótica de Strauss e Corbin (2008), utilizou-se a estratégia metodológica da Grounded Theory, considerando as entrevistas e as análises documentais como técnicas de coleta de dados e os gestores do processo de adesão, como sujeitos da pesquisa. Os resultados relevaram seis elementos um conjunto de categorias, propriedades e dimensões que contribuem para explicar o fenômeno que, integradas a hipótese fundamental da teoria, contribuem para o desenho de um esquema teórico que sustentam o processo em investigação. As conclusões do estudo mostram que a adesão ao PROIES proporcionou o desenvolvimento de novas competências institucionais, traduzidas em novos processos e novos comportamentos nas pessoas, materializadas em um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes, consideradas, portanto, como os principais desdobramentos da regulação no contexto em estudo.

Biografia do Autor

Thiago Henrique Almino Francisco, Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina (EGC/UFSC). Mestre, pelo Programa de Pós-Graduação em Administração Universitária da Universidade Federal de Santa Catarina (PPGAU/UFSC). Especialista em Gestão de Pessoas e Competências Organizacionais e Bacharel em Administração pela Faculdade de Ciências Econômicas da Região Carbonífera. Atualmente é Coordenador do Setor de Avaliação Institucional, do Grupo de Estudos em Metodologias Ativas e Professor do Departamento de Administração, ambos vinculados a Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC). Atua como pesquisador, atualmente vinculado ao Instituto de Estudos e Pesquisas em Administração Universitária (INPEAU) e ao Núcleo de Observação em Gestão, Aprendizagem e Pessoas (NEOGAP), ambos vinculados à Universidade Federal de Santa Catarina. Também é pesquisador do Grupo de Estudos sobre Universidades (GEU), vinculado a Universidade do Extremo Sul Catarinense. Tem experiência em temas relacionado a avaliação institucional (SINAES), regulação da educação superior e gestão acadêmica, com foco nos impactos do CPC nos Projetos Pedagógicos e dos impactos do IGC no PDI. Desde 2007, desenvolve atividades técnicas relacionadas com a gestão acadêmica, gestão da avaliação institucional e coordenações de curso, colaborando na formulação de estratégias voltadas para o ENADE. Em 2015 participou do Banco Nacional da Itens (BNI/INEP), trabalhando na construção de itens para a área da Administração. É docente de graduação e pós-graduação, preconizando temas vinculados com a área da administração estratégica, gestão do conhecimento, inovação, metodologia científica e temas emergentes vinculados à área da gestão da educação superior.

Paulo Cristiano de Oliveira, Centro Paula Souza: São Paulo, São Paulo

Doutor em Engenharia e Gestão do Conhecimento pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre em Administração (UFRGS). Bacharel em Informática (UNISINOS). * * Pesquisador do Grupo de Estudos e Observação de Gestão, Aprendizagem e Pessoas (NEOGAP) do PPGEGC/UFSC. * * Professor de ensino superior no Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS) e na Universidade São Judas Tadeu (USJT). * * Avaliador ad hoc de periódicos e eventos científicos. * * Experiência na orientação de iniciação científica, com inúmeras produções relacionadas à essas pesquisas. * * Áreas de investigação: (1) tecnologia da informação: sistemas de gestão corporativa e novos modelos de negócios disruptivos; (2) gestão do conhecimento: compartilhamento, gestão da inovação e gestão de projetos; (3) educação a distância: gestão de e-learning e learning management systems; (4) métodos de pesquisa: pesquisa qualitativa, grounded theory, design science research e design thinking. * * Projeto de pesquisa aprovado no processo seletivo do PIBITI CPS/CNPq (Modalidade Iniciação Tecnológica ? IT), edição 2019/2020

Referências

BANDEIRA-DE-MELLO, Rodrigo.; CUNHA, Cristiano. Operacionalizando o método da grounded theory nas pesquisas em estratégia: técnicas e procedimentos de análise com apoio do software ATLAS/TI. In: Encontro de Estudos em Estratégia, 2003, Curitiba. Anais... Curitiba, 2003.

BECKER, S. Adams et al. NMC horizon report: 2017 higher education edition. The New Media Consortium, 2017.

BRASIL, Lei nº 12.688, de 18 de julho de 2012. Autoriza a Centrais Elétricas Brasileiras S.A. (Eletrobras) a adquirir o controle acionário da Celg Distribuição S.A. (Celg D); institui o Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento das Instituições de Ensino Superior (Proies); altera as Leis nos 3.890-A, de 25 de abril de 1961, 9.718, de 27 de novembro de 1998, 10.637, de 30 de dezembro de 2002, 10.887, de 18 de junho de 2004, 10.833, de 29 de dezembro de 2003, 11.033, de 21 de dezembro de 2004, 11.128, de 28 de junho de 2005, 11.651, de 7 de abril de 2008, 12.024, de 27 de agosto de 2009, 12.101, de 27 de novembro de 2009, 12.429, de 20 de junho de 2011, 12.462, de 4 de agosto de 2011, e 12.546, de 14 de dezembro de 2011; e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12688.htm. Acesso em: 02/04/2015.

BRASIL. Decreto No 5.773 de 9 de maio de 2006. Dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação de instituições de educação superior e cursos superiores de graduação e seqüenciais no sistema federal de ensino. Acesso em 10/04/2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/Decreto/D5773.htm. 2006.

BRASIL. Lei No 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases para a educação nacional. Acesso em 10/04/2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. 1996.

CRESWELL, J. W. C. Research design: qualitative, quantitative, and mixed methods approaches. London: Sage, 2003.

DALKIR, Kimiz. Knowledge Management in Theory and Practice. Boston: Elsevier, 2005.

DAVENPORT, Thomas H; PRUSAK, Laurence. Conhecimento Empresarial. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DENZIN, N.; LINCOLN, Y. The sage handbook of qualitative research. London: Sage, 2005.

DEY, Ian. Grounding grounded theory: guidelines for qualitative inquiry. San Diego, USA: Academic Press, 1999.

FRANCISCO, Thiago Henrique Almino. Análise das ações que confirmam a relação entre IGC e o PDI: Um estudo em Faculdades Isoladas no sul de Santa Catarina. Dissertação 186 fls. Programa de Pós-Graduação (Mestrado Profissional) em Administração Universitária da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. 2012.

FRANCISCO, Thiago Henrique Almino. O desdobramento do PROIES em uma Universidade Comunitária: uma teoria fundamentada na Grounded Theory. Tese 399 fls. Programa de Pós-Graduação (Doutorado) em Engenharia e Gestão do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. 2017.

FRANCISCO, Thiago Henrique Almino; NAKAYAMA, Marina Keiko; SOUZA, Izabel Regina de; COLOMBO, Tiago Comin. O PROIES como um instrumento de colaboração: por onde compreender os desafios? ANAIS. Simpósio Avaliação da Educação Superior. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 2015.

FRANCISCO, Thiago Henrique Almino; VEFAGO, Yuri Borba; FERREIRA, Eliane Duarte. Inovar ou morrer? Uma reflexão sobre a influência da educação a distância em cursos presenciais na formação em Administração. Anais. 29º Encontro Nacional dos Cursos de Graduação em Administração. São Paulo. 2018.

GONÇALVES, Lukelly Fernanda Amaral. A autoavaliação na Universidade de Brasília: entre a proposta do SINAES e o sinais da prática. Dissertação. 248 fls. Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília. Brasília. 2016.

GRIBOSKI, Claudia Maffini; FUNGHETTO, Suzana Schwerz. SINAES e a qualidade da educação. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 7, n. 12, p. 49-63, jan./jun. 2013.

HORA, Paola Matos da. Sentidos e significados do Índice Geral de Cursos na regulação da qualidade da educação superior. Dissertação 242 fls. Programa de Pós-Graduação (Mestrado) em Educação da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília. Brasília. 2013.

MORAES, Mario César Barreto. 503 dúvidas para você tirar sobre a educação superior no Brasil. Florianópolis. Nanquim. 2018.

MORHY, Lauro (Org.). Universidade em questão. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2003.

NONAKA, Ikujiro.; TAKEUCHI, Hirotaka. The Knowledge Creating Company. Oxford University Press, 1995.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. 2 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

OLIVEIRA, Paulo Cristiano. Teoria substantiva dos fatores que influenciam a utilização do AVA na gestão da educação a distância em uma Universidade Pública. 398 fls. (Tese). Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. 2016.

OLIVEIRA, Paulo Cristiano; KANAYAMA, Marina Keiko. Substantive theory of Learning management system (LMS): The e-learning management experience in a brazilian public university. 14h International conference on information systems & technology management – Contecsi 2017.

O'SHEA, R. P.; ALLEN, T. J.; MORSE, K. P.; O'GORMAN, C.; ROCHE, F. Delineating the anatomy of an entrepreneurial university: The Massachusetts Institute of Technology experience. R & D Management, v. 37, n. 1, p. 1-16, 2007.

RANGEL, Susana Salun. Educação superior: o papel da união e a garantia de qualidade do ensino. Tese (413 fls). Programa de Pós-Graduação (Doutorado) em Direito da Universidade de São Paulo. USP. São Paulo. 2012.

ROTHEN, José Carlos. SINAES: Avaliação e regulação – Uma conta que não fecha. ABMES Cadernos 40. Brasília. 2012.

ROTHEN, José Carlos; NASCIUTTI, Fernanda. A educação superior em prova: o perfil da educação superior apresentado pelos resultados do ENADE 2005 e 2006. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 11, n. 32, p. 187-206, jan./abr. 2011.

SILVA, Renata Maldonado da. A implementação do PROIES no Brasil: novas regulações ou velhas práticas. Linhas Críticas, Brasília, DF, v.20, n.42, p. 461-478, mai./ago.2014.

STRAUSS, Anselm; CORBIN, Juliet. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de uma teoria fundamentada. 2.ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

TAROZZI, Maximlliano. O que é a grounded theory: metodologia de pesquisa e de teoria fundamentada nos dados. Petrópolis: Vozes, 2011.

TAVARES, Maria das Graças Medeiros; OLIVEIRA, Maria Antonieta Albuquerque de; SEIFFERT, Otília Maria Lúcia Barbosa. Avaliação da educação superior na revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação: ênfases e tendências. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v. 19, n. 71, p. 233-258, abr./jun. 2011.

URIATE JR., Filemon A. Introduction to Knowledge Management. ASEAN Foundation, Jakarta, Indonesia, 2008.

VERHINE, Robert E. O novo alfabeto do Sinaes: Reflexões sobre o IDD, CPC e IGC. In: DALBEN A.; DINIZ J.; LEAL L.; SANTOS L. Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010, p. 632-650.

Publicado

2021-01-04

Edição

Seção

Artigos