O mundo lá fora: o cinema direto e o novo jornalismo

Julio Bezerra

Resumo


 

A proposta desse artigo é traçar um movimento de aproximação e estranhamento entre o cinema direto e o novo jornalismo americanos. Ambos os movimentos foram fortemente influenciados pela literatura realista de Flaubert, Dickens, e outros; fizeram uso de recursos ficcionais para tratar de fatos e personagens; alimentaram questionamentos éticos; e se afirmavam a partir de uma série de premissas a respeito do “real”. Em uma tentativa de capturar a realidade por meio de novos formatos, jornalistas e cineastas chamaram a atenção para os seus processos e estilos. De um lado, essas experimentações pareciam radicais; mas, do outro, por mais revolucionários que pudessem parecer, os movimentos funcionavam a partir de uma visão conservadora e tradicional do que vem a ser o “real” e a possibilidade de representá-lo.


Palavras-chave


Documentário; Jornalismo; Comunicação

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2010v7n2p424

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons