Uma reflexão teórica sobre o furo de reportagem a partir da lógica de distribuição de conteúdos das agências de notícias nacionais no interior dos conglomerados de mídia

Hebe Maria Gonçalves de Oliveira

Resumo


 

Qual o lugar do 'furo de reportagem' no jornalismo brasileiro contemporâneo? A questão requer primeiramente compreender a especificidade do furo de reportagem como categoria do jornalismo. Tarefa que exige esforços, pois fala-se de sua própria extinção, sem que o mesmo tenha sido investigado com devida atenção. A intenção, portanto, é retirá-lo da condição de 'lugar-comum' para compreendê-lo como categoria do jornalismo. Neste artigo, apresenta-se um conceito de ‘furo de reportagem’, construído a partir da observação empírica do procedimento das agências de notícias nacionais – Estado, Folhapress e O Globo – na lógica de distribuição de conteúdos dos três principais conglomerados de mídia brasileiros.


Palavras-chave


Furo de Reportagem; Agência de Notícia; Conglomerados de Mídia; Jornalismo

Texto completo:

artigo


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2014v11n2p584

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons