O jornalismo internacional entre mudanças e permanências

Luciane Fassarella Agnez

Resumo


 

O jornalismo internacional vive um momento de tensão provocado por transformações que abrangem questões tecnológicas, relacionadas à economia das organizações midiáticas e ao cenário das relações internacionais e dos perfis de cobertura. Pesquisas em países pioneiros neste tipo de noticiário, como Estados Unidos e Inglaterra, mostram uma redução no espaço e no número de profissionais ligados ao setor. No Brasil também são crescentes as críticas à redução do noticiário internacional e a qualidade dessa cobertura. Tudo isso num cenário de globalização e de interdependência entre as nações, quando a noção de cosmopolitismo e de interesse pelo “outro” são fundamentais. Diante disso, o presente artigo analisa as editorias de internacional da Folha de S. Paulo e de O Estado de S. Paulo num intervalo de 20 anos (1993 e 2013), procurando descrever e discutir possíveis mudanças ou permanências no que diz respeito às formas de cobertura, à noticiabilidade, à extensão, às abordagens e às fontes de informação mais recorrentes. 


Palavras-chave


Jornalismo Internacional; Noticiabilidade; Análise de Conteúdo

Texto completo:

artigo


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2015v12n2p314

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons