A crítica que constrói a música: o curioso caso da MPB

Eduardo Vicente

Resumo


A intenção desse artigo é refletir sobre o papel da crítica musical no estabelecimento da MPB como uma “instituição” (NAPOLITANO, 2010). Nesse texto, essa produção crítica, que envolveu intelectuais e artistas de diferentes áreas, é vista como fundamental para a consagração da música popular brasileira enquanto espaço privilegiado de debate político e social. Além disso, ela também legitimou a sua sofisticação estética e a incorporação de elementos da música internacional, sem que isso colocasse em questão seu caráter de música “popular” e “brasileira”. Nesse percurso, o artigo busca retomar a trajetória dessa crítica desde a década de 1940, apontando para algumas de suas características mais significativas.


Palavras-chave


Crítica musical; MPB; Cultura brasileira

Texto completo:

PDF/A

Referências


BASTOS, E. R. Gilberto Freyre e a formação da sociedade brasileira. Tese de Doutorado. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica, 1986.

BRITO, B. R. Bossa Nova. In: CAMPOS, A. Balanço da Bossa e outras bossas. São Paulo: Perspectiva, 1974. p. 17-50

CAMPOS, A. Balanço da Bossa e outras bossas. São Paulo: Perspectiva, 1974.

FRANCESCHI, H. M. A Casa Edison e seu tempo. Rio de Janeiro: Sarapuí, 2002.

GOLDEFEDER, M. Por trás das ondas da Rádio Nacional. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1990.

HOLLANDA, H. B. de. Impressões de viagem: CPC, vanguarda e desbunde 1960/1970. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2004.

MACHADO, A.C. O “lado B” da linha evolutiva: Nelson Gonçalves e a “má” música popular brasileira dos anos 1940 e 1950. Tese de doutorado. Campinas: IA/Unicamp, 2016.

NAPOLITANO, M. Seguindo a canção: engajamento político e indústria cultural na MPB (1959-1969). Versão digital revisada pelo autor disponível em: https://www.academia.edu/3821530/SEGUINDO_A_CANCAO_digital, 2010.

ORTIZ, R. A moderna tradição brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1994.

SALGADO, A. F. Radiodifusão, fator social. Cultura Política, Rio de Janeiro, ano I, no. 6 , p. 79-93, ago. 1941.

SAROLDI, L. C.; MOREIRA, S. V. Rádio Nacional: O Brasil em Sintonia. Rio de Janeiro: Funarte, 1984.

SCHWARZ, R. Cultura e Política, 1964-1969. In: O pai de família e outros estudos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

SOARES, R. L.; VICENTE, E. Não existe fronteira para a minha poesia: diálogos entre a cultura hip hop e a tradição da MPB. In: ALMEIDA, R. e BECCARI, M (org.). Fluxos culturais: arte, educação, comunicação e mídias. São Paulo: Galatea/FEUSP, 2017. p. 55-73.

SOUZA, T. de. Revista da Música Popular: a bossa nova da imprensa musical. In Coleção Revista da Música Popular. Rio de Janeiro: Funarte/Bem-Te-Vi, p. 16-22, 2006.

VELOSO, C. et al. Que caminhos seguir na música popular brasileira. In: Tropicália. COHN S., COELHO, F. (org.). Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2008. p. 17-28

VICENTE, E.; DE MARCHI, L. Por uma história da indústria fonográfica no Brasil 1900-2010: uma contribuição desde a Comunicação Social. Música Popular em Revista 3, n. 1 p. 7-36, 2° semestre de 2014.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2019v16n1p41

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons