A mídia manipula quem tem cabeça fechada: adolescentes periféricos e a crítica ao jornalismo

Juliana Doretto

Resumo


Em pesquisa-ação com jovens do ensino médio, moradores de bairros periféricos e/ou de baixa renda, investigamos como eles criticam o jornalismo brasileiro e de que forma se mantêm informados. O estudo revela distanciamento e desconfiança desse jovem em relação a fontes jornalísticas tradicionais — ainda que reconheçam a sua importância —, mas também a emergência de novas rotinas noticiosas, influenciadas por plataformas digitais. Segundo os grupos focais realizados, o consumo do jornalismo profissional ocorre sobretudo pela TV, por influência de hábitos familiares, e por alguns sites noticiosos. Por iniciativa própria, os jovens recorrem a posts em redes sociais, vídeos no YouTube e consultas a agregadores, para acessar o que eles identificam como “notícias” importantes para o dia a dia, ainda que essas informações nem sempre venham da mídia jornalística tradicional.


Palavras-chave


Notícia; Adolescentes; Crítica

Texto completo:

PDF/A

Referências


BARBOSA, A. F. (Coord.) TIC Kids Online Brasil 2017: pesquisa sobre o uso da internet por crianças e adolescentes no Brasil. São Paulo: CGI.br, 2018.

CÁDIMA, F. R. A Google, o sistema de media e a agregação de informação. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, 35(1), 19-37, 2013.

CARTER, C. The Point of News: Young people, critical news literacy and citizenship. In Children's Media Yearbook 2014. London: Children's Media Foundation, 2014.

CONDEZA, R.; BACHMANN, I.; MUJICA, C. El consumo de noticias de los adolescentes chilenos: intereses, motivaciones y percepciones sobre la agenda informativa. Comunicar, Huelva, 43, 2014.

DORETTO, J. ‘Fala connosco!’: o jornalismo infantil e a participação das crianças, em Portugal e no Brasil. Tese (Doutorado) – Universidade Nova de Lisboa, 2015.

FÁBIO, A. C. O que é ‘pós-verdade’, a palavra do ano segundo a Universidade de Oxford”. Nexo, 16 nov. 2016. Disponível em: . Acesso em 30 jan. 2019.

HARTLEY, J. Juvenation: news, girls and power. In CARTER, C.; BRANSTON, G.; ALLAN, S. (Eds.). News, Gender and Power. London: Routledge, 1998.

KOVACH, B.; ROSENSTIEL, T. Os elementos do jornalismo. São Paulo: Geração Editorial, 2003.

MARTÍN-BARBERO, J. América Latina e os anos recentes: o estudo da recepção em Comunicação social. Sousa, M. W. Sujeito, o lado oculto do receptor. São Paulo: Brasiliense, 2002.

NEWMAN, N. FLETCHER, R.; LEVY, D. A. L.; NIELSEN, R. K. Digital news report. [S.n.]: Reuters Institute for The Study of Journalism, 2016.

PARISER, E. O filtro invisível – o que a internet está escondendo de você. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

PERUZZO, C. Epistemologia e método da pesquisa-ação. Uma aproximação aos movimentos sociais e à comunicação. In: XXV ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS. Anais... Goiânia: Compós, 2016.

TRAQUINA, N. O que é jornalismo. Lisboa: Quimera Editores, 2007.

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2019v16n1p66

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons