Um jornalismo de subjetividade e a sensibilização na formação do jornalista

Caroline Roveda Pilger

Resumo


Este artigo tem como objetivo central refletir sobre a necessidade da inclusão de temáticas sensíveis à alma e à moral humana na formação de jornalistas e a importância da subjetividade na construção das narrativas e produções oriundas desse campo de conhecimento, que é o jornalismo. Para isso, como primeiro objetivo, nos propomos a discutir sobre a importância de uma graduação que proporcione um conhecimento epistemológico, cognitivo e interdisciplinar para o estudante (SANDANO, 2015). Após, refletimos sobre o jornalismo de subjetividade (MORAES, 2015) como possibilidade para um campo, prática e produção mais sensível, humanizada e dialética, que privilegia o Outro, bem como o conhecimento intelectual e interdisciplinar. Para complementar a reflexão e contextualizar as discussões, foi elencado como objeto empírico o livro-reportagem O nascimento de Joicy, de Fabiana Moraes. Essa escolha, portanto, nos revela o segundo objetivo do artigo que é uma breve reflexão sobre a inserção da temática gênero e sexualidade nos currículos dos cursos de jornalismo.


Palavras-chave


Jornalismo de subjetividade; Graduação; Gênero e sexualidade

Texto completo:

PDF/A

Referências


BAUMAN, Zygmunt. Modernidade e ambivalência. Tradução Marcus Penchel, - Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1999.

COSTA, Carlos. A formação do jornalista: olhar crítico e contemporaneidade. [Prefácio]. In: Jornalismo e contemporaneidade: um olhar crítico / Cláudio Coelho, Dimas A. Künsch, José Eugenio de O. Menezes (Organizadores). - São Paulo: Plêiade, 2015. p. 13-34.

HALL, Stuart. O espetáculo do outro. In: HALL, Stuart. Cultura e representação. Rio de Janeiro: Editora Puc-Rio: Apicuri, 2016. Cap. 2 – p. 139- 246.

LOURO, Guacira Lopes. Currículo, gênero e sexualidade – O “normal”, o “diferente” e o “excêntrico”. In. LOURO, Guacira Lopes; NECKEL, Jane; GOELLNER, Silvana Vilodre. (Org.). Corpo, gênero e sexualidade: Um debate contemporâneo na educação. Petrópolis, R.J: Vozes, 2003. p.41 -52.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2003b.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições, v. 19, n. 2 (56) - maio/ago, 2008. p. 17-23.

MEYER, Dagmar Estermann. Gênero e educação: teoria e política. In. LOURO, Guacira Lopes; NECKEL, Jane; GOELLNER, Silvana Vilodre. (Org.). Corpo, gênero e sexualidade: Um debate contemporâneo na educação. Petrópolis, R.J: Vozes, 2003. p.9-27.

MORAES, Fabiana. O nascimento de Joicy – Transexualidade, jornalismo e os limites entre repórter e personagem. Porto Alegre: Arquipélago Editorial, 2015.

SANDANO, Carlos Eduardo. Para além do código digital: o lugar do jornalismo em um mundo interconectado. São Paulo: EduFScar, 2015.

SANDANO, Carlos Eduardo. Por um jornalismo que mereça o Nobel. In: Jornalismo e contemporaneidade: um olhar crítico / Cláudio Coelho, Dimas A. Künsch, José Eugenio de O. Menezes (Organizadores). - São Paulo: Plêiade, 2015a. p. 35-51.

VEIGA, Marcia. Masculino, o gênero do jornalismo: um estudo sobre os modos de produção das notícias. 2010. 250f. [Dissertação]. Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da UFRGS. Porto Alegre, RS, 2010.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2019v16n2p144

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons