Jornalismo, gestão da qualidade e regulação: estudo comparado de 42 corporações de mídia

Danilo Rothberg, Bibiana Alcântara Garrido

Resumo


Nossa pesquisa caracterizou o papel de códigos editoriais e de ética e instrumentos de accountability na gestão de qualidade no jornalismo e verificou sua aplicação no Brasil e Reino Unido, em caráter comparativo. A análise das condições de existência, conteúdo e acesso de políticas de gestão da qualidade editorial de 42 corporações de mídia de ambos os países foi realizada por meio do Sistema Q-Avalia (UFS/CNPq). Os resultados incluem um ranking das corporações estudadas e são comentados à luz de três chaves de interpretação: qualidade como desdobramento de políticas normativas; qualidade como desdobramento da concorrência de mercado; e qualidade como simulacro.


Palavras-chave


Regulação de mídia; Qualidade no jornalismo; Media accountability

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALBUQUERQUE, A. Protecting democracy or conspiring against it? Media and politics in Latin America: A glimpse from Brazil. Journalism, First Published November 4, 2017.

ALBUQUERQUE, A. On models and margins. comparative media models viewed from a brazilian perspective. In: HALLIN, D.; MANCINI, P. (orgs.) Comparing media systems beyond the western world. Cambridge: Cambridge University Press, 2012. p. 72-95.

ANJ. ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS. Maiores jornais do Brasil. Associação Nacional de Jornais, 2014. Disponível em: http://www.anj.org.br/maiores-jornais-do-brasil. Acesso em: 18 mar. 2016.

ANJ. ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS. Programa Permanente de Autorregulação. 2011. Disponível em: https://www.anj.org.br/site/autorre.html. Acesso em 15 out. 2018.

AZEVEDO, F. A. Mídia e democracia no Brasil: relações entre o sistema de mídia e o sistema político. Opinião Pública, v. 12, n. 1, p. 88-113, 2006.

BARB. Monthly viewing data by channel group. Broadcasters’ Audience Research Board. 2016. Disponível em: http://www.barb.co.uk/viewing-data/monthly-viewing-by-channel-group/. Acesso em: 18 mar. 2016.

BBC. The BBC’s journalism after Hutton. The report of the Neil Review Team, 2004. Disponível em http://downloads.bbc.co.uk/aboutthebbc/insidethebbc/ howwework/reports/pdf/neil_report.pdf. Acesso em: 10 mai. 2017.

BERTRAND, C. O arsenal da democracia. Sistemas de responsabilização da mídia. Bauru, SP: EDUSC, 2002.

BRASIL. Decreto-lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Rio de Janeiro, 1967.

BRASIL. Lei nº 7.170, de 14 de dezembro de 1983. Define os crimes contra a segurança nacional, a ordem política e social, estabelece seu processo e julgamento e dá outras providências. Brasília, DF: 1983.

BRASIL. Lei nº 13.188, de 11 de novembro de 2015. Dispõe sobre o direito de resposta ou retificação do ofendido em matéria divulgada, publicada ou transmitida por veículo de comunicação social. Brasília, DF: 2015.

CERQUEIRA, L. Qualidade jornalística: ensaio para uma matriz de indicadores. Série Debates CI Unesco, n. 6, 2010.

CHRISTOFOLETTI, R. Indicadores da qualidade no jornalismo: políticas, padrões e preocupações de jornais e revistas brasileiros. Série Debates CI Unesco, n. 3, 2010.

ETHOS-ANJ. Indicadores Ethos-ANJ de responsabilidade social empresarial para o setor de jornais. São Paulo, SP; Brasília, DF: 2008. Disponível em: http://www.anj.org.br/wp-content/uploads/indicadores_ethos_10ca0.pdf. Acesso em: 10 jul. 2017.

FENGLER, S. et al. How effective is media self-regulation? Results from a comparative survey of European journalists. European Journal of Communication, v. 30, n. 3, p. 249-266, 2015.

FROST, C. The press complaints commission: a study of ten years of adjudications on press complaints. Journalism Studies, v. 5, n. 1, p. 101-114, 2004.

GARDAM; T.; LEVY, D. The price of plurality. Choice, diversity and broadcasting institutions in the digital age. Oxford: Reuters Institute for the Study of Journalism, 2008. Disponível em: https://reutersinstitute.politics.ox.ac.uk/sites/default/files/2017-12/The%20Price%20of%20Plurality.pdf. Acesso em 8 abr. 2017.

GRI. GLOBAL REPORTING INITIATIVE. Media Sector Supplement. 2012. Disponível em: https://www.globalreporting.org/resourcelibrary/G3-1-English-Media-Sector-Supplement-Summary-Guide-QRS.pdf. Acesso em: 5 out. 2018.

GUERRA, J. Sistema de gestão da qualidade aplicado ao jornalismo: uma abordagem inicial. Série Debates CI Unesco, n. 5, 2010.

GUERRA, J. Qualijor – Sistema de Gestão da Produção Jornalística orientado para a qualidade editorial: pesquisa aplicada e de desenvolvimento experimental em jornalismo. E-compós, v. 19, n. 3, p. 1-26, 2016.

GUERRA, J. Q-Avalia – Sistema de Avaliação de Qualidade: uma proposta de inovação, pesquisa aplicada e de desenvolvimento experimental em jornalismo. Contemporânea, v. 15, p. 286-314, 2017. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/contemporaneaposcom/article/view/21508/14490. Acesso em: 5 ago. 2017.

IMPRESS. Regulated publications. 2018. Disponível em: https://www.impress.press/complaints/regulated-publishers.html. Acesso em: 12 out. 2018.

IPSO. INDEPENDENT PRESS STANDARDS ORGANISATION. Editors' Code of Practice. 2017. Disponível em: https://www.ipso.co.uk/editors-code-of-practice/. Acesso em: 12 out. 2018.

IPSO. INDEPENDENT PRESS STANDARDS ORGANISATION. UK Regulated publications. 2018. Disponível em: https://www.ipso.co.uk/complain/who-ipso-regulates/. Acesso em: 12 out. 2018.

ISAS. ISAS MEDIA 9001: 2016. Quality Management Systems: Requirements for the media. 2016. Disponível em: https://www.abu.org.my/images/articles/Legal/articles/ISAS%20MEDIA%209001-2016.pdf. Acesso em: 12 out. 2018.

KANTAR IBOPE MEDIA. Ranking Semanal. Audiência TV – 15 Mercados. Disponível em: https://www.kantaribopemedia.com/ranking-semanal-15-mercado-07032016-a-13032016/. Acesso em: 18 mar. 2016.

LIMA, V. Regulação das comunicações: história, poder e direitos. São Paulo: Paulus, 2011.

MEDIATEL. National newspaper circulations. National newspaper ABCs, February 2016. Mediatel Newsline. Disponível em: http://mediatel.co.uk/newsline/2016/04/22/national-newspaper-circulations-9/. Acesso em: 18 mar. 2016.

MENDEL, T.; SALOMON, E. Liberdade de expressão e regulação da radiodifusão. Série Debates CI Unesco, n. 8, 2011a.

MENDEL, T.; SALOMON, E. O ambiente regulatório para a radiodifusão: uma pesquisa de melhores práticas para os atores-chave brasileiros. Série Debates CI Unesco, n. 7, 2011b.

MOREIRA, S. V. (org.) Indústria da comunicação no Brasil: dinâmicas da academia e do mercado. Rio de Janeiro, RJ: UERJ; São Paulo, SP: Intercom, 2015.

OFCOM. OFFICE OF COMMUNICATIONS. The Ofcom Broadcasting Code. Londres, 2016. Disponível em: https://www.ofcom.org.uk/tv-radio-and-on-demand/broadcast-codes/broadcast-code. Acesso em: 10 mar. 2017.

PRP. PRESS RECOGNITION PANEL. About us. Disponível em: https://pressrecognitionpanel.org.uk/who-we-are/. Acesso em: 10 mai. 2018.

PUDDEPHATT, A. A importância da autorregulação da mídia para a defesa da liberdade de expressão. Série Debates CI Unesco, n. 9, 2011.

ROTHBERG, D. Jornalismo público: informação, cidadania e televisão. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

TOMLINSON QC, H. The new UK model of press regulation. LSE Media Policy Brief 12, March 2014. Disponível em: http://www.lse.ac.uk/media@lse/documents/MPP/LSE-MPP-Policy-Brief-12-The-New-UK-Model-of-Press-Regulation.pdf. Acesso em: 12 out. 2018.

UNITED KINGDOM. Leveson Inquiry. An inquiry into the culture, practices and ethics of the press. London: The Stationery Office, 2012. Disponível em https://www.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/file/270939/0780_i.pdf. Acesso em: 5 mar. 2017.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2019v16n2p85

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons