SEO no jornalismo: títulos testáveis e suas implicações

Thaisa Bueno, Lucas Santiago Arraes Reino

Resumo


Este artigo estuda os títulos jornalísticos nos cibermeios sob a perspectiva dos profissionais que atuam na área em grandes e pequenos veículos do Brasil. Foram entrevistados jornalistas da revista Veja, BuzzFeed, El País Brasil, Zero Hora e Semana Online com o objetivo de entender como as exigências de monitoramento das métricas e estratégias de SEO (Search Engine Optimization) têm transformado a narrativa jornalística, tendo como objeto a produção de títulos das matérias. O estudo busca entender como essa luta por engajamento interfere na escrita e edição dos títulos, bem como refletir sobre como os jornalistas enxergam essa interposição e seu impacto no que se entende por jornalismo de qualidade, pautado na orientação-base de informar, a partir da perspectiva dos jornalistas submetidos a essa mudança.


Palavras-chave


Títulos; SEO; Jornalismo; Métricas; Qualidade

Texto completo:

PDF/A

Referências


ADGHIRNI, Zélia Leal; RIBEIRO, Gilseno de Souza Nunes. Jornalismo online e identidade profissional do jornalista.In: Encontro Nacional da COMPÓS. Anais. DF: Universidade de Brasília, 2011. Disponível em :http://www.compos.org.br/data/biblioteca_1214.pdf. Acesso em: 30 jul. 2018.

ALVES, Rosental Calmon. Performance em Ciberjornalismo: tecnologia, inovação e eficiência. In: BUENO, Thaísa, et al. Performance em ciberjornalismo. Tecnologia, inovação e eficiência. Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2017.

AMARAL, Luiz de. Técnica de jornal e periódico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1986.

AMERICAN PRESS INSTITUTE. Who sharedit?: HowAmericans decide what news totruston social media.2017. Disponível em:< http://mediainsight.org/PDFs/Trust%20Social%20Media%20Experiments%202017/MediaInsight_Social%20Media%20Final.pdf>. Acessoem: 9 de jun. de 2017.

ANDERSON, C.W. Blowing up the newsroom: ethnography in an age of distributed journalism. In: DOMINGO, D., PATERSON, C. (orgs.) Making Online News. New York: Peter Lang, 2011.

ANDERSON, C.W. Beyond journalism in the present tense [online]. In: NiemanLab, 2014. Disponível em: http://www.niemanlab.org/2014/12/beyond-journalism-in-the-present-tense/. Acessoem: 9 de jun. de 2017.

ANDERSON, C.W. Newsroom Ethnography and Historical Context. In: ANDERSON, C.W.; BOCZKOWSKI, P. (orgs.). Remakingthe News. The MIT Press, 2017.

ANTUNES, Antonio Paulo. Jornalismo mensurado: uma investigação sobre os impactos dos sistemas de medição de audiência em sites de notícias. 2017, 254 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social, PUC-RS, Rio Grande do Sul.

BAHIA, Juarez. Jornal, história e técnica: as técnicas do jornalismo. São Paulo: Ática, 1974.

BARBOSA, Susana. Convergência jornalística em curso: as iniciativas para integração das redações no Brasil. In: RODRIGUES, Carla (org). Jornalismo online: modos de fazer. Rio de Janeiro: Editora Sulina e PUC-Rio, 2009.

BARSOTTI, Adrian. Extra! Extra! As origens da primeira página moderna no jornalismo brasileiro. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XXXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Rio de Janeiro, RJ – 4 a 7/9/2015 . sem pagina. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2015/resumos/R10-2787-1.pdf.

BERTOLINI, Jeferson. O título da notícia na internet: funções clássicas e impactos na leitura e na compreensãodo texto. Revista Ciência em Curso. Palhoça, SC, v. 3, n. 2, jul./dez. 2013, p.255-254.

BUENO, Thaísa, REINO, Lucas Santiago. O que muda e o que permanece nos títulos dos jornais na internet?. Trabalho apresentado no 8° Congresso Internacional de Ciberjornalismo. Anais. Mato Grosso do Sul, 2017a. Disponível em: . Acesso em: 20 de mai. 2018.

BUENO, Thaísa, REINO, Lucas Santiago. O lead nos títulos jornalísticos: um estudo comparado entre os jornais Folha de S. Paulo e Estado de São Paulo. Rumores. São Paulo (SP), v.11, n. 22, julh-dez, p. 323-340, 2017b.

BUENO, Thaísa, REINO, Lucas Santiago. Entre a tabloidização e o teaser publicitário: uma análise dos títulos caça-cliques. Revista Observatório. Palmas, v. 1, n. 3, mai.-jun., p 675-707. 2018A. Disponível em: . Acesso em: 20 de mai. 2018a.

BUENO, Thaísa, REINO, Lucas Santiago. Rastros de navegação deixados pelos leitores do principal ciberjornal do Mato Grosso do Sul: análise de dez anos do Campo Grande News. Rizoma, Santa Cruz do Sul, v. 6, n. 2, p. 136-155, jul. 2018b. ISSN 2318-406X. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2019. doi:https://doi.org/10.17058/rzm.v6i2.12405.

BUZZ FEED BRASIL. Sobre. Disponível em: https://www.buzzfeed.com/about.

CASTELLS, Manuel. A galáxia da Internet. São Paulo: Jorge Zahar Editor, 2003.

CANAVILHAS, João. Novos atores na redação: como muda o jornalismo?. In: BUENO, Thaísa, et al. Performance em ciberjornalismo. Tecnologia, inovação e eficiência. Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2017.

CANAVILHAS, João; LUNA, Diogenes; LUNA, Vitor. Da audiência presumida á audiência real: influencia das métricas nas decisões de editorias dos jornais online. Revista Mediapolis. v2. N.1, p. 133-149. 2016.

COMASSETTO, Leandro Ramirez. As razões do título e do lead: uma abordagem cognitiva da estrutura da notícia. Concórdia: UnC, 2003.

CORREA, Elizabeth., &BERTOCCHI, Daniela. (2012). The Cybercultural Scene in Contemporary Journalism: Semantic Web, Algorithms, Applications and Curation.MATRIZes, 5(2), 123-144. https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v5i2p123-144

DOUGLAS, Joaquim. Jornalismo: a técnica do título. São Paulo: Agir, 1966.

EL PAÍS. Breve história do El País. Disponível em: https://elpais.com/especiales/2006/30aniversario/index.html.

FRANCISCATO, Carlos Eduardo. Inovações tecnológicas e transformações no jornalismo com as redes digitais. Revista Geintec: Gestão, Inovação e Tecnologias, v. 4, n. 4, pp. 1329-1339, 2014.

FRAGA, Bruno Navarros. A relação histórica entre o jornalismo e a publicidade. Trabalho apresentado no GT História do Jornalismo do 3º Encontro Centro-Oeste de História da Mídia. Anais. 23 a 24 de jul. Campo Grande-MS, 2016. Disponíel em: file:///C:/Users/Taisa/Downloads/A%20relacao%20historica%20entre%20o%20jornalismo%20e%20a%20publicidade%20(1).pdf. Acesso em: 10. Jan. 2019.

GOMES, Thiago Barros; COSTA, Grace Soraes. Caça-cliques no jornalismo:5 padrões de títulos para atrair leitores no Facebook. Temática.Porto Alegre, n. 07, p. 60-75, julho. 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2017.

HUBSPOT. O declínio do alcance orgânico do Facebook e como superar o algoritmo. 2018. Disponível em: https://br.hubspot.com/blog/marketing/declinio-alcance-organico-facebook. Acesso em: 5 fev. 2019.

MARQUES DE MELO, José Marques de. A opinião no jornalismo brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1985.

MEDINA, Cremilda. Notícia um produto à venda. São Paulo: Summus, 1988.

MEDINA, Jorge Bomfim. Gêneros jornalísticos: repensando a questão. Revista Simpolium. São Paulo, v.1, nº 1. jan.-jun. 2001.

MORETZSOHN, Silvia. O suicídio do jornalismo. Observatório da Imprensa. São Paulo, ed. 847, abr., 2015. Disponível em: < http://observatoriodaimprensa.com.br/imprensa-em-questao/o-suicidio-do-jornalismo/ >. Acesso em: 20 mai. 2017.

MOUILLAUD, Maurice. O título e os títulos. In: MOUILLAUD, Maurice; PORTO, Sergio. (Org.). O Jornal: da forma ao sentido. Brasília: UnB, 2002.

NAPOLI, Phillip. Audience Evaluation: New Technologies and the Transformation of Media Audiences. New York: Columbia University Press, 2010.

NGUYEN, An. O julgamento da notícia na cultura “caça- clique”: o impacto das métricas o jornalismo e sobre os jornalistas. Revista Parágrafo.v. 4, n.2, p. 88-101. 2016.

PAVLIK, John. A Tecnologia Digital e o Jornalismo: as implicações para a Democracia. BrazilianJournalismResearch. V. 7, Nº 1, p. 94-118, 2011.

PEÇANHA, Vitor. Guia completo do redador da Web. Rockcontent: São Paulo, 2014. Disponível em: . Acessoem: 22 abr. 2017.

QUINN, Stephen. Convergent Journalism: an introduction. Burlington, 2005.

REINO, Lucas. A rastreabilidade como característica do ciberjornalismo. In: Simpósio Internacional de Ciberjornalismo. 5°. 2014. Campo Grande/Mato Grosso. Anais. [s/n] 1-11. 2014. Disponível em: http://www.ciberjor.ufms.br/ciberjor5/files/2014/07/lucas-reino.pdf. Acesso em: 03/06/2018.

REVISTA VEJA. Os 50 anos de VEJA: uma linha do tempo. Disponível em: https://veja.abril.com.br/brasil/os-50-anos-de-veja-uma-linha-do-tempo/.

SOUSA, Jorge Pedro. Elementos de Jornalismo Impresso. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2005.

SCHWINGEL, Carla. Historicidade, terminologia e conceito de ciberjornalismo. São Paulo: Paulinas, 2012.

TANDOC Jr, E. Journalism is twerking? How web analytics is changing the process of gatekeeping. In New Media & Society, 16 (4), p. 559-575, 2014.

TANDOC, E. C., & Thomas, R. J. The ethics of web analytics. Digital Journalism, v. 3, n. 2, p. 243–258, 2015.

TurowJ .Audience construction and culture production: Marketing surveillance in the digital age. The Annals of the American Academy of Political and Social Science 597(1): 103.

VIEIRA, Lívia de Souza; CHRISTOFOLETTI, Rogério. Métricas, ética e “cultura do clique” no jornalismo online brasileiro: o caso de resistência do nãofo.de. Estudos de jornalismo,n.º 5, v. 1. Florianópolis, SC, 2015.

VIEIRA, Lívia de Souza. Métricas editoriais no jornalismo online: ética e cultura profissional na relação com audiências ativas. 2018, 393 f. Tese (doutorado em Jornalismo). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.

ZERO HORA. Nossas Marcas. Disponível em: http://www.gruporbs.com.br/atuacao/zero-hora/.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2019v16n2p98

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons