Hora do intervalo:

a evolução do espaço de publicidade no rádio sob a ótica regulatória

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-6924.2020v17n2p45

Palavras-chave:

Rádio, Comercial, Regulação

Resumo

O presente artigo relata e analisa a evolução do percentual de tempo dedicado à publicidade no rádio brasileiro sob o ponto de vista legal. Compreende o período que se iniciou em 1917 e permanece até os dias atuais, no qual os limites entre conteúdos editoriais e comerciais mostram-se cada vez mais tênues. Emprega o método de análise documental à luz de Bardin (2011) e vale-se das visões de Lopes (1957, 1970) e de Chagas (2012) no âmbito da história política da radiodifusão, de Reis (2008) e de Ferraretto (2015) sobre formatos comerciais e de Kischinhevsky (2016) no que tange à expansão do rádio em múltiplas plataformas. Conclui que a forma como a legislação brasileira estabelece a carga comercial de uma emissora carece de modificação, a fim de se adequar ao processo de convergência midiática.

Biografia do Autor

Fernando Morgado, Faculdades Integradas Hélio Alonso

Mestre em Gestão da Economia Criativa pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM-Rio), professor das Faculdades Integradas Hélio Alonso e coordenador-adjunto do Núcleo de Estudos de Rádio (NER) da UFRGS.

Referências

ARGENTINA. Lei nº 26.522, de 10 de outubro de 2009. Regúlanse los Servicios de Comunicación Audiovisual en todo el ámbito territorial de la República Argentina. Boletín Oficial de la República Argentina. Buenos Aires, 10 out. 2009. Disponível em: <http://www.infoleg.gob.ar/>. Acesso em: 8 fev. 2019.

AVELAR, Kamilla; PRATA, Nair. O branded content no rádio corporativo: a história da Rádio Themis. In: Encontro Nacional de História da Mídia, 11, 2017, São Paulo. Anais... São Paulo: Alcar, 2017.

BARDIN, Laurance. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Decreto nº 3.296, de 10 de julho de 1917. Declara serem da exclusiva competência do Governo Federal os serviços radiotelegráfico e radiotelefônico no território brasileiro. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Rio de Janeiro, 10 jul. 1917. Disponível em: <http://www.camara.leg.br>. Acesso em: 27 jan. 2019.

BRASIL. Decreto nº 16.657, de 5 de novembro de 1924. Aprova o regulamento dos serviços de radiotelegrafia e radiotelefonia. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Rio de Janeiro, 5 nov. 1924. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br>. Acesso em: 31 jan. 2019.

BRASIL. Decreto nº 20.047, de 27 de maio de 1931. Regula a execução dos serviços de radiocomunicações no território nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Rio de Janeiro, 27 mai. 1931. Disponível em: <http://www.camara.leg.br>. Acesso em: 27 jan. 2019.

BRASIL. Decreto nº 21.111, de 1 de março de 1932. Aprova o regulamento para a execução dos serviços de radiocomunicação no território nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Rio de Janeiro, 1 mar. 1932. Disponível em: <http://www.camara.leg.br>. Acesso em: 27 jan. 2019.

BRASIL. Decreto nº 24.655, de 11 de julho de 1934. Dispõe sobre a concessão e a execução dos serviços de radiodifusão e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Rio de Janeiro, 11 jul. 1934. Disponível em: <http://www.camara.leg.br>. Acesso em: 27 jan. 2019.

BRASIL. Decreto nº 50.450, de 12 de abril de 1961. Regula a projeção de películas cinematográficas e a propaganda comercial através das emissoras de televisão e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 12 abr. 1961. Disponível em: <http://www.senado.leg.br>. Acesso em: 31 jan. 2019.

BRASIL. Decreto nº 52.795, de 31 de outubro de 1963. Aprova o Regulamento dos Serviços de Radiodifusão. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 31 out. 1963. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br>. Acesso em: 27 jan. 2019.

BRASIL. Decreto nº 88.067, de 26 de janeiro de 1983. Altera dispositivos do Regulamento dos Serviços de Radiodifusão, aprovado pelo Decreto nº 52.795, de 31 de outubro de 1963. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 26 jan. 1983. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br>. Acesso em: 8 fev. 2019.

BRASIL. Lei nº 4.117, de 27 de agosto de 1962. Institui o Código Brasileiro de Telecomunicações. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 27 ago. 1962. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br>. Acesso em: 27 jan. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.294, de 15 de julho de 1996. Dispõe sobre as restrições ao uso e à propaganda de produtos fumígeros, bebidas alcoólicas, medicamentos, terapias e defensivos agrícolas, nos termos do § 4° do art. 220 da Constituição Federal. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 15 jul. 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br>. Acesso em: 8 fev. 2019.

CALMON, João. Minhas bandeiras de luta. Brasília: Fundação Assis Chateaubriand, 1999.

CARDOSO, Tom; ROCKMANN, Roberto. O marechal da vitória: uma história de rádio, TV e política. São Paulo: A Girafa, 2005.

CARVALHO, Tuta. Ninguém faz sucesso sozinho: bastidores dos anos de ouro da TV Record e da Jovem Pan. São Paulo: Escrituras, 2009.

CHAGAS, Genira. Radiodifusão no Brasil: poder, política, prestígio e influência; São Paulo: Atlas, 2012.

CLARK, Walter. O campeão de audiência: uma autobiografia. São Paulo: Best Seller, 1991.

COSTELLA, Antonio F. Legislação da comunicação social: curso básico: jornalismo, publicidade, relações públicas, rádio e TV, editoração, cinema. Campos de Jordão: Mantiqueira, 2002.

FERRARETTO, Luiz Artur. De 1919 a 1923, os primeiros momentos do rádio no Brasil. Revista Brasileira de História da Mídia, São Paulo: Associação Brasileira de Pesquisadores de História da Mídia, v.3, n.1, p. 11-21, jan./jun. 2013.

FERRARETTO, Luiz Artur. Rádio: teoria e prática. São Paulo: Summus, 2014.

FERRARETTO, Luiz Artur. Uma proposta de periodização para a história do rádio no Brasil. Revista de Economía Politica de las Tecnologias de la Información y de la Comunicación, São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe, v. 14, n. 2, mai./ago. 2012.

FERRARETTO, Luiz Artur; MORGADO, Fernando. Mercado em acomodação: uma proposta conceitual para compreender a concorrência em rádio e TV hoje. Comunicação & Sociedade, São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, v. 40, n. 3, p. 241-268, set./dez. 2018.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

JAMBEIRO, Othon. Regulando a TV: uma visão comparativa no Mercosul [recurso eletrônico]. Salvador: EDUFBA, 2000.

KISCHINHEVSKY, Marcelo. Rádio e mídias sociais: mediações e interações radiofônicas em plataformas digitais de comunicação. Rio de Janeiro: MauadX, 2016.

LOPES, Saint-Clair. Fundamentos jurídico-sociais da radiodifusão. Rio de Janeiro: Editora Nacional de Direito, 1957.

LOPES, Saint-Clair. Radiodifusão hoje. Rio de Janeiro: Temário, 1970.

MASSARO, Carlos. ABERT apresenta panorama da radiodifusão ao ministro Marcos Pontes em Brasília. Tudoradio.com, Curitiba, 9 fev. 2019. Disponível em: <https://tudoradio.com/noticias/ver/21085-abert-apresenta-panorama-da-radiodifusao-ao-ministro-marcos-pontes-em-brasilia>. Acesso em: 11 fev. 2019.

PEDIGREE desenvolve estação de rádio para cachorros. Exame, São Paulo, 15 jun. 2015. Disponível em: <https://exame.abril.com.br/marketing/pedigree-desenvolve--estacao-de-radio-para-cachorros/>. Acesso: 10 fev. 2019.

PINHEIRO, Antônio Alex. Aspectos regulatórios de radiodifusão: Brasil e Argentina. Curitiba: Prismas, 2016.

REIS, Clóvis. Propaganda no rádio: os formatos de anúncio. Blumenau: Edifurb, 2008.

SILVA, Júlia Lúcia de Oliveira Albano da. Rádio: oralidade mediatizada. São Paulo: Annablume, 1999.

TELECO. Rádio no Brasil. São José dos Campos, 28 jun. 2018. Disponível em: <http://www.teleco.com.br/radio.asp>. Acesso em: 11. fev. 2019.

THE public and broadcasting. Federal Communications Commission, Washington, dez. 2018. Disponível em: <https://www.fcc.gov/media/radio/public-and-broadcasting>. Acesso em: 3 mar. 2019.

WIZIACK, Julio. Dilma quer acabar com aluguel de horário na TV. Folha de S. Paulo, São Paulo, 3 jun. 2012, Poder, p. A4.

Downloads

Publicado

2020-12-18