Rádio que parla d´amore:

memórias do amor e de um país imaginado como romântico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-6924.2020v17n2p114

Palavras-chave:

programas radiofônicos, historiografia do rádio no Brasil, Parlando d`Amore

Resumo

Este artigo apresenta o programa radiofônico Dick Danello Parlando d´Amore que permaneceu no ar de 1981 a 2016 em emissoras paulistas. O programa pode ser compreendido como documento que integra a memória radiofônica brasileira e revela um gênero pouco estudado, programas para imigrantes e seus descendentes. O artigo objetiva analisar esta linguagem composta por cartas de ouvintes, seleção musical, a linguagem do performer Dick Danello. Teorias do rádio, da escuta e dos afetos que apontam a relevância do sentido da audição e dos vínculos entre performer e ouvinte para a experiência radiofônica assim como estudos sobre o amor e a canção romântica fundamentam teoricamente o trabalho. Entrevistas e consultas a documentos de arquivo também compõem o percurso metodológico. Espera-se demonstrar a importância das vinculações amorosas para a construção da (s) memória(s) que programas voltados à comunidade de imigrantes italianos produziram ao longo da história do rádio brasileiro.

Biografia do Autor

Mônica Rebecca Ferrari Nunes, Escola Superior de Propaganda e Marketing

Docente e Pesquisadora do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Comunicação e Práticas de Consumo, PPGCOM-ESPM, SP, desde 2012. Líder do Grupo de Pesquisa MNEMON, Memória, Comunicação e Consumo (CNPq/ESPM).

Referências

BALSEBRE, A. El linguaje radiofónico. Madri: Cátedra, 2004.

BARTHES, R. Fragmentos de um discurso amoroso. Rio de Janeiro: F. Alves, 1984.

BERTONHA, J. F. Os italianos. São Paulo: Contexto, 2005.

BONIN, Jiane A. Mídia e memórias: explorações sobre a configuração dos palimpsestos midiatizados de memória étnica italiana. Comunicação, Mídia e Consumo. São Paulo, v. 6, n. 15, p. 83-102, mar. 2009.

GIDDENS, A. A transformação da intimidade. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 2011.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

LIMA, G. A programação musical no rádio paulistano. In: Simpósio Nacional de História contra os preconceitos: história e democracia, 29, 2017, Brasília, DF. Anais Eletrônicos. Brasília: Universidade de Brasília, 2017. Disponível em: https://www.snh2017.anpuh.org/resources/anais/54/1502748811_ARQUIVO_ArtigoANPUH.pdf Acesso em: 04 set. 2019.

LACAN, J. O seminário, livro 11. Os quatro conceitos fundamentais em Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

LOTMAN, I. La semiosfera, vol. 1. Madrid: Cátedra Editorial, 1996.

MAGALHÃES, V. Imigração em São Paulo e a memória das canções italianas. Cadernos CERU, 23(2), 127-140, 2013. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ceru/article/view/56981. Acesso em: 25 ago. 2019.

MATURANA, H; VERDEN-ZÖELLER, G. Amor y Juego. Fundamentos olvidados de lo humano. Santhiago: JC-Sáez editor, 2003.

MENEZES, E. Cultura do ouvir: os vínculos sonoros da contemporaneidade. Líbero: revista acadêmica/ Programa de Pós Graduação, Faculdade Casper Líbero – v. 11, n. 21, p 111-118, junho 2008.

MORAES, J. G. V. Rádio e música popular nos anos 30. Revista de História 140, p.75-93, 1999. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/18875. Acesso em: 10 ago. 2019.

NUNES, M. R. F. Fado-Fagulha: Memória e singularidade nas mídias sonoras. In: VALENTE, H. (org.) Trago o fado nos sentidos: cantares de um imaginário atlântico. São Paulo: Letra e Voz, 2013, p. 212-226.

NUNES, M. R. F. O mito no rádio: a voz e os signos de renovação periódica. São Paulo: Annablume, 1999.

PASSERINI, L. A memória entre a política e a emoção. São Paulo: Letra e Voz, 2011.

PEREIRA, S. L. Matrizes e mediações das canções românticas na América Latina. In: ULHÔA, M.; PEREIRA, S. L. (orgs). Canção Romântica: intimidade, mediação e identidade na América Latina. Rio de Janeiro: Folio Digital: Letra e Imagem, 2016, p. 25-46.

PESSOA, S. C. O empoderamento sutil do ouvinte no radiojornalismo: os desafios de uma cultura além da escuta. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 39, 2016, São Paulo. Anais Eletrônicos. São Paulo: USP, 2016. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2016/resumos/R11-0428-1.pdf. Acesso em: 5 ago. 2019.

ROSE, S. La mémoire. Paris: Seuil, 1994.

ROSE, S. O cérebro do século XXI. São Paulo: Globo, 2006.

SPATARO, C. Esa canción cuenta mi historia de amor: mujeres, música romântica y procesamiento social de las emociones. In: ULHÔA, Martha; PEREIRA, Simone L. (orgs). Canção Romântica: intimidade, mediação e identidade na América Latina. Rio de Janeiro: Folio Digital: Letra e Imagem, 2016, p. 71 - 93.

TREHUB, S. E. The developmental origins of musicality. Nature Neuroscience, 6, 2003, Jul;6(7): 669-73. Disponível em: https://www.utm.utoronto.ca/infant-child-centre/sites/files/infant-child-centre/public/shared/sandra-trehub/008.pdf . Acesso em: 29 ago. 2019.

VALENTE, H. (org.) A canção romântica no Brasil dos "anos de chumbo": Paisagens sonoras e imaginário na cultura midiática. São Paulo: Letra e Voz, 2018.

WATZLAWICK, P. et al. Pragmática da comunicação humana. São Paulo: Cultrix, 1993.

WULF, C. O ouvido. Revista Ghrebh, n. 9. São Paulo, março de 2007, p.56-67. Disponível em: http://cisc.org.br/portal/jdownloads/Ghrebh/Ghrebh-%209/07_wulf.pdf> Acesso em: 29 ago. 2019.

ZAREMBA, L. Um ouvido por um olho. In: XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom). Anais. São Paulo, 2016. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2016/trabalhos.htm Acesso em: 15 ago. 2019.

Downloads

Publicado

2020-12-18