Inovação na tradição:

a migração do AM para o FM como fator de renovação do rádio brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-6924.2020v17n2p22

Palavras-chave:

inovação, tradição, rádio

Resumo

Em um ecossistema midiático cada vez mais moldado por algoritmos e plataformas, o rádio é o meio analógico que permanece relevante na sociedade. Em parte, o sentido de permanência se deve à capacidade de integração e adaptação às inovações tecnológicas sem romper com sua tradição. O presente artigo analisa o maior processo de revitalização do AM local na América Latina a partir da migração de emissoras brasileiras para a faixa de FM. Trata-se de uma inovação não disruptiva que evitou o desparecimento de centenas de emissoras que estavam estagnadas e isoladas no ambiente midiático multiplataforma, devido a baixa qualidade de som do AM, perda de audiência e anunciantes. O estudo revela cautela das migrantes quanto à renovação da programação, contratação de pessoal ou adesão a uma rede nacional. A maioria remodelou apenas parte dos programas para não perder seu público tradicional, mas investiu na ampliação dos canais de interação da audiência para aproveitar as potencialidades das redes sociais. A migração proporcionou melhor qualidade de som para o desgastado AM, permitiu o aumento e diversificação da audiência e alargou o potencial para se obter maior parcela do bolo publicitário.

Biografia do Autor

Nélia R. Del Bianco, Universidade de Brasilia e Universidade Federal de Goiás

Doutora em Comunicação pela USP, com estágio de pós-doutorado na Universidade de Sevilha. Professora dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação das Universidades de Brasília e Federal de Goiás.

Nair Prata, Universidade Federal de Ouro Preto

Doutora em Linguística Aplicada pela UFMG, com estágio de pós-doutorado na Universidade de Navarra. Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Ouro Preto.

Referências

ASTLES, C. Tradição e inovação: provocações. Urdimento, v.2, n.32, p. 48-55, Setembro 2018.

BADARÓ, G. C. De cama, mesa e banho: uma etnografia de rendas e bordados do enxoval da casa brasileira. Rio de Janeiro: EBA/UFRJ (Dissertação de Mestrado), 2000.

BIANCO, N.R. D. Processo de implantação do rádio digital no Brasil: um debate inacabado. In ZUCULOTTO, V.; LOPES, D.; KISCHINHEVSKY, M. Estudos Radiofônicos no Brasil — 25 anos do Grupo de Pesquisa Rádio e Mídia Sonora da Intercom. São Paulo: Intercom, 2016.

BOLTER, Jay David e GRUSIN Richard. Remediation: Understanding new media. Cambridge: The MIT Press, 1999.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 8.139, de 7 de Novembro de 2013. Brasília, 8 nov. 2013. Disponível em: << http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/decreto/d8139.htm >>. Acesso em: 15 mai. 2015.

CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estrategias para entrar y salir de la modernidad. Buenos Aires: Sudamericana, 1995.

CHARAUDEAU, P. Le discours d´information médiatique: la construction du miroir social. Paris: Nathan, 1997.

CHRISTENSEN, C. The Innovator's Dilemma: When New Technologies Cause Great Firms to Fail. Brighton: Harvard Business Review Press, 1997.

COSTA, G.; NOLETO, P. Chamada à ação: manual do radialista que cobre educação. Brasília: projeto Nordeste/Unicef, 1997.

DIGILABOUR. A Sociedade da Plataforma: entrevista com José van Dijck. Março de 2019. Disponível em: <<https://digilabour.com.br/2019/03/06/a-sociedade-da-plataforma-entrevista-com-jose-van-dijck/>> Acesso em: 21 out. 2019.

FANUCCHI, M. O rádio de Brecht – setenta anos depois. Revista USP, São Paulo (34):125-133, junho/agosto 1997.

FERRARETTO, L. A. Rádio: o veículo, a história e a técnica. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2000.

FREIRE, A. Inovação: novos produtos, serviços e negócios para Portugal. Editorial Verbo: Lisboa, 2000.

GIMENES, N. O que é Plataformização? Saiba como Competir na Era das Plataformas Digitais. Sensedia. 19 janeiro de 2018. Disponível em: <<https://sensedia.com/negocios-digitais/o-que-e-plataformizacao/>>. Acesso em 21 out. 2019.

IFT - Instituto Federal de Telecomunicaciones del México. Comunicado 80/2017 de 16.06.2017. Disponível em <<http://www.ift.org.mx/comunicacion-y-medios/comunicados-ift/es/el-ift-autoriza-41-cambios-de-frecuencias-de-am-fm-diversas-estaciones-de-radio-asi-como-la-prorroga>>. Acesso em 01 ago. 2017.

JENKINS, H.; FORD, S.; GREEN, J. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

KOCHHANN, R.; FREIRE, M.; LOPEZ, D. Rádio: convergência tecnológica e a evolução dos dispositivos. VIII Encontro Nacional de História da Mídia, 2011. Guarapuava, Paraná.

LANGLEY, P.; LEYSHON, A. Platform capitalism: the intermediation and capitalisation of digital economic circulation. Finance and society, 3(1), 2017.

LIN, H., & MCDONOUGH, E. F. Investigating the role of leadership and organizational culture in fostering innovation ambidexterity. IEEE Transactions on Engineering Management, 58(3), 497-509, 2011. doi: 10.1109/TEM.2010.2092781

MANUAL DE OSLO - Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. OECD, 3ª ed, 1997.

MAVONDO, F., & FARRELL, M. Cultural orientation: its relationship with market orientation, innovation and organizational performance. Management Decision, 41(3), 241-249, 2003. doi: 10.1108/00251740310468054

MCLUHAN, M. A Galáxia de Gutenberg. São Paulo: CEN, 1972.

MCLUHAN, M. McLuhan por McLuhan – entrevistas e conferencias inéditas. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005.

MCLUHAN, M. Os meios de Comunicação como extensões do homem. São Paulo: Cultrix, 1969.

NIEBORG, D. B.; POELL, T. The platformization of cultural production: Theorizing the contingent cultural commodity. New Media & Society, April 25, 2018. https://doi.org/10.1177/1461444818769694

ORTIZ, R. A moderna tradição brasileira. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988.

PRATA, N. Webradio – novos gêneros, novas formas de interação. Florianópolis: Insular, 2009.

PRATA, N; BIANCO, N. R. D. Migração do rádio AM para o FM – avaliação de impacto e desafios frente à convergência tecnológica. Florianópolis: Insular, 2018.

SCHUMPETER, J. The Theory of Economic Development. Harvard University Press, Cambridge Massachusetts, 1934.

SCHUMPETER, J. Business Cycles: A Theoretical, Historical, and Statistical Analysis of the Capitalist Process. Eastford: Martino Publishing, 2014.

SHIEH, C., & WANG, I. A study of the relationships between corporate core competence, management innovation and corporate culture. The International Journal of Organizational Innovation, 2(3), 395-411, 2010.

SODRÉ, M. Antropológica do espelho. Petrópolis: Vozes, 2013.

SUSANJ, Z. Innovative climate and culture in manufacturing organizations: differences between some European countries. Social Science Information, 39(2), 349-361, 2000. doi: 10.1177/053901800039002011

TUAN, L. T., & VENKATESH, S. Organizational culture and technological innovation adoption in private hospitals. International Business Research, 3(3), 144-153, 2010. doi: 10.5539/ibr.v3n3p144

VALENCIA, J. C. N., VALLE, R. S., & JIMÉNEZ, D. J. Organizational culture as determinant of product innovation. European Journal of Innovation Management, 13(4), 466-480, 2010. doi: 10.1108/14601061011086294

VERÓN, E. Esquema para el análisis de la mediatización. Revista Diálogos de la Comunicación, n.48, Lima: Felafacs, 1997.

VILELLA, M. Inovação, mercado e perspectivas para 2019. AERP. Disponível em: << https://aerp.org.br/associados/inovacao-mercado-e-perspectivas-para-2019/>>. Acesso em: 21 out. 2019.

WESTWOOD, R., & LOW, D. R. The multicultural muse: culture, creativity and innovation. International Journal of Cross Cultural Management, 3(2), 235-259, 2003. doi: 10.1177/14705958030032006

WU, T. Império da Comunicação – do telefone à internet, da AT&T ao Google. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

ZAIRI, M., & AL-MASHARI, M. Developing a sustainable culture of innovation management: a perspective approach. Knowledge and Process Management, 12(3), 190-202, 2005. doi: 10.1002/kpm.229

Downloads

Publicado

2020-12-18