Violência de gênero e violência sexual em abordagens jornalísticas para ampliação do conhecimento

Autores

  • Maria Clara Aquino Universidade do Vale do Rio dos Sinos/Pesquisadora e docente do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-6924.2021.75246

Palavras-chave:

violência de gênero, violência sexual, jornalismo

Resumo

O crescimento da violência sexual está relacionado com outros tipos de violên- cia, como a violência de gênero. A 13a edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública mostrou que a cada quatro horas uma menina menor de 13 anos é vítima de violência sexual no Brasil. A maioria é negra e o agressor é normalmente um conhecido. Os dados também mostram aumento do número de assassinatos de LGBTI+. Este artigo faz uma análise de conteúdo das matérias sobre o Anuário e mostra como a conexão entre violência de gênero e violência sexual é exposta à sociedade. O objetivo é avaliar como o jornalismo pode contribuir para pro- duzir conhecimento sobre conceitos relacionados ao assunto que são de baixa compreensão no âmbito social. São visíveis, no conteúdo analisado, brechas de contextualização sobre os dois tipos de violência. Os dados contidos no relatório são pouco explorados, impedindo que os leitores compreendam não só as origens como também as formas de combate e prevenção dessas violências.

Biografia do Autor

Maria Clara Aquino, Universidade do Vale do Rio dos Sinos/Pesquisadora e docente do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação

Pesquisadora e docente do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Doutora e mestre em Comunicação e Informação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 

Referências

ACAYABA, Cíntia; REIS, Thiago. País tem recorde nos registros de estupros; casos de injúria racial aumentam 20%. G1, São Paulo, 10 setembro 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2019/09/10/pais-tem-recorde-nos- registros-de-estupros-casos-de-injuria-racial-aumentam-20percent.ghtml.Acesso em: 25 mar. 2021.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letra- mento, 2018.

ALVES, Schirlei. Julgamento de influencer Marina Ferrer termina com tese inédita de ‘estupro culposo’ e advogado humilhando jovem. The Intercept Brasil, [s.l.], 3 novembro 2020. Disponível em: https://theintercept.com/2020/11/03/influenc- er-mariana-ferrer-estupro-culposo/. Acesso em: 25 mar. 2021.

AMORIM, Daniel. Amazonas registra aumento de casos de violência contra mul- her. A Crítica, Manaus, 11 setembro 2019. Disponível em: https://www.acritica. com/channels/cotidiano/news/amazonas-registra-aumento-de-casos-de-violen- cia-contra-mulher. Acesso em: 25 mar. 2021.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BLAKE, Jamilia J.; EPSTEIN, Rebecca. Listening do Black Women and Girls: Lived Experiences of Adultification Bias. Georgetown Law Center on Powerty and Inequality. Initiative on Gender Justice & Oportunity. 2017. Disponível em: https://www.law.georgetown.edu/poverty-inequality-center/wp-content/up- loads/sites/14/2019/05/Listening-to-Black-Women-and-Girls.pdf. Acesso em: 20 mai. 2021.

COELHO, Dalila, et. al. Violência contra mulher em portais de notícias: (des)con- tinuidades narrativas na cobertura jornalística. In: LEAL, Bruno S.; CARVALHO, Carlos A. de; ANTUNES, Elton. Um problema cotidiano [recurso eletrônico]: jor- nalismo e violência contra mulher no Brasil. Belo Horizonte: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, 2020.

COSTA, Gilberto. Estupro bate recorde e maioria das vítimas é de meninas até 13 anos. Agência Brasil, Brasília, 10 setembro 2019. Disponível em: http://agencia- brasil.ebc.com.br/geral/noticia/2019-09/estupro-bate-recorde-e-maioria-das-viti- mas-sao-meninas-de-ate-13-anos. Acesso em: 25 mar. 2021.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo Editorial, 2016.

FACHINNI, Regina; FERREIRA, Carolina B. C. Feminismos e violência de gênero no Brasil: apontamentos para o debate. Ciência e Cultura, Campinas, v. 68, n. 3, p. 4-5, jul./set. 2016. doi:10.21800/2317-66602016000300002.

FACURI, Cláudia de O. et al. Violência sexual: estudo descritivo sobre as vítimas e o atendimento em um serviço universitário de referência no Estado de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 29, n. 5, p. 889–898, 2013. doi:10.1590/S0102-311X2013000500008.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2019. ISSN 1983-7364, ano 13, 2019. Disponível em: http:// www.forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2019/10/Anuario-2019-FI- NAL_21.10.19.pdf. Acesso: 25 mar. 2021.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 2012. 296p.

GORTÁZAR, Naiara Galarraga. A cada hora quatro meninas com menos de 13 anos são estupradas no Brasil. El País, São Paulo, 11 setembro 2019. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/09/10/politica/1568134128_017016. html. Acesso em: 25 mar. 2021.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 1997.

HOLLANDA, Heloisa B. de. Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloni- ais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020.

LEAL, Bruno S.; CARVALHO, Carlos A. de; ANTUNES, Elton. Um problema cotidiano [recurso eletrônico]: jornalismo e violência contra mulher no Brasil. Belo Horizonte: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, 2020.

LEMES, Hélio. Quatro meninas com menos de 13 anos são estupradas a cada hora no Brasil. Diário da Manhã, Goiânia, 7 novembro 2019. Disponível em: https:// www.dm.com.br/cotidiano/2019/11/quatro-meninas-com-menos-de-13-anos- sao-estupradas-a-cada-hora-no-brasil/. Acesso em: 25 mar. 2021.

LOURO, Guacira L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estru- turalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

MARTINELLI, Andréa. Recorde de estupros no Brasil escancara negligência com crimes de violência sexual. HuffPost Brasil, São Paulo, 15 setembro 2019. Disponível em: https://web.archive.org/web/20200920213452/https:/www.huff- postbrasil.com/entry/violencia-sexual-dados-estupro_br_5d7c00b0e4b077dcb- d5e0acb. Acesso em: 30 maio 2021.

MATHIAS, Maíra; TORRES, Raquel. O novo recorde de violência sexual. Outras Palavras, São Paulo, 11 setembro 2019. Disponível em: https://outraspalavras.net/ outrasaude/recorde-de-violencia-sexual/. Acesso em: 25 mar. 2021.

Miskolci, Richard; Campana, Maximiliano. “Ideologia de gênero”: notas para a ge- nealogia de um pânico moral contemporâneo. Sociedade e Estado, Brasília, v. 32, n. 3, p. 725–748, set./dez. 2017. doi:10.1590/s0102-69922017.3203008.

MORAES, Fabiana; SILVA, Marcia V. da. A objetividade jornalística tem raça e gênero: a subjetividade como estratégia descolonizadora. In: XXVIII ENCON- TRO ANUAL DA COMPÓS, 2019, Porto Alegre. XXVIII Encontro Anual da Compós. Anais... PUC-RS, Porto Alegre, 2019. p. 1-21. Disponível em: http:// www.compos.org.br/biblioteca/trabalhos_arquivo_5LFXYWXOMDTM6JSBQB BT_28_7677_20_02_2019_17_55_17.pdf. Acesso em: 25 mar. 2021.

MOUSINHO, Amanda A. Violência de gênero: a percepção social sobre um caso de estupro coletivo por meio da análise dos comentários na página do G1 no Facebook. Cambiassu, São Luís, v. 6, n. 19, p. 34-51, jul./dez. 2016. Disponível em: http://www. cambiassu.ufma.br/cambi_2016.2/violencia.pdf. Acesso em: 25 mar. 2021.

PAUL, Dairan. Fabiana Moraes: “Toda prática jornalística é posicionada e ideológi- ca”. objETHOS, Florianópolis, 19 maio 2020. Disponível em: https://objethos. wordpress.com/2020/05/19/fabiana-moraes-toda-pratica-jornalistica-e-posicio- nada-e-ideologica/. Acesso em: 25 mar. 2021.

RECUERO, Raquel; SOARES, Pricilla. Violência simbólica e redes sociais no face- book: o caso da fanpage “Diva Depressão”. Galáxia, São Paulo, n.26, p. 239-254, dez. 2013. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/ view/14478/13021. Acesso em: 25 mar. 2021.

REDAÇÃO AN. Polícia prende suspeito de estuprar criança de dois anos em Jo- inville. NSC Total/A Notícia, Joinville, 11 setembro 2019. Disponível em: https:// www.nsctotal.com.br/noticias/policia-prende-suspeito-de-estuprar-crianca-de- dois-anos-em-joinville. Acesso em: 25 mar. 2021.

RIBEIRO, Aline. Brasil registrou recorde de casos de estupro em 2018, segundo estudo. O Globo, São Paulo, 10 setembro 2019a. Disponível em: https://oglobo. globo.com/brasil/brasil-registrou-recorde-de-casos-de-estupro-em-2018-segun- do-estudo-23938290. Acesso em: 25 mar. 2021.

RIBEIRO, Aline. Coluna: Sete em cada dez vítimas de estupros em São Paulo são vulneráveis. Época, São Paulo, 1 outubro 2019b. Disponível em: https://epoca.glo- bo.com/coluna-sete-em-cada-dez-vitimas-de-estupros-em-sao-paulo-sao-vulner- aveis-23987689. Acesso em: 25 mar. 2021.

RODRIGUES, Mateus. Brasil teve um estupro coletivo a cada duas horas e meia, em 2016; número cresceu 124% em cinco anos. G1 DF, Brasília, 23 agosto 2017. Disponível em: https://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/brasil-teve-um-estu- pro-coletivo-a-cada-2-horas-e-meia-em-2016-numero-cresceu-124-em-5-anos. ghtml. Acesso em: 25 mar. 2021.

SACHETO, Cesar. Brasil tem quatro meninas de até 13 anos estupradas por hora, diz estudo. R7, São Paulo, 10 setembro 2019. Disponível em: https://noticias. r7.com/sao-paulo/brasil-tem-4-meninas-de-ate-13-anos-estupradas-por-hora- diz-estudo-10092019. Acesso em: 25 mar. 2021.

SANTOS, Marli dos; MARADEI, Anelisa. O caso do estupro coletivo no Twitter. In: XXXIX CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 2016, São Paulo. XXXIX Intercom. Anais... São Paulo, 2016. p. 1-15. Disponível em: http://portalintercom.org.br/anais/nacional2016/resumos/R11-3140-1.pdf. Acesso em: 25 mar. 2021.

SILVA, Marcia V. da. Masculino, o gênero do jornalismo: modos de produção das notícias. Florianópolis: Insular, 2014.

SIMÕES, Nataly. Crianças negras são as maiores vítimas de estupro no Brasil. Yahoo! Notícias/Alma Preta, Bauru, 12 setembro 2019. Disponível em: https://br.noticias. yahoo.com/crian%C3%A7as-estupros-brasil-anuario-violencia-eca-114808204. html. Acesso em: 25 mar. 2021.

WARKEN, Júlia. ‘Inacreditável’ é uma das séries mais relevantes e imperdíveis da Netflix. Claudia, São Paulo, 18 setembro 2019. Disponível em: https://mdemulher. abril.com.br/famosos-e-tv/inacreditavel-e-uma-das-series-mais-relevantes-e-im- perdiveis-da-netflix/. Acesso em: 25 mar. 2021.

Downloads

Publicado

2021-07-05