Fontes científicas em um ecossistema jornalístico: uma nova realidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-6924.2021.e78963

Palavras-chave:

Fontes jornalísticas, Promotores de notícias, Ecossistema jornalístico

Resumo

Este estudo reflete sobre as relações sociais e de poder que contextualizam as fontes de informação científicas, compreendidas aqui como promotores de notícias e potenciais influenciadores digitais. A reflexão sobre os modos como essas transformações se configuram no jornalismo é desenvolvida por meio de uma pesquisa teórico-bibliográfica, baseada no questionamento sobre o papel das fontes de notícias nesses processos. Dois percursos teóricos associados sustentam a discussão do trabalho: de um lado, a emergência de um ecossistema jornalístico; de outro, o entendimento da territorialidade e da temporalidade como fenômenos articulados com ênfase nas modificações na circulação da informação jornalística, condicionamentos emergentes das sociedades contemporâneas.

Biografia do Autor

Victor Israel Gentilli, Universidade Federal do Espírito Santo

Professor titular no departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes. Docente do corpo permanente do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Territorialidades (Ufes). Chefe do departamento de Comunicação Social. Ex-coordenador do colegiado do curso de Jornalismo da Ufes. - Pesquisa a história do jornalismo brasileiro contemporâneo. - - Trabalha com crítica de mídia, em especial a cobertura de políticas públicas. - - Realiza estudos teóricos e empíricos sobre as relações entre jornalismo, direito a informação pública. transparência e accountability e acompanha a implantação da Lei de Acesso a Informação. - Jornalista desde 1975 e professor da Ufes desde 1982. Mestre(1995) e doutor (2003) em Ciências pela ECA-USP. Um dos dez membros do Comitê Organizador que organizou o encontro que resultou na criação em 2003 da Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo - SBPJor e seu primeiro diretor-administrativo. Primeiro proponente (1998) e fundador da Rede Nacional de Observatórios da Imprensa - Renoi (2005). Publicou em 2005 o livro Democracia de Massas: jornalismo e cidadania, pela Edipucrs.

Thalita Mascarelo da Silva, Universidade Federal do Espírito Santo

Formada em Comunicação Social/Jornalismo pela Universidade Federal do Espírito Santo (2017). Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades (PósCom) UFES (2019/1). Integrante do Observatório Saúde na Mídia, Regional-ES que surgiu através do Convênio entre o Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da UFES (PPGSC) e o Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (ICICT/FIOCRUZ), coordenado pelo Laboratório de Comunicação e Saúde (LACES/ICICT/FIOCRUZ). Também integrante do Observatório da Mídia: direitos humanos, políticas, sistemas e transparência, na Comunicação Social (UFES). Experiência na área de Comunicação e Saúde e Jornalismo. 

Referências

ADGHIRNI, Z. L.; PEREIRA, F. H. O jornalismo em tempos de mudanças estruturais. Intexto, Porto Alegre, v. 1, n. 24, p. 38-57, jan./jun. 2011.

ALMEIDA; B. C. A. M. Casamento de conveniência: a relação entre fontes e jornalistas. Comunicação & Informação, Goiânia, v. 13, n. 2, p. 30-40, jul./dez. 2010.

ANDERSON, C. W; BELL, E; SHIRKY, C. Jornalismo pós-industrial: adaptação aos novos tempos. Revista de Jornalismo ESPM, São Paulo, n. 5, ano 2, p. 30-89, abr./jun. 2013.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Editora Perspectiva, 1988.

BARBERO, J. M. Dos meios às mediações: 3 introduções. MATRIZes, São Paulo, v. 12, n. 1, , p. 9-31, jan./abr. 2018.

BRAGA, J. L. Circuitos versus Campos Sociais. In: MATTOS, Maria ngela; JANOTTI JÚNIOR, Jeder; JACKS, Nilda (org.). Mediação e Midiatização. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 31-52.

CARLSON, M. Journalistic epistemology and digital news circulation: Infrastructure, circulation practices, and epistemic contests. New media & society, [s. l.], v. 22, n. 2, p. 230-246, 2020.

CHRISTOFOLETTI, R. A crise do jornalismo tem solução? Barueri: Estação das Letras e Cores, 2019.

DEUZE, M.; WITSCHGE, T. O que o jornalismo está se tornando. Parágrafo, São Paulo, v. 4, n. 2, jul./dez. 2016.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: A Vontade de Saber. Lisboa: Relógio d'água, 1976.

FRANCISCATO, C. E. Tecnologias digitais e temporalidades múltiplas no ecossistema jornalístico. Contracampo, Niterói, v. 38, n. 2, p. 132-146, ago./nov. 2019.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização e as “regiões-rede”. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEÓGRAFOS, 5., 1994, Curitiba. Anais do 5º Congresso Brasileiro de Geógrafos. Curitiba: Associação de Geógrafos Brasileiros, 1994. p. 206-214.

HAESBAERT, R. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

HENRIQUES, R. P. Poder e resistência: o estado e as rádios pirata. Rádio-leituras, Ouro Preto, v. 1, n. 1, p. 83-104, jul./dez. 2010.

LAVADO, T. Uso da internet no Brasil cresce, e 70% da população está conectada. G1, Seção Economia, subseção Tecnologia, [s. l.], 28 ago. 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/economia/tecnologia/noticia/2019/08/28/uso-da-internet-no-brasil-cresce-e-70percent-da-populacao-esta-conectada.ghtml. Acesso em: 20 dez. 2019.

LEMOS, A. Cultura da mobilidade. In: FERLA, Jorge; BEIGUELMAN, Giselle. Nomadismos tecnológicos. São Paulo: Ed. Senac São Paulo, 2011. p. 1-12.

MAARES, P.; HANUSCH, F. Exploring the boundaries of journalism: Instagram micro-bloggers in the twilight zone of lifestyle journalism. Journalism, [s. l.], v. 21, n. 2, p. 262-278, 2018.

MOLOTCH, H; LESTER, M. As notícias como procedimento intencional: acerca do uso estratégico de acontecimentos de rotina, acidentes e escândalos. In: TRAQUINA, Nelson (org.). Jornalismo: questões, teorias e estórias. Lisboa: Vega, 1993. p. 34-51.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

RECUERO, R. Redes Sociais na Internet, Difusão de Informação e Jornalismo: Elementos para discussão. In: SOSTER, D. de A.; FIRMINO, F. (org.). Metamorfoses jornalísticas 2: a reconfiguração da forma. Santa Cruz do Sul: UNISC, 2009. p. 1-269.

REIS, R. Propostas para um programa de estudos sobre Comunicação e territorialidades. In: ZANETTI, D.; REIS, R. (org.). Comunicação e territorialidades: poder e cultura, redes e mídias. Vitória: EDUFES, 2018. p. 22-34.

SAQUET, M. A. Por uma geografia das territorialidades e das temporalidades: uma concepção multidimensional voltada para a cooperação e para o desenvolvimento territorial. 2. ed. Rio de Janeiro: Consequência, 2015.

SCHMITZ, A. A. Fontes de notícias: ações e estratégias das fontes no jornalismo. Florianópolis: Combook, 2011.

SHIRKY, C. The political power of social media: Technology, the public sphere, and political change. Foreign affairs, Nova Iorque, v. 90, n. 1, p. 28-41, 2011.

SILVERSTONE, Roger. Por que estudar a mídia? São Paulo: Loyola, 2002.

STATISTA. Twitter – Statistics & Facts. Industry Internet, topic Social Media & User-Generated Content, [s. l.], 4 mar. 2021. Disponível em: https://www.statista.com/topics/737/twitter/. Acesso em: 12 dez. 2020.

TWITTER. Q1’ 2020 Shareholder Letter. [s. l.], 2020. Disponível em: https://investor.twitterinc.com/home/default.aspx. Acesso em: 12 dez. 2020.

Downloads

Publicado

2022-01-03