América Latina no século XX: revoluções, muralismos, imperialismo e dependência

Roberta Sperandio Traspadini

Resumo


O objetivo deste artigo é apresentar os elementos basilares para entender a arte mural mexicana, passada e presente, como parte integrante do pensamento crítico latino-americano e caribenho do século XX e os impactos de seus ensinamentos para os sujeitos políticos de diversas áreas ao longo da luta de classes século XXI.  O faz a partir de uma revisão histórico-crítica bibliográfica tanto do muralismo como da teoria marxista da dependência (TMD). Coloca em diálogo dois conhecimentos: a arte política engajada do muralismo mexicano e a práxis militante revolucionária da TMD.  Entende o debate da arte política muralista oriundo da escola mexicana como uma fecunda referência de marxismo latino-americano, a partir da centralidade que deu à história das resistências e revoluções como contrapontos à história hegemônica tanto na invasão colonial como em todo período seguinte. Toma como pergunta norteadora: O que o muralismo mexicano tem a nos ensinar no século XXI?


Palavras-chave


Muralismo; Revolução; Imperialismo; Dependência

Texto completo:

PDF/A

Referências


ANGILELI, C. M. De M. M. Paisagens reveladas no cotidiano da periferia. São Paulo: Giostri, 2014.

BAEZ, F. A história da destruição cultural da América Latina. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.

BAMBIRRA, V. O capitalismo dependente latino-americano. Florianópolis: Insular, 2012.

ECHEVERRÍA, B. Definición de cultura. México, D.F.: Itaca: UNAM, 2001.

ECHEVERRÍA, B. La modernidad de lo barroco. México, D.F.: Era, 1998.

ESQUIVEL, M. Estética marxista en América Latina: extensión de la política en el arte y la cultura. La relación David Alfaro Siqueiros y Alberto Híjar. In: Istituto Nacional de Bellas Artes et.al. 30 años 30 herederos teóricos y espacios estéticos: David Alfaro Siqueiros y Alberto Híjar. México: CENIDIAP, 2004. p. 15-21. Disponível em: https://cenidiap.net/biblioteca/addendas/2NE-9-30anos30.pdf Acesso em: 10 ago. 2018.

ESQUIVEL, M. “El artista ciudadano” In: CENIDIAP; TAI. Releer a Siqueiros: ensayos en su centenario. México: CONACULTA, 2000a, p. 33-44.

ESQUIVEL, M. “Utopía, estética y revolución en las vanguardias artísticas de América Latina, 1920-1930”. In: HÍJAR, A. et al. Arte y utopía en América Latina. México: CONACULTA: INBA: CENIDIAP, 2000b. p. 133-147.

GORENDER, J. Escravismo colonial. São Paulo: Editora Ática, 1985.

GUEVARA, C. Apuntes críticos a la Economía Política. Habana: Centro de Estudios Che Guevara: Ocean Sur, 2006.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005.

HARVEY, D. Cidades Rebeldes: do direito às cidades à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

HÍJAR, A. La práxis estética: dimensión estética libertária. México, D.F.: Instituto Nacional de Bellas Artes y Literatura, 2013.

HÍJAR, A. “Los torcidos caminos de la utopía estética”. In: HÍJAR, A. et al. Arte y utopía en América Latina. México: CONACULTA: INBA: CENIDIAP, 2000. p. 11-42.

HÍJAR, A. Ideologia, muralismo y muralismos. México: CENIDIAP: INBA, 2000.

HÍJAR, A. (comp.). Frentes, coaliciones y talleres: grupos visuales en México en el siglo XX. México, D.F.: Casa Juan Pablo, 2007.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Abya Yala. Chakaruna. Rio de Janeiro, 11 jun. 2009. Disponível em: http://hernehunter.blogspot.com/2009/07/entre-america-e-abya-yala.html Acesso em: 12 jun. 2019.

IASI, M. A rebelião, a cidade e a consciência. In: VAINER, C. et al. Cidades rebeldes: passe livre e as manifestações que tomaram as ruas no Brasil. São Paulo: Boitempo: Carta Maior, 2012.

LOWY, M. (org.). Revoluções. São Paulo: Boitempo, 2009.

LOWY, M. (org.). O marxismo na América Latina uma antologia de 1909 aos dias atuais. São Paulo: Perseu Abramo, 1999.

MARCUSE, H. Ética de la revolución. Madrid: Taurus, 1969.

MARCUSE, H. La dimensión estética. Tradução José Francisco Ivars. Barcelona: Materiales, 1978.

MARICATO, E. É a questão urbana, estúpido. In: Cidades rebeldes: passe livre e as manifestações que tomaram as ruas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2012.

MARINI, R. M. Subdesarrollo y revolución. México, D.F.: Siglo Veintiuno, 1969.

MUSACCHIO, H. El taller de gráfica popular. México, D.F.: Fondo de Cultura económico, 2007.

JINKINGS, I. (coord.). Enciclopédia Latino-americana. São Paulo: Boitempo, 2006. Disponível em: http://latinoamericana.wiki.br/apresentacao Acesso em: 12 jun. 2019

SANTOS, M.; BECKER, B. (org.). Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. Rio de Janeiro: UFF, 2002.

SUBIRATS, E. El muralismo mexicano: mito y esclarecimento. Fondo de Cultura Económica, 2018.

TRASPADINI, R.; STÉDILE, J. P. (org.). Ruy Mauro Marini vida e obra. 2. ed. São Pão: Expressão Popular, 2011.




DOI: https://doi.org/10.1590/1982-02592019v22n3p566

R. Katál. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil eISSN: 1982-0259  

Licença Creative Commons Adota a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.