Legado do Congresso da Virada em tempos de conservadorismo reacionário

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n2p199

Palavras-chave:

Congresso da virada, Conservadorismo reacionário, Cultura da crise, Marxismo e protofascismo

Resumo

O tema do artigo em tela é o III Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais (CBAS), quatro décadas depois da sua realização. Duas são as hipóteses que trazemos para o debate: primeira sugere que o principal legado do III CBAS se traduz na nova cultura profissional de horizonte progressista, forjada pela profissão na crise da ditadura de 1964, e que permitiu a elaboração de um projeto profissional comprometido com a emancipação humana; a segunda se refere ao quanto este legado se vê confrontado na conjuntura atual por uma nova fase de dominação burguesa, na qual a difusão de um conservadorismo reacionário, de caráter filo-fascista, é fundamental à implementação, de uma agenda econômica ultraneoliberal no país. 

Biografia do Autor

Ana Elizabete Mota, UFPE - Pernambuco - PE UFRJ - Rio de Janeiro

Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal de Pernambuco (1976), tem mestrado em Serviço Social pela Universidade Federal de Pernambuco (1984), doutorado em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1995) e realizou pós-doutorado na Universidade Federal do Rio de Janeiro(2003). É Professora Titular do Departamento de Serviço Social da Universidade Federal de Pernambuco e desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão, além de orientações de trabalhos de conclusão de curso em nível de Graduação e Pós-graduação (Mestrado e Doutorado). Professosra titular aposentada da UFPE e Visitante Senior da Escola de Serviço Social da UFRJ.

Mavi Rodrigues, Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro- UFRJ

Assistente Social, mestre e doutora em Serviço Social pela UFRJ, professora do Dpartamento de Fundamentos da ESS da UFRJ e presquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas Marxistas (NEPEM).

Referências

ABEPSS. Temporalis. Ano 4, n. 7, jan/jun., Porto Alegre, 2004.

ABRAMIDES M. B. O Projeto ético-político do Serviço Social brasileiro: ruptura com o conservadorismo, São Paulo, Cortez, 2019.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. “Neoconservadorismo e Liberalismo”. In GALLEGO, Esther Solano (org.) O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

BRAGA, Ruy. “O fim do lulismo” In JINKINGS, Ivana et alli (Orgs). Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016.

BRAZ, MARCELO. Para a crítica da crise: diálogos com intelectuais e parlamentares da esquerda em Portugal. Curitiba. Ed Prismas, 2016.

CARAPANÃ. “A nova direita e a normalização do nazismo e fascismo” In GALLEGO, Esther Solano (org.) O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

CARDOSO, Franci. O Serviço Social como totalidade histórica em movimento no Brasil contemporâneo. In: SILVA, M. L. de O. (Org.). Serviço Social no Brasil: história de resistências e rupturas com o conservadorismo. São Paulo: Cortez, 2016.

CONSELHO FEDERAL DE ASSISTENTES SOCIAIS. Anais do Congresso pelo Conselho Federal de Assistentes Social. São Paulo, CFAS, 1980.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Seminário Nacional: 30 anos do Congresso da Virada. CFESS, Brasília, 2012

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Serviço Social a caminho do Século XXI: o protagonismo ético-político do Conjunto CFESS/CRESS. In Serviço Social & Sociedade, N 50, São Paulo, Cortez, I996.

DEMIER F. Crônicas do caminho do caos: democracia blindada, golpe e fascismo no Brasil atual. Rio de Janeiro, Mauad X, 2019, p.15-132.

DEMIER, Felipe; HOELVER, Rejane (Orgs.) A onda conservadora: ensaios sobre os atuais tempos sombrios no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, 2016.

ESCORSIM NETTO, Leila. O conservadorismo clássico: elementos de caracterização e crítica. São Paulo, Cortez Editora, 2011.

FERNANDES, F. Revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Rio da Janeiro: Zahar, 1975.

FERREIRA, Verônica M. Apropriação do tempo de trabalho das mulheres nas políticas de saúde e reprodução social: uma análise de suas tendências. UFPE/CCSA, Departamento de Serviço Social. Recife, 2017 [Tese de Doutorado]

GALLEGO, Esther Solano (org.) O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

GARRART-BURNETT, VIRGINIA. A vida abundante e a teologia da prosperidade na América Latina. In História: questões em debate. Curitiba, N.85, Editora UFPR, 2011.

HARVEY, DAVID. Condição Pós-Moderna, São Paulo, Loyola, 1996.

IAMAMOTO, M. 80 anos do Serviço Social no Brasil: a certeza na frente, a história na mão. In: Serv. Social & Sociedade. n. 128, p.26-27. Jan./abr., São Paulo, 2017.

IAMAMOTO, Marilda Vilela; CARVALHO, Raul de. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil. São Paulo: Cortez, 1982.

IANNI, O. O ciclo da revolução burguesa. São Paulo: Vozes, 1985.

IASI, M. Cinco teses sobre a formação social brasileira (notas de estudo guiadas pelo pessimismo da razão e uma conclusão animada pelo otimismo da prática). In: GRANEMANN, S. (Org.). Teoria Social, Formação Social e Serviço Social: pesquisas marxistas em debate. Coleção Carlos Nelson Coutinho, Volume IV. Rio de Janeiro, Programa de Pós-graduação em Serviço Social, 2018. p.135-157.

ANUNCIAÇÃO DE SOUZA, Jamerson M. Tendências ideológicas do conservadorismo. Recife: PPGSS/UFPE. Tese de Doutorado, 2016.

ANUNCIAÇÃO DE SOUZA.O Significado Social do Conservadorismo para o Serviço Social In AMARO S; CRAVEIRO A (ORGS) VADE MÉCUM: trabalho e instrumentalidade do Serviço Social, Curitiba, Nova Práxis Editorial, 2018, p.37.

JINKINGS, Ivana et alli (Orgs). Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016.

LEITE, Acácio Zuninga; OLIVEIRA, Alfredo Pessoa et ali (orgs.) Brasil: incertezas e submissões. São Paulo: Perseu Abramo, 2019.

MASCARO, Alysson Leandro. “Dinâmica da crise e do golpe: de Temer a Bolsonaro” In Margem esquerda. Nº 32. São Paulo: Boitempo, 2019.

MIGUEL, Luis Felipe. A reemergência da direita brasileira In GALLEGO, Esther Solano (org.) O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

MIGUEL, Luis Felipe. O colapso da democracia: da Constituição ao golpe de 2016. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo/Expressão Popular, 2019.

MOTA, A. E. Cultura da crise e seguridade social: um estudo sobre as tendências da previdência e da assistência social brasileira nos anos 80 e 90. São Paulo: Cortez, 1995.

MOTA, A. E. Serviço Social brasileiro: profissão e área do conhecimento. Katálysis. Florianópolis, v. 16, n. especial, p. 17-27, 2013.

MOTA, A. E. Serviço Social brasileiro: insurgência intelectual e legado político. In: SILVA, M. L. de O. (org.). Serviço Social no Brasil: história de resistências e de ruptura com o conservadorismo. São Paulo: Cortez, 2016, p. 165-182.

MOTA, A. E. 80 anos do Serviço Social brasileiro: conquistas históricas e desafios na atual conjuntura. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 128, p. 39-53, jan./abr. 2017.

MOTA, A. E. De histórias e da memória: José Paulo Netto e a renovação do Serviço Social. In: SOUSA, A. S. de; RODRIGUES, M. O marxismo impenitente de José Paulo Netto. São Paulo: Outras Expressões, 2019. p.185-208.

MOTA, A. E. (org.). Desenvolvimentismo e construção de hegemonia: crescimento econômico e reprodução da desigualdade. São Paulo: Cortez, 2012.

MOTA, A. E. 40 Anos da virada do Serviço Social no Brasil: lições e desafios. In: MEDEIROS E.; NOGUEIRA L; BEZERRA L. (org.). Formação Social e Serviço Social: a realidade brasileira em debate. São Paulo: Outras Expressões, 2019. p.167-177.

PAULO NETTO, J. A crítica conservadora à reconceptualização. Serviço Social & Sociedade, São Paulo: Cortez, n. 5, p.59-75, 1981.

PAULO NETTO, J. A construção do projeto ético-político do Serviço Social. In: MOTA, A. E. et al (org.). Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2009a. p. 141-160.

PAULO NETTO, J. III CBAS: algumas referências para a sua contextualização. Serviço Social & Sociedade, São Paulo: Cortez, n. 100,p. 650-678, 2009b.

PAULO NETTO, J. Capitalismo Monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1992.

Downloads

Publicado

2020-05-15