Legado do Congresso da Virada em tempos de conservadorismo reacionário

Ana Elizabete Mota, Mavi Rodrigues

Resumo


O tema do artigo em tela é o III Congresso Brasileiro de Assistentes Sociais (CBAS), quatro décadas depois da sua realização. Duas são as hipóteses que trazemos para o debate: primeira sugere que o principal legado do III CBAS se traduz na nova cultura profissional de horizonte progressista, forjada pela profissão na crise da ditadura de 1964, e que permitiu a elaboração de um projeto profissional comprometido com a emancipação humana; a segunda se refere ao quanto este legado se vê confrontado na conjuntura atual por uma nova fase de dominação burguesa, na qual a difusão de um conservadorismo reacionário, de caráter filo-fascista, é fundamental à implementação, de uma agenda econômica ultraneoliberal no país. 


Palavras-chave


Congresso da virada; Conservadorismo reacionário; Cultura da crise; Marxismo e protofascismo

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABEPSS. Temporalis. Ano 4, n. 7, jan/jun., Porto Alegre, 2004.

ABRAMIDES M. B. O Projeto ético-político do Serviço Social brasileiro: ruptura com o conservadorismo, São Paulo, Cortez, 2019.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. “Neoconservadorismo e Liberalismo”. In GALLEGO, Esther Solano (org.) O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

BRAGA, Ruy. “O fim do lulismo” In JINKINGS, Ivana et alli (Orgs). Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016.

BRAZ, MARCELO. Para a crítica da crise: diálogos com intelectuais e parlamentares da esquerda em Portugal. Curitiba. Ed Prismas, 2016.

CARAPANÃ. “A nova direita e a normalização do nazismo e fascismo” In GALLEGO, Esther Solano (org.) O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

CARDOSO, Franci. O Serviço Social como totalidade histórica em movimento no Brasil contemporâneo. In: SILVA, M. L. de O. (Org.). Serviço Social no Brasil: história de resistências e rupturas com o conservadorismo. São Paulo: Cortez, 2016.

CONSELHO FEDERAL DE ASSISTENTES SOCIAIS. Anais do Congresso pelo Conselho Federal de Assistentes Social. São Paulo, CFAS, 1980.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Seminário Nacional: 30 anos do Congresso da Virada. CFESS, Brasília, 2012

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Serviço Social a caminho do Século XXI: o protagonismo ético-político do Conjunto CFESS/CRESS. In Serviço Social & Sociedade, N 50, São Paulo, Cortez, I996.

DEMIER F. Crônicas do caminho do caos: democracia blindada, golpe e fascismo no Brasil atual. Rio de Janeiro, Mauad X, 2019, p.15-132.

DEMIER, Felipe; HOELVER, Rejane (Orgs.) A onda conservadora: ensaios sobre os atuais tempos sombrios no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, 2016.

ESCORSIM NETTO, Leila. O conservadorismo clássico: elementos de caracterização e crítica. São Paulo, Cortez Editora, 2011.

FERNANDES, F. Revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. Rio da Janeiro: Zahar, 1975.

FERREIRA, Verônica M. Apropriação do tempo de trabalho das mulheres nas políticas de saúde e reprodução social: uma análise de suas tendências. UFPE/CCSA, Departamento de Serviço Social. Recife, 2017 [Tese de Doutorado]

GALLEGO, Esther Solano (org.) O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

GARRART-BURNETT, VIRGINIA. A vida abundante e a teologia da prosperidade na América Latina. In História: questões em debate. Curitiba, N.85, Editora UFPR, 2011.

HARVEY, DAVID. Condição Pós-Moderna, São Paulo, Loyola, 1996.

IAMAMOTO, M. 80 anos do Serviço Social no Brasil: a certeza na frente, a história na mão. In: Serv. Social & Sociedade. n. 128, p.26-27. Jan./abr., São Paulo, 2017.

IAMAMOTO, Marilda Vilela; CARVALHO, Raul de. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil. São Paulo: Cortez, 1982.

IANNI, O. O ciclo da revolução burguesa. São Paulo: Vozes, 1985.

IASI, M. Cinco teses sobre a formação social brasileira (notas de estudo guiadas pelo pessimismo da razão e uma conclusão animada pelo otimismo da prática). In: GRANEMANN, S. (Org.). Teoria Social, Formação Social e Serviço Social: pesquisas marxistas em debate. Coleção Carlos Nelson Coutinho, Volume IV. Rio de Janeiro, Programa de Pós-graduação em Serviço Social, 2018. p.135-157.

ANUNCIAÇÃO DE SOUZA, Jamerson M. Tendências ideológicas do conservadorismo. Recife: PPGSS/UFPE. Tese de Doutorado, 2016.

ANUNCIAÇÃO DE SOUZA.O Significado Social do Conservadorismo para o Serviço Social In AMARO S; CRAVEIRO A (ORGS) VADE MÉCUM: trabalho e instrumentalidade do Serviço Social, Curitiba, Nova Práxis Editorial, 2018, p.37.

JINKINGS, Ivana et alli (Orgs). Por que gritamos golpe? Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016.

LEITE, Acácio Zuninga; OLIVEIRA, Alfredo Pessoa et ali (orgs.) Brasil: incertezas e submissões. São Paulo: Perseu Abramo, 2019.

MASCARO, Alysson Leandro. “Dinâmica da crise e do golpe: de Temer a Bolsonaro” In Margem esquerda. Nº 32. São Paulo: Boitempo, 2019.

MIGUEL, Luis Felipe. A reemergência da direita brasileira In GALLEGO, Esther Solano (org.) O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

MIGUEL, Luis Felipe. O colapso da democracia: da Constituição ao golpe de 2016. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo/Expressão Popular, 2019.

MOTA, A. E. Cultura da crise e seguridade social: um estudo sobre as tendências da previdência e da assistência social brasileira nos anos 80 e 90. São Paulo: Cortez, 1995.

MOTA, A. E. Serviço Social brasileiro: profissão e área do conhecimento. Katálysis. Florianópolis, v. 16, n. especial, p. 17-27, 2013.

MOTA, A. E. Serviço Social brasileiro: insurgência intelectual e legado político. In: SILVA, M. L. de O. (org.). Serviço Social no Brasil: história de resistências e de ruptura com o conservadorismo. São Paulo: Cortez, 2016, p. 165-182.

MOTA, A. E. 80 anos do Serviço Social brasileiro: conquistas históricas e desafios na atual conjuntura. Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 128, p. 39-53, jan./abr. 2017.

MOTA, A. E. De histórias e da memória: José Paulo Netto e a renovação do Serviço Social. In: SOUSA, A. S. de; RODRIGUES, M. O marxismo impenitente de José Paulo Netto. São Paulo: Outras Expressões, 2019. p.185-208.

MOTA, A. E. (org.). Desenvolvimentismo e construção de hegemonia: crescimento econômico e reprodução da desigualdade. São Paulo: Cortez, 2012.

MOTA, A. E. 40 Anos da virada do Serviço Social no Brasil: lições e desafios. In: MEDEIROS E.; NOGUEIRA L; BEZERRA L. (org.). Formação Social e Serviço Social: a realidade brasileira em debate. São Paulo: Outras Expressões, 2019. p.167-177.

PAULO NETTO, J. A crítica conservadora à reconceptualização. Serviço Social & Sociedade, São Paulo: Cortez, n. 5, p.59-75, 1981.

PAULO NETTO, J. A construção do projeto ético-político do Serviço Social. In: MOTA, A. E. et al (org.). Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2009a. p. 141-160.

PAULO NETTO, J. III CBAS: algumas referências para a sua contextualização. Serviço Social & Sociedade, São Paulo: Cortez, n. 100,p. 650-678, 2009b.

PAULO NETTO, J. Capitalismo Monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1992.




DOI: https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n2p199

R. Katál. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil eISSN: 1982-0259  

Licença Creative Commons Adota a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.