Conservadorismo como instrumento capitalista em tempos de barbárie

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n2p256

Palavras-chave:

Capitalismo, Conservadorismo, Banalização do humano

Resumo

As discussões apresentadas no presente artigo visam oferecer apontamentos críticos para o debate das particularidades da barbárie social em nossa atual conjuntura. O objetivo do estudo tem como pano de fundo as implicações provocadas socialmente com a implantação do capitalismo na busca pela manutenção da ordem vigente hegemônica. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica de natureza qualitativa utilizando autores renomados, além de websites como fonte de embasamento. O mesmo estrutura-se a partir de uma breve análise acerca do capitalismo, posteriormente abordaremos o conservadorismo como instrumento do capital e, por fim, apresentamos algumas de suas expressões na contemporaneidade. O estudo possibilitou apontar que tal fenômeno constrói uma verdadeira barbárie social, compreendida como uma naturalização das expressões da questão social, desprezo por imigrantes, supressão de direitos, antagonismo aos direitos humanos, discriminação de raça, gênero, religião e sexualidade, entre outros, configurando-se uma verdadeira banalização da vida humana.

 

Biografia do Autor

Segislane Moésia Pereira da Silva, Universidade Federal da Paraíba -UFP

Mestranda em Direitos Humanos, Cidadania e Políticas Públicas pela Universidade Federal da Paraíba. Bacharel em Serviço Social pela Universidade Federal de Campina Grande.

Marlene Helena de Oliveira França, Universidade Federal da Paraíba

Profa. Adjunta do Departamento de Habilitação Pedagógica/CE/UFPB. Profa. do PPGDH e vice-coordenadora do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos da UFPB. Coordenadora do Projeto de Pesquisa/CNPq: "Um Estudo Sobre Criminalidade Feminina e Prisão: A Interface com a Violência de Gênero". Avaliadora do INEP/MEC (Curso de Direito e Serviço Social).

Valnise Verás Maciel, Universidade Federal da Paraíba - UFP

Mestranda em Direitos Humanos, Cidadania e Políticas Públicas da Universidade Federal da Paraíba. Graduada em direito pela Associação Paraibana de Ensino Renovado- ASPER.

Referências

AVRITZER, L. Impasses da Democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

BAIREL, M. F. Medo Social: da violência visível ao invisível da violência. São Paulo: Cortez, 2004.

BRASIL, Ministério dos Direitos Humanos. Violência LGBTFóbicas no Brasil: dados da violência. 2018. Disponível em: https://www.mdh.gov.br/biblioteca/consultorias/lgbt/violencia-lgbtfobicas-no-brasil-dados-da-violencia. Acesso em: 11 set. 2019.

BURKE, E. Reflexões sobre a revolução na França. Tradução José Miguel Nanni Soares. São Paulo: Edipro, 2014.

COMPARATO, F. K. Capitalismo: Civilização e poder. Revista Estudos Avançados, vol.25. nº 72. São Paulo. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v25n72/a20v25n72.pdf. Acesso em: 04 set. 2019.

DEMIER, F.; HOEVELER, R. (orgs.). A onda conservadora: ensaios sobre os atuais tempos sombrios no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X, 2016.

DUSSEL, E. 1492: o encobrimento do outro – a Origem do Mito da Modernidade. Petropólis: Editora Vozes, 1993.

FERNANDES. F. Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

IAMAMOTO, M. V. Serviço Social em tempo de capital fetiche. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

IASI, M. L. De onde vem o conservadorismo? 2015. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2015/04/15/de-onde-vem-o-conservadorismo/. Acesso em: 17 set. 2019.

IGLÉSIAS, F. Encontro de duas culturas: América e Europa. Estudos Avançados. 6(14). 1992.

MARX, K. O Capital: crítica da economia política. O processo de produção do capital - v. 1, t.1. São Paulo: Nova Cultural, 1988. v.1. t.1. (Col. Os Economistas).

MÉSZÁROS, I. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. Tradução Paulo Cézar Castanheira, Sergio Lessa. São Paulo: Boitempo, 2002.

NASCIMENTO, M. B. Caça as Bruxas, a História do presente: Uma abordagem sobre o controle do corpo feminino. Disponível em: http://www.ufjf.br/bach/files/2016/10/MONIQUE-BATISTA-DO-NASCIMENTO.pdf. Acesso em: 10 set. 2019.

NETTO, J. P. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

NETTO, J. P. Ditadura e serviço social: uma análise do serviço social no Brasil pós¬ 64. São Paulo: Cortez, 2004.

NOGUES, N. C. A bancada evangélica no poder legislativo brasileiro: os limites ao discurso na democracia. Cadernos da Escola de Direito e Relações Internacionais, Curitiba, 21: 95-105. Disponível em: file:///C:/Users/Segislane/Downloads/832-3200-1-PB.pdf. Acesso em: 10 set. 2019.

OLIVEIRA, L. Dez Lições sobre Hannah Arendt. Petropólis: Editora Vozes, 2012.

ONU. Agência da ONU para refugiados. Dados sobre Refúgio. Disponível em: https://www.acnur.org/portugues/dados-sobre-refugio/. Acesso em: 14 set. 2019.

SILVEIRA, R. G. et al. Fundamentos teórico-metodológicos da educação em direitos humanos. João Pessoa: Ed. Universitária, 2007.

SOUZA, J.M.A. Tendências ideológicas do conservadorismo. 2016. Tese de doutorado na área de Serviço Social. UFPE, 2016.

Downloads

Publicado

2020-05-15