Capacidade de organização social em enfrentamentos socioambientais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n2p276

Palavras-chave:

Enfrentamentos socioambientais, Participação social, CTS, Educação ambiental, Políticas públicas

Resumo

Este artigo descreve as etapas de uma pesquisa social que investigou a capacidade de organização de uma comunidade em Minas Gerais, Brasil, no enfrentamento de seus problemas socioambientais. Nos moldes de uma pesquisa participante, fez-se um diagnóstico para identificar os desafios e os potenciais mais relevantes da comunidade, os quais oportunizaram intervenções envolvendo três demandas prioritárias: melhoria das ações de educação ambiental na escola, mobilização comunitária para gestão dos resíduos eletrônicos e implementação de políticas socioambientais no município. Os resultados dessas intervenções evidenciaram que os atores sociais envolvidos, embora empenhem esforços para atuar nos enfrentamentos socioambientais, não conseguem perenizar ações de enfrentamento a ponto de concretizar transformações mais significativas na comunidade, haja vista que ainda prevalece visão superficial sobre o assunto, pouca valorização da participação coletiva por parte do poder público local e fragmentação no trabalho das lideranças comunitárias, desencadeando abandono das ações e descrédito da população nas tratativas socioambientais.

Biografia do Autor

Ricardo Almeida, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos - SP - Brasil

Doutorando em Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS) pelo PPGCTS da Universidade Federal de São Carlos-SP, Mestre em Inovação Tecnológica pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM, Gestor de Pessoas na Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas da UFTM.

Carlos Roberto Massao Hayashi, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos - SP - Brasil

Professor Associado do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal de São Carlos (DCI/UFSCar). Doutor em Educação (2007) e Mestre em Educação (2004), ambos pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Professor no Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade da UFSCar (PPGCTS/UFSCar).

Referências

ALMEIDA, R.; SCATENA, L. M.; LUZ, M. S. Percepção ambiental e políticas públicas - dicotomia e desafios no desenvolvimento da cultura de sustentabilidade. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 20, n. 1, p. 43-64, 2017.

BECK, Ulrich. Risk Society. Towards a New Modernity. London: Sage, 1992.

BITTAR, M.; FERREIRA Jr., A. Ciência e Tecnologia: uma perspectiva histórico-filosófica. In: HAYASHI, M. C. P. I.; RIGOLIN, C. C. D.; KERBAUY, M. T. M. (Org.). Sociologia da Ciência: contribuições ao campo CTS. Campinas, SP: Editora Alínea, 2014. p. 13-40.

BRASIL. Ministério das Cidades. Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental. Programa de Educação Ambiental e Mobilização Social em Saneamento. Caderno Metodológico para ações de educação ambiental e mobilização social em saneamento. Brasília - DF: Ministério das Cidades, 2009.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Panorama nacional sobre gestão do lixo, destinação dos resíduos e logística reversa em estados e municípios. Out/2018. Disponível em: http://www.mma.gov.br/informma/item/15166-54-dos-munic%C3%ADpios-t%C3%AAm-plano-de-res%C3%ADduos.html. Acesso em: 15 jun. 2019.

BRASIL. Lei n. 9.795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br /ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: 20 jun. 2019.

BRASIL. Programa de Educação Ambiental. Documento básico. Ministério do Meio Ambiente, Diretoria de Educação Ambiental: Ministério da Educação, Coordenação Geral da Educação Ambiental. 2ª ed. Brasília – DF, 2003, 50p.

COSTA, César Augusto; LOUREIRO, Carlos Frederico. A interdisciplinaridade em Paulo Freire: aproximações político-pedagógicas para a educação ambiental. R. Katál., Florianópolis, v. 20, n. 1, p. 111-121, jan./abr. 2017.

COSTA, Helena A.; BURSZTYN, Maria Augusta A.; NASCIMENTO, Elimar P. do. Participação Social em Processos de Avaliação Ambiental Estratégica. Sociedade e Estado, Brasília, v. 24, n. 1, p. 89-113, jan./abr. 2009.

FLEURY, Lorena Cândido; ALMEIDA, Jalcione; PREMEBIDA, Adriano. O ambiente como questão sociológica: conflitos ambientais em perspectiva. Sociologias, Porto Alegre; ano 16, nº 35, jan./abr. 2014, p 34-82.

GIDDENS, Anthony. Risco, Confiança, Reflexividade. In: Ulrich. Beck e Anthony Giddens and S. Lash (eds). Modernização Reflexiva. São Paulo: UNESP, 1997.

GREGOLIN, José Ângelo Rodrigues; HOFFMANN, Wanda Aparecida Machado; FARIA, Leandro Innocentini Lopes. Aspectos metodológicos da prospecção tecnológica para a pesquisa em Ciência, Tecnologia e Sociedade. In: SOUZA, Cidoval Morais; HAYASHI, M. C. P. I. (Org.). Ciência, Tecnologia e Sociedade: enfoques teóricos e aplicados. São Carlos: Pedro e João Editores, 2008. p. 89-112.

HADDAD, N. Metodologia de estudos em ciência da saúde: como planejar, analisar e apresentar um trabalho científico. São Paulo: Roca; 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DE OPINIÃO PÚBLICA E ESTATÍSTICA. Índice de confiança Social, IBOPE, 2018. Disponível em: http://www.ibopeinteligencia.com/noticias-e-pesquisas/confianca-do-brasileiro-nas-instituicoes-e-a-mais-baixa-desde-2009/. Acesso em: 10 mai. 2019.

JACOBI, Pedro Roberto. Espaços públicos e práticas participativas na gestão do meio ambiente no Brasil. Sociedade e Estado, Brasília, v.18, n. 1/2, p. 315-318, jan./dez. 2003.

LAYRARGUES, Philippe Pomier; LIMA, Gustavo Ferreira da Costa. As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 23-40, jan./mar., 2014.

LOUREIRO, Carlos Frederico B. Complexidade e dialética: contribuições à práxis política e emancipatória em educação ambiental. Educ. Soc. [online]. 2005, vol.26, n.93, pp.1473-1494.

LOUREIRO, Carlos Frederico B.; LAYRARGUES, Philippe Pomier. Ecologia política, justiça e educação ambiental crítica: perspectivas de aliança contra-hegemônica. Trab. educ. saúde. Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 53-71, Abr. 2013.

MARTINS, Clítia Helena Backx. A sociedade de risco: visões sobre a iminência da crise ambiental global na teoria social contemporânea. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 25, n. 1, p. 233-248, abr. 2004.

MITCHAM, C. En busca de una nueva relacion entre ciencia, tecnologia y sociedad. In: MEDINA, M.; SANMARTÍN, J. (Ed.). Ciencia, tecnología y sociedad: estudios interdisciplinares en la universidad, en la educación y en la gestión política y social. Barcelona: Anthropos, 1990. p. 11-19.

NEDER, Ricardo Toledo. Estudos CTS e Educação – por um novo regime de controvérsia científica. Linhas Críticas. Brasília, DF, v.21, n.45, p. 265-274, mai./ago. 2015.

NOVAES, M. B. C.; GIL, A. C. A pesquisa-ação participante como estratégia metodológica para o estudo do empreendedorismo social em administração de empresas. RAM: Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 10, n. 1, jan./fev. 2009.

Organização das Nações Unidas (ONU) – Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o desenvolvimento Sustentável. Trad. Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio). Out/2015. Disponível em: https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/. Acesso em: 16 fev. 2018.

ROTHBERG, Danilo; KERBAUY, Maria Teresa Miceli. A relevância da teoria da sociedade de risco para os estudos sociais de ciência e tecnologia. In: HAYASHI, M. C. P. I.; RIGOLIN, C. C. D.; KERBAUY, M. T. M. (Org.). Sociologia da Ciência: contribuições ao campo CTS. Campinas, SP: Editora Alínea, 2014. p. 239-266.

SORRENTINO, Marcos; MENDONÇA, Rachel T. P.; FERRARO Jr., Luiz Antonio. Educação ambiental como política pública. Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 31, n. 2, p. 285-299, mai./ago. 2005.

SOUZA, Celina. A nova gestão pública. In: Gestão pública: desafios e perspectivas. Salvador: Fundação Luís Eduardo Magalhães, 2001. p. 38-62., 2001.

Downloads

Publicado

2020-05-15