A inovação-restauração das formas democrático-burguesas como característica da revolução passiva no Brasil

Cláudia Maria Costa Gomes, Ana Karoline Nogueira de Souza

Resumo


A análise apresentada neste artigo objetiva retomar os elementos da formação social brasileira com enfoque nas características da democracia e as formas da dominação burguesa realizada no Brasil. Desse modo, buscou-se compreender a complexidade da realidade social a partir da teoria social de Marx e através da metodologia da tradutibilidade foi possível aplicar a categoria gramsciana de revolução passiva na realidade brasileira. A ampla incursão bibliográfica apontou que a reprodução das relações sociais incidem nos limites da emancipação política brasileira e avança para formas orgânicas antidemocráticas. Concluímos portanto, que a revolução pelo alto se constitui como uma determinação do capitalismo dependente.


Palavras-chave


Estado; Capitalismo brasileiro; Revolução passiva; Democracia

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALIAGA, Luciana. Gramsci e a critica a teoría das elites. Revista Crítica Marxista, n. 42. São Paulo, Ed. Unesp, 2016, p. 26-42.

ARICÓ, J. La cola del diablo. Itinerário de Gramsci na América Latina. Buenos Aires: Punto Sur Editores, 1988.

BURITY, J. Estado e Capitalismo na Revolução Passiva Brasileira. Cadernos de Estudos Sociais, v. 4, n. 2, jul./dez., 1988.

COUTINHO, C. N. As categorias de Gramsci e a realidade brasileira. In COUTINHO, C.N e NOGUEIRA, M. A.(Org). Gramsci e a América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988, p. 103-127.

COUTINHO, C. N. Cultura e sociedade no Brasil: ensaios sobre ideias e formas. 4.ed. São Paulo. Expressão Popular, 2011.

DEMIER, F. A lei do Desenvolvimento desigual e combinado de León Trotsky e a intelectualidade brasileira. Outubro Revista, ed.16, 2007, disponível em: http://outubrorevista.com.br/a-lei-do-desenvolvimento-desigual-e-combinado-de-leon-trotsky-e-a-intelectualidade-brasileira/. Acesso em 20 de jun. 2019.

FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 2ª ed. Rio de Janeiro: Zahar editores. 1976.

FGV/CPDOC. A Era Vargas - 1º tempo - dos anos 20 a 1945. Disponível em: https://cpdoc.fgv.br/producao/dossies/AEraVargas1/anos30-37/GolpeEstadoNovo. Acesso em: 10 de jul. 2019.

GOMES, C. M. C. Em Busca do Consenso: Radicalidade democrática e afirmação de Direitos. 2. Ed. Rio de Janeiro, Lumen Juris, 2016.

GOMES, C. M. C. O choque neoliberal e o padrão de hegemonia burguesa do lulo-petismo. R. Katál., Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 86-95, jan./abr. 2018.

IAMAMOTO e CARVALHO. Relações sociais e Serviço Social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 39ª ed. São Paulo: Cortez, 2013.

IASI, M. Cinco Teses sobre a formação social brasileira. Serv. Soc. Soc., São Paulo, n. 136, p. 417-438, set./dez. 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-66282019000300417&script=sci_arttext&tlng=pt.

JAGUARIBE, H. Política ideológica e política de clientela. Jornal do Comércio, São Paulo de 14/5/1950 e em Digesto Econômico, 6(68): 41-62, julho.

LIGUORI, G; VOZA, P. (Orgs.) Dicionário Gramsciano. São Paulo: Boitempo, 2017.

LÊNIN, V. I. O desenvolvimento do capitalismo na Rússia. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

NOBRE, M. Imobilismo em movimento: da abertura democrática ao governo Dilma. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

OLIVEIRA, F. Vanguarda do atraso e atraso da vanguarda: Globalização e Neoliberalismo na América Latina. In: Praga - Revista de Estudos marxistas, n. 4. ed. HUCITEC: São Paulo, dez. de 1997, p. 31-42.

OLIVEIRA, F. A economia brasileira: crítica à razão dualista. Petrópolis, Rio de Janeiro, Editora Vozes, 1987.

STEPAN, A. Democratizando o Brasil. Paz e Terra, 1988, p.12-13.

SILVEIRA, L. Intelectuais comunistas e a questão da democracia no país. Rev. Lua Nova, n. 101 São Paulo, mai-ago. 2017, p. 70. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64452017000200053#B15. Acesso em: 16 de mai. 2019.

SOUZA, A. K. N.; GOMES, C. M. C. A Categoria Revolução Passiva nos Cadernos do Cárcere e nos intérpretes brasileiros. In: Encontro Nacional de História Política História, Rupturas Institucionais e Revoluções, 2017, João Pessoa. Anais do Encontro Nacional De História Política História, Rupturas Institucionais e Revoluções.

SOUZA, A. K. N.; GOMES, C. M. C. A Revolução Passiva na particularidade brasileira do Lulo-petismo. In: XXXI Congreso Asociación Latinoamericana de Sociología, 2017, Montevideo –Uruguay. Anais do Alas 2017. ISBN 978-9974-8434-7-9.

SOUZA, A. K. N. A atuação dos militares na revolução passiva brasileira. 2019. 155 fl. Dissertação (Mestrado em Serviço Social). Universidade Federal da Paraíba. CCHLA/ PPGSS.

TOLEDO, C. As esquerdas e a redescoberta da democracia. São Paulo: Brasiliense, 1994.

VIANNA, L. W. Liberalismo e sindicato no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1976. p.87-152.




DOI: https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n2p298

R. Katál. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil eISSN: 1982-0259  

Licença Creative Commons Adota a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.