Autoritarismo no Brasil do presente: bolsonarismo nos circuitos do ultraliberalismo, militarismo e reacionarismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-0259.2021.e75280

Palavras-chave:

Bolsonarismo, Autoritarismo, Democracia, Ultraliberalismo, Golpe 2016

Resumo

No presente texto, analisamos o autoritarismo como fenômeno contemporâneo, em âmbito mundial, a expressar-se, fortemente, no Brasil, nos marcos do capitalismo financeirizado. Alicerçadas na análise crítica de estudiosos da realidade brasileira, abordamos o bolsonarismo como expressão do autoritarismo no Brasil do Presente, constituído a partir da convergência do reacionarismo político-cultural, militarismo e ultraliberalismo. Para tanto, fundamentadas em Carvalho (2019), realizamos um recuo na história contemporânea brasileira, até a década de 1990, adentrando nos percursos do ajuste do país ao capitalismo mundializado. A partir desse marco histórico, discutimos a predominância das práticas voltadas ao ajuste financeiro, em meio aos embates pela democracia, com destaque para o Golpe 2016 e para a eleição de Jair Messias Bolsonaro, ápice do Golpe. Sustentamos a tese de que o bolsonarismo é uma expressão contemporânea do autoritarismo no Brasil, constituindo um dilema analítico e um desafio político.

Biografia do Autor

Maria do Socorro Sousa de Araújo, Universidade Federal do Maranhão

Assistente Social. Doutora em Políticas Públicas pela UFMA. Pós-doutoranda em Sociologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia, da Universidade Federal do Ceará.

Alba Maria Pinho de Carvalho, Universidade Federal do Ceará.

Assistente Social. Doutora em Sociologia, com pós-doutoramento em Sociologia Política na Universidade de Coimbra. Professora do Programa de Pós-Graduação em Sociologia, do Mestrado Acadêmico e do Mestrado Profissional em Avaliação de Políticas Públicas da Universidade Federal do Ceará.

Referências

BALESTRIN, L. O debate pós-democrático no séc. XXI. Revista Sul-americana de Ciência Política, Pelotas, v. 4, n. 2, 2018.

BRASIL. Proposta de emenda à constituição nº 241-A, de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dá outras providências. Brasília, DF, Câmara dos Deputados, 2016. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1495741. Acesso em: 27 jun. 2020.

CARNEIRO, A. M. F. et al. Política de Assistência Social no período 1988-2018: construção e desmonte. Revista Ser Social, Brasília, v. 21, n. 44, p. 29-47, 2019.

CARVALHO, A. M. P de. Bolsonarismo como fenômeno político no Brasil do Presente: uma composição de risco, um desafio à luta política. In: SEMINÁRIO VIRTUAL PAPIIT, 2020. Anais [...]. Fortaleza, 2020.

CARVALHO, A. M. P. et al. A crise capitalista, o avanço da direita no continente latino-americano e os desafios para a resistência. In: JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS, 9, 2019, Maranhão. Anais [...]. São Luís: MA, 2019.

CARVALHO, A. M. P de. Desmonte dos direitos da classe trabalhadora: assistentes sociais no combate ao conservadorismo. In: ENCONTRO DE ASSISTENTES SOCIAIS NO MARANHÃO, 40, 2019, Maranhão. Anais [...]. São Luís: MA, 2019.

CARVALHO, A. M. P de.; GUERRA, E. C. O Brasil no século XXI nos circuitos da crise do capital: o modelo brasileiro de ajuste no foco da crítica. Revista de Políticas Públicas, São Luís, v. 19, n. 1, p. 41-60, 2015.

CARVALHO, A. M. P de.; MILANEZ, B.; GUERRA, C. E. Rentismo-neoextrativismo: a inserção dependente do Brasil nos percursos do capitalismo mundializado (1990-2017). In: RIGOTTO, R. M. et al. Tramas para Justiça Ambiental: diálogos e saberes e práxis emancipatórias. Fortaleza: Edições UFC, 2018.

CARVALHO, A. M. P de; RODRIGUES JÚNIOR, N. dos S. Modelo de ajuste nos governos petistas em meio à ideologia da conciliação de classes: chão histórico do Golpe de 2016 no Brasil Contemporâneo. Revista Em Pauta, Rio de Janeiro, v. 17, p. 274-291, 2019.

CHAUÍ, M. Neoliberalismo: a nova forma do totalitarismo. A Terra é redonda, [S. l.], 6 out. 2019. Disponível em: https://aterraeredonda.com.br/neoliberalismo-a-nova-forma-do-totalitarismo/. Acesso em: 27 jun. 2020.

CHAUVEAU, A.; TETARD, P. Questões para a história do presente. Bauru: EDUSC, 1999.

ENTREVISTA: Coronavírus e a crise do capital. Associação dos Docentes da Universidade Federal do Espírito Santo, Espírito Santo, 28 abr. 2020. Disponível em: https://adufes.org.br/portal/noticias/28-andes/3425-entrevista-coronavirus-e-a-crise-do-capital.html. Acesso em: 25 abr. 2020.

HARVEY, D. Política anticapitalista em tempos do COVID-19. In: HARVEY, D. et al. (org.). Coronavírus e a luta de classes. Brasil: Editora Terra sem amos, 2020. p.13-24.

JOÃO FILHO. A Lava Jato usou o Judiciário para fins políticos. The Intercept, 16 jul. 2019. Disponível em: https://theintercept.com/2019/06/16/vaza-jato-corrupcao-sergio-moro-politica-dallagnol/?comments=1. Acesso em: 25 abr. 2020.

LÜHRMANN, A.; MAERZ, S. F. et al. Autocratization Surges: Resistance Grows, democracy report 2020. V- Dem Institute varieties of democracy, Los Angeles, USA, mar. 2020. Disponível em: https://www.v-dem.net/media/filer_public/f0/5d/f05d46d8-626f-4b20-8e4e-53d4b134bfcb/democracy_report_2020_low.pdf. Acesos em: 25 abr. 2020.

MÉSZÁROS, István. O Desafio e o fardo de tempo histórico. São Paulo: Boitempo Editorial,2015.

SANTOS, B. de S. A Cruel pedagogia do vírus. São Paulo: Boitempo Editorial, 2020.

ZIBECHI, R. Coronavírus: a militarização das crises. In: HARVEY, David et al. (org.) Coronavírus e a luta de classes. Brasil: Editora Terra sem amos.

Downloads

Publicado

2021-04-09